Gênero e sexualidade

REFORMA TRABALHISTA

Com a Reforma Trabalhista, Mulheres em área de risco pensam duas vezes antes de engravidar

A reforma trabalhista que entra em vigor no próximo sábado (11/11) permite que mulheres grávidas trabalhem em áreas com risco de contaminação, uma tragédia à classe trabalhadora e principalmente as mulheres.

segunda-feira 6 de novembro| Edição do dia

Agora mulheres que trabalham em lugares insalubres, ou seja, que podem fazer mal a saúde, como barulho, calor, frio ou radiação em excesso, poderão permanecer em seus postos de trabalho mesmo grávidas, desde que a insalubridade seja de grau mínimo ou médio.

Com os novos planos de ataque do governo, muitas mulheres estão adiando o plano de terem filhos, antes da reforma elas não poderiam trabalhar em ambientes insalubres em nenhuma hipótese. Agora só poderão se afastar a partir de um atestado médico.

Em caso de amamentação a mulher deverá permanecer em seu posto de trabalho independente do grau de insalubridade.

Saiba mais: Reforma trabalhista ataca as mulheres grávidas

As novas regras sobre o trabalho insalubre de mulheres que ainda estao amamentando ainda podem sofrer mudanças, logo que a reforma foi aprovada o governo prometeu que editaria uma MP (Medida Provisória) alterando alguns pontos da nova lei, incluindo o de trabalho insalubre. A MP é parte do acordo entre o governo e sua base no Senado para que a reforma fosse aprovada com mais rapidez.

Na época o governo chegou a divulgar um esboço sobre a MP, onde as mulheres gravidas seriam afastadas dos postos de trabalho insalubres, mas poderiam apresentar um atestado médico “voluntariamente“, liberando seu trabalho em locais de baixa e média insalubridade. Essa MP ate o momento não foi enviada ao Congresso.

A reforma trabalhista que segue com a ilusão de “negociação“ com o patrão, além de nos colocar uma realidade de trabalho precário, com mais horas trabalhadas e salários cada vez menores, ataca as mulheres de forma mais brutal, colocando em risco suas vidas e a de seus filhos.

Pode te interessar: As consequências perversas da Reforma Trabalhista na vida das mulheres




Tópicos relacionados

Reforma Trabalhista   /    Gênero e sexualidade   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar