Internacional

CHINA

China: prendem estudantes e ativistas por defender os direitos dos trabalhadores

Shenzhen, uma cidade localizada no sul da China, na província de Canton, tornou-se um dos epicentros de uma série de prisões da polícia contra defensores dos direitos trabalhistas.

sexta-feira 16 de novembro| Edição do dia

Uma dúzia de estudantes e ativistas trabalhistas foram detidos em várias operações policiais realizadas em diferentes campi universitários na China. A organização China Labour Bulletin (CLB) explica que os detidos, cujo número exato ainda é desconhecido, são ativistas trabalhistas e estudantes que se definem como ideólogos marxistas e que defendem publicamente os direitos dos trabalhadores.

As mídias de Hong Kong, como o South China Morning Post, disse à Efe que eles estão cientes de pelo menos uma dúzia de detenções em operações policiais realizadas em campi universitários em Pequim, Xangai, Shenzhen e Guangzhou, que começaram na última sexta-feira. Elas se estenderam até o domingo.

Em um vídeo transmitido em redes sociais, você pode ver como três agentes à paisana imobilizam um aluno no chão, que foi preso mais tarde.

Os estudantes detidos fazem parte de um movimento recente de estudantes universitários que se dizem marxistas e que expressaram seu apoio às demandas sindicais dos trabalhadores da Jasic Technology, que estão mobilizados pelo direito de formar um sindicato naquela empresa na cidade de Shenzhen, um dos centros tecnológicos da China.

As manifestações começaram em maio depois que as condições de trabalho na fábrica, no distrito de Pingshan, se deterioraram a ponto de os trabalhadores serem forçados a agir apenas para garantir o pagamento de um salário digno.

Os funcionários da Jasic disseram que a empresa estava tratando-os "como escravos" e que a gerência roubara centenas de iuanes por mês, alterando arbitrariamente suas programações e pagando insuficientemente suas contribuições para o seguro social e de habitação, entre outros abusos.

A empresa possui fábricas nas cidades de Shenzhen e Chengdu, com um total de 1.200 funcionários, e frente ao apoio crescente para reivindicações de direitos trabalhistas decidiu demitir os principais organizadores da reivindicação.

Essas represálias contra os trabalhadores de Jasic despertaram a solidariedade dos estudantes em todo o país e a expansão desse movimento estudantil que desafia a autoridade do Partido Comunista da China. Desde CLB, explicam: "Essas represálias contra ativistas laborais e progressistas não ajudam em nada à estabilidade social", dizem aqueles que fazem parte dessa organização que defende os direitos dos trabalhadores.

Em agosto passado, mais de 50 estudantes chineses foram presos depois de mostrar sua solidariedade aos trabalhadores da Jasic Technology. Autoridades acusaram vários ativistas de “reunir uma multidão para perturbar a ordem pública”, não sendo autorizados a ver seu advogado desde 1º de outubro, e as autoridades locais pressionaram um dos advogados a renunciar o caso, como asseguram do CLB.

A acusação de "reunir uma multidão para perturbar a ordem pública" é uma das mais utilizadas para deter indefinidamente trabalhadores que reivindicam seus direitos trabalhistas. Começou a ser implementado pelas autoridades chinesas como uma ameaça intimidante contra os trabalhadores que tentaram paralisar a produção em alguma fábrica ou manifestar-se publicamente. Essa medida arbitrária agora se estende contra os estudantes que se mobilizam.

As medidas repressivas contra estudantes levaram a Escola de Relações Industriais e Trabalhistas da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, suspender programas de intercâmbio com a Universidade Renmin, com sede em Pequim, depois que vários estudantes chineses foram punidos por apoiar protestos. "A decisão surgiu da preocupação de que os estudantes da instituição chinesa estavam sendo penalizados por falar sobre direitos trabalhistas", disse o prefeito Michael Kotlikoff em um comunicado divulgado na terça-feira.

Em contraste com a solidariedade dos estudantes, tanto o sindicato local quanto os representantes da Federação de Sindicatos de Toda a China (ACFTU) olharam para o outro lado ao defender os direitos mínimos dos trabalhadores.

Este novo ativismo estudantil em favor dos direitos trabalhistas representa um problema para o governo chinês. Por um lado, são uma fonte de apoio e permitem maior visibilidade às demandas dos trabalhadores, muitas vezes ignoradas pela mídia. Essas ações são um questionamento para o discurso do presidente Xi Jinping, que defendeu publicamente as "ideias marxistas" em uma versão ausente de todo conteúdo questionador e desde que possam ser controladas pelas autoridades.

Por tanto eles representam um novo problema a ser resolvido para Pequim, que não está de todo disposto a permitir qualquer forma de ativismo que escape de seu controle.




Tópicos relacionados

China   /    Internacional

Comentários

Comentar