Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Ciro Gomes será o novo ajudante de Bolsonaro para aprovar a reforma da previdência

Com o aval de Ciro Gomes, Mauro Benevides, seu principal assessor econômico durante as eleições, se reuniu nesta semana com o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para discutir os pontos em comum em relação aos projetos de reforma da previdência.

quinta-feira 31 de janeiro| Edição do dia

Ciro Gomes chegou ao ponto de se propor como um interlocutor para que Bolsonaro aprove a Reforma da Previdência, contrariando até a retórica neodesenvolvimentista com traços liberais que ele apresentou durante as eleições, agora o pedetista chega ao fundo do poço de adotar o papel de quinta roda da dita “oposição”. Desde o segundo turno das eleições Ciro já vinha em uma trajetória a direita, se abstendo durante o segundo turno e a partir da vitória de Bolsonaro arquitetando uma “oposição” parlamentar que abrangia PSDB, DEM e o Centrão. Atualmente, em meio a uma precoce crise do novo governo que relaciona o clã Bolsonaro com as milícias do Rio, que inclusive são suspeitas de participação no assassinato de Marielle, o pedetista mantém um silêncio lacônico. Pior do que isso, o oligarca cearense vai ao encontro dos ajustes do governo Bolsonaro.

Mauro Benevides Filho (PDT-CE), que foi seu principal assessor econômico durante as eleições, foi enviado para discutir a reforma da previdência proposta por Ciro com o secretário especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho. Buscando desempenhar o rebaixado papel de “bom democrata”, o oligarca cearense já havia desejado “boa sorte” ao novo governo e se colocado à disposição de dialogar, agora avança nas conversas com o governo Bolsonaro buscando participar da sua pauta de ataques, como mostra esta reportagem de Gerson Camarotti no G1.

“Aprovei a ida de Mauro Filho para conversar com a equipe de Paulo Guedes. Minhas ideias são para o Brasil. Sou oposição ao Bolsonaro mas se ele tomar iniciativas boas para o País, não evitarei o diálogo. Minha dúvida se ele vai tomar boas iniciativas é enorme!”

Diferente do discurso de Ciro não há nenhuma reforma da previdência para o bem do Brasil, muito pelo contrário, em todas as suas variantes são políticas neoliberais de ataque às aposentadorias de milhões de trabalhadores. Um dos pilares de sua proposta conflui com a de Bolsonaro em relação ao modelo a ser implementado, o modelo de capitalização, uma das mudanças mais duras pretendidas por Paulo Guedes. Nesse modelo cada indivíduo fica encarregado de sua própria poupança, além de entregar a gestão para os banqueiros através de fundos de pensão privados. Aplicado de forma pioneira na ditadura de Pinochet no Chile dos anos 70, o modelo mostra-se hoje em dia um desastre com míseros rendimentos aos trabalhadores ( em torno de 40% do salário mínimo do país).

Aqui no Brasil, na cidade de São Paulo, esse modelo de capitalização foi aprovado recentemente pela prefeitura do tucano Bruno Covas, com muita repressão sob os professores e servidores municipais, e após Doria ser freado pela mobilização dessas categorias. É dessa política rejeitada pelos trabalhadores que Ciro se propõe a ser um interlocutor, colaborando para sua aprovação.

Sobre outra perspectiva a atuação da oposição petista cumpre o mesmo papel. Canalizando tudo para o terreno da oposição parlamentar, o PT mantém a CUT em sua paralisia. A exemplo de Ciro, Wagner Freitas presidente da CUT fala em uma “oposição propositiva”, relegando às centrais sindicais, que deveriam organizar a luta, o papel de meras interlocutoras do “governo eleito democraticamente” e pedindo aos trabalhadores que aguardem pacientemente a aplicação desses duros ataques de Bolsonaro para daqui 4 anos travarem uma nova disputa no campo eleitoral.

Enquanto as centrais cumprem esse lastimável papel de pacificação social, avançam os ataques sob os trabalhadores, como vemos os anúncios de votação da reforma da previdência e a crescente implementação da reforma trabalhista que essa semana contou com a divulgação dos planos da GM de demissão em massa e ataques sobre os direitos de seus trabalhadores.

Diferente da estratégia petista, a única forma de barrar esses avanços é no terreno da luta de classes. Contra a passividade e a trégua das centrais sindicais é preciso um plano de lutas sério, que organize nossas forças. Nenhuma oposição parlamentar irá resolver o que somente a nossa luta pode colocar fim: os ataques que esse governo quer impor. Precisamos rechaçar a linha das direções dos grandes sindicatos brasileiros de propor a “nossa reforma da previdência”, a resistência parlamentar é uma grande falácia sem estar ligada à força das mulheres nas ruas, em cada local de trabalho atuando com nossos próprios métodos.




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    Ciro Gomes   /    Jair Bolsonaro   /    Reforma da Previdência   /    Política

Comentários

Comentar