Internacional

COLÔMBIA

Colômbia: Terceira greve nacional e novas mobilizações contra Duque

Dezenas de milhares de trabalhadores, estudantes, movimentos populares e sociais, juntamente com setores indígenas, estiveram presentes ativamente neste novo dia de mobilização. A juventude é o setor mais expressivo nas manifestações, enquanto as lideranças sindicais mantêm uma posição ambígua entre a rua e a "mesa de diálogo".

sexta-feira 6 de dezembro de 2019| Edição do dia

A manifestação foi maior que à realizada durante a segunda greve nacional, embora não tenha atingido os níveis dos primeiros protestos do 21N, mostrando que a indignação do povo colombiano contra as medidas do governo ainda está presente após 14 dias de protestos.

Mais uma vez, a Praça Bolívar, o centro político do país em Bogotá, foi invadida por uma multidão que se manifestou durante o terceiro dia de "greve nacional" convocada por sindicatos e movimentos sociais em todo o país. Os estudantes também chegaram ao Praça carregando uma imensa bandeira que lembrou Dilan Cruz, que foi morto na semana passada devido ao impacto de um projétil em sua cabeça, lançado pelas forças repressivas.

Protestos e mobilizações se estenderam a outras cidades como Medellín, Cartagena, Cali, Pereira, Bucaramanga e Manizales, onde milhares também bloquearam as principais ruas com cartazes e placas que diziam "Aqui somos nós que sobraram".

A juventude foi o setor mais proeminente do dia, como aconteceu nas duas greves nacionais anteriores, bem como nas constantes manifestações nesses quatorze dias. As últimas marchas foram acompanhadas por "guardas indígenas", que foram atacados em partes da Colômbia por grupos armados que tentavam tomar posse de áreas que antes eram controladas por grupos guerrilheiros desmobilizados. Embora não portem armas de fogo, em Bogotá e da mesma maneira em Cali, eles formaram uma barreira protetora em frente aos manifestantes, como forma de impedir qualquer repressão policial.

Em Medellín, os manifestantes foram reprimidos depois que a polícia visou limpar a Avenida Regional, que atravessa a cidade de sul a norte e foi bloqueada. Uma situação semelhante ocorreu em Cali, onde 27 pessoas foram presas, segundo relatos de organizações de direitos humanos. Deve-se notar que o governo de Duque, durante o dia, procura "se cuidar" após o vil assassinato de Dilan Cruz pela polícia da ESMAD, implantando repressão a protestos que continuam à noite, onde os manifestantes são reprimidos e detidos .

Também deve ser enfatizado que as principais cidades do país ainda estão militarizadas com a presença do Exército, até exibindo tanques como se estivessem em guerra, tudo para intimidar a população e "impedi-la" de sair para protestar. Mas, apesar disso, o povo colombiano não abaixou suas bandeiras de luta permanecendo nas ruas.

Os sindicatos entre as ruas e o diálogo

Como observamos em artigos anteriores, as mobilizações após o 21N não deram um grande salto devido ao papel desempenhado pelos sindicatos e movimentos sociais que afirmam estar na vanguarda dos protestos. Em vez de fortalecer a luta para derrotar o plano de Duque, o que eles vêm fazendo é buscar negociações com o governo

Muito claramente as mobilizações e pedidos de "greve nacional" foram convocadas, mas como um mecanismo de pressão sobre Duque e não para derrotar toda a sua política antipopular e pela qual centenas de milhares de pessoas se mobilizaram durante esses 14 dias em todo o país.

Dessa maneira, os sindicatos agrupados nas centrais sindicais têm uma posição ambígua entre sentar-se à mesa de diálogo com um governo que não tem nada a oferecer e a pressão das ruas que os obriga a exigir novas ações. Por isso, após o fracasso de uma nova mesa que tentou estabelecer com o governo Duque, as centrais sindicais ratificaram a realização desse terceiro dia de greve, da noite para o dia.

O Comitê Nacional de Greve exige que o Governo inicie um diálogo "direto, democrático e eficaz", mas até agora o Presidente Iván Duque insistiu que esse contato deveria ocorrer como parte da "Conversação Nacional" que ele convocou com diferentes setores políticos, econômicos e sociais do país para discutir várias questões.

As manifestações são convocadas pela Central Unitária de Trabalhadores (CUT), pela Confederação Geral do Trabalho (CGT), pela Confederação dos Trabalhadores da Colômbia (CTC) e pela Federação Colombiana de Trabalhadores da Educação (Fecode), a quem foram se somando outros setores dos movimentos sociais e estudantis.

Embora publicamente os líderes sindicais critiquem Duque por suas políticas sociais e econômicas, sua localização tem sido conter a situação diante dos distúrbios das ruas, tentando impedir a Colômbia de entrar em um cenário semelhante ao chileno. De fato, a convocação para esse tipo de paralisação do trabalho, convocada de um dia para o outro, sem preparação ou continuidade, significa que as jornadas acabem sendo, sobretudo, a mobilização de movimentos sociais, estudantis e indígenas, em vez de greves verdadeiras que paralisam o país e coloque Duque em cheque.

Mesmo assim, o ritmo da rua é mantido e é o que força a burocracia dos sindicatos a não poder dar as costas a eles e ter que fazer malabarismos entre as manifestações e a mesa de diálogo com o governo. Por exemplo, após o dia de quarta-feira, uma nova reunião já está convocada para quinta-feira entre os líderes da greve e o governo de Duque.

Após 14 dias de mobilização, é importante tirar as primeiras conclusões do caminho percorrido até agora. Para realizar a luta pelas demandas fundamentais que o povo colombiano vem lutando, é essencial avançar em níveis mais altos de organização, porque a luta não pode ser deixada à espontaneidade ou aos caprichos das burocracias sindicais e aos movimentos que buscam usar os protestos como moeda nas mesas de negociação. Em um nível superior de organização, o maior programa de ação é necessário para conquistar as demandas.

O clamor do Fora Duque foi posto nas ruas, juntamente com todas as demandas do povo trabalhador e da juventude colombiana, mas isso só pode ser alcançado com a implantação de toda a força social capaz de derrotar os inimigos do povo, impondo uma verdadeira greve geral até que Duque e todo o podre regime político colombiano caiam.




Tópicos relacionados

Colombia   /    Internacional

Comentários

Comentar