Gênero e sexualidade

ESTADO DE EMERGÊNCIA NO CHILE

Chile: denunciam abusos e ameaças de estupros contra mulheres detidas

Organizações de direitos humanos, organizações feministas e que defendem os direitos das mulheres denunciam a violência e o abuso sexual contra mulheres detidas em meio à repressão no Chile.

quarta-feira 23 de outubro| Edição do dia

Nos últimos dias, foram conhecidas várias queixas de organizações de direitos humanos e organizações feministas de espancamentos, abusos e ameaças de estupros contra mulheres que participam dos protestos e dos panelaços. As forças repressivas chilenas aplicam um método que não é desconhecido para as mulheres na América Latina.

Em meio de prisões e verdadeiras caçadas de participantes dos protestos, aconteceram casos de abuso sexual pelas Forças Especiais, Carabineros e militares do Chile. No âmbito do estado de exceção e toque de recolher em várias cidades, os relatos de violência se multiplicam com uma sanha especial contra as mulheres.

Muitas das queixas durante as prisões estão relacionadas a maus-tratos, espancamentos, tortura e abuso sexual, entre outras violações de direitos individuais. A situação das mulheres participantes dos protestos é sinalizada com preocupação por organizações como a Rede Chilena Contra a Violência contra as Mulheres. Silvana del Valle, advogada dessa organização, aponta a trajetória da violência político-sexual no Chile e na América Latina.

Uma das denúncias diz que “as meninas que foram presas foram despidas na frente de homens, não de mulheres, como a lei diz que deveria ser. Todas foram tocadas nos órgãos genitais, nos seios; várias tiveram a ponta de fuzis ou a coronha das armas inseridas na vagina e as perguntaram se querem ser estupradas pelo ânus, trataram todas elas como prostitutas; que eles vão estuprá-las e depois matá-las, muitas dessas meninas ainda não voltam para suas casas ”(palavras de uma psicóloga de Santiago do Chile que não tornou público seu nome). A incerteza e o desconhecimento do destino de muitas pessoas detidas, que, segundo vários meios de comunicação, chegam à 2.000, também são uma arma de disciplina.

Uma mulher detida relatou ter sido virada de cabeça para baixo no lixo e que um membro do exército ameaçou atirar nela se ela se mexesse, tocou-a com o fuzil e disse que ia "penetrá-la com a arma". A queixa foi coletada pelo Instituto Nacional de Direitos Humanos (INDH), que apresentou várias medidas legais sobre condições e locais de detenção.

Outra queixa foi a de Pamela Maldonado, detida com o pai em Santiago. Ela relatou que um policial ameaçou agredi-la sexualmente no caminho para a delegacia. "Vamos ver se você gosta pelo ânus!", Ele disse quando a levavam.

Não é a primeira vez que são denunciadas forças repressivas chilenas por abuso e violência sexual. Durante os protestos estudantis dos últimos anos, houve muitas queixas contra as forças especiais de Carabineros por levantar a saia de estudantes do ensino médio. Estudantes que foram presas durante os protestos também confirmaram que tocaram seus órgãos genitais, despiram-nas e os insultos mais comuns foram aqueles relacionados à sua sexualidade ("putas de merda", "lésbicas", entre outros).

Violência sexual como arma do terrorismo de Estado

Em nosso continente, as torturas praticadas pelas Forças Armadas contra as mulheres são conhecidas: abusos e estupros eram uma moeda comum nas ditaduras militares latino-americanas. A “disciplina de gênero” era uma parte importante da violência do estado contra as mulheres. Durante o julgamento contra o genocida Miguel Osvaldo Etchecolatz, na Argentina, a advogada Myriam Bregman (reclamante dessas e outras causas de crimes contra a humanidade e deputada da Frente de Izquierda) disse que "a violência sexual implementada como parte do terrorismo de Estado" deveria ser reconhecida como parte das ações das Forças Armadas.

Também durante governos “democráticos”, estupros e abusos eram uma arma usada por forças repressivas. Um dos casos mais conhecidos das últimas décadas foi a repressão de San Salvador Atenco (México) em 2006, quando o ex-presidente Enrique Peña Nieto era governador do Estado do México. Então, as autoridades empreenderam uma repressão violenta contra o povo de San Salvador Atenco, que defendia suas terras. Como parte dessa repressão, houve queixas de mulheres que foram abusadas, humilhadas e estupradas por policiais.

As violações cometidas por membros das forças repressivas transmitiram a mensagem de punição e disciplina de forma explícita, física e politicamente. A violência não parou com as violações, mas continuou no silêncio de suas queixas.

Se existe um caso paradigmático, é o das tropas da Missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti (Minustah), alvo de alegações de estupros, abusos e redes de prostituição de mulheres e meninas. Muitas das forças das forças repressivas do Chile, bem como do Brasil, Uruguai, Argentina, Bolívia, Equador, Guatemala, Paraguai e Peru, foram treinadas nessa força especial. No Haiti, as forças de paz foram denunciadas por 225 mulheres em denúncias de abuso e exploração sexual; Um terço delas tem menos de 18 anos.

Segundo um relatório das Nações Unidas, 480 queixas de exploração e abuso sexual foram feitas entre 2008 e 2013, das quais um terço envolve meninas e meninos. Missões na República Democrática do Congo, Libéria, Haiti e Sudão do Sul concentram o maior número de queixas. Em 2014, foram adicionadas 51 denúncias de exploração sexual e abuso contra as forças de manutenção da paz da ONU.

Quase metade das queixas contra soldados estavam relacionadas a relações sexuais com menores e 15%, a estupros e agressões sexuais.

Os abusos atuais das forças repressivas confirmam que a violência sexual continua sendo uma arma usada contra as mulheres em estruturas repressivas. A mobilização feminista e contra a violência sexista deixou clara a necessária cumplicidade do Estado na reprodução de uma longa cadeia de violência patriarcal. À negação de direitos e à manutenção de preconceitos acrescenta-se a violência sexual perpetrada pelas forças repressivas que confirmam, mais uma vez, que o Estado é responsável.




Tópicos relacionados

Sebastián Piñera   /    Chile   /    violência policial   /    Violência contra a Mulher   /    Gênero e sexualidade   /    Internacional

Comentários

Comentar