Negr@s

VINGANÇA POLICIAL

Com 7 mortos em 10 dias, moradores do Jacarezinho estocam comida e crianças perdem aulas

As ações policiais na favela do jacarezinho, RJ, completaram dez dias nesse domingo (20).

segunda-feira 21 de agosto| Edição do dia

Desde a morte do policial civil Bruno Guimarães Buhler, em 11 de agosto, a polícia deu início à “Operação Vingança”, mais um pretexto para assassinar os negros e periféricos. O pretexto da operação é encontrar os responsáveis pelo assassinato de Bruno, morto com um tiro no pescoço em uma outra operação na favela.

Mas em dez dias de conflito, a operação tomou proporções muito maiores do que os típicos casos de vingança policial, com troca de tiros e forte opressão dos militares da UPP (coordenada com a polícia civil e outras corregedorias da polícia), já são ao menos sete mortos e oito feridos, muitos em estado grave. Hoje também o exército está ocupando o local e revistando as pessoas.

O último fim de semana foi marcado por mais confrontos na favela do jacarezinho. No sábado o confronto teve início quando militares foram checar uma denúncia da presença de criminosos, dando início a um tiroteiro às 14 horas. Além da caça aos responsáveis pela morte do policial civil Bruno, a polícia usa, novamente, a justificativa racista da “guerra às drogas” para promover a barbárie que tem acontecido.

Pode te interessar: Entrevista com moradora de Manguinhos: "só há cheiro de morte no ar"

O clima é de guerra, além dos mortos, feridos e desaparecidos, milhares de crianças são impedidas de ter suas aulas devido à constante troca de tiros. A polícia tem usado os caveirões e helicópteros, de onde atiram, atingem e matam trabalhadores e trabalhadoras como o vendedor de verduras Tião.

Em meio a essa situação, moradores do Jacarezinho começaram a estocar comida nas casas como “kit de guerra” para não ter que sair. O comércio local não tem ficado aberto depois das 17 horas, quando não tem que fechar em meio a algum confronto ou por ordem de policiais. A situação segue calamitosa, onde o desespero acompanha a rotina na favela e os moradores clamam por paz e justiça.




Tópicos relacionados

Violência Policial   /    Rio de Janeiro   /    Negr@s

Comentários

Comentar