Internacional

Chile começa março pegando fogo com mobilizações e protestos

Enquanto o presidente Sebastián Piñera tenta mostrar uma situação de normalidade no país, prometendo repressão aos que se mobilizem, o mês de março começa com um extenso calendário de protestos que já se colocam em prática nesta “super segunda-feira”.

segunda-feira 2 de março| Edição do dia

O renomado festival de canto de Viña del Mar terminou com vários protestos nas ruas, e muitos sinais de apoio à rebelião que começou a cerca de quatro meses por parte de artistas e cantores que se solidarizaram com os manifestantes. A hashtag #ViñaDelMarx, que viralizou um dia no Twitter, dirigida pela direita e depois tomada pelos manifestantes, deu uma idéia do nível de radicalização para um festival desse tipo, acostumado à censura e a costumes conservadores.

Na mesma semana, os alunos do ensino médio começaram as aulas. No entanto, desde o primeiro dia em vários estabelecimentos, em particular na cidade de Antofagasta, os estudantes saíram às ruas, foram brutalmente detidos pela polícia, repudiando o governo de Piñera e a repressão institucional.

Esses dois exemplos são um sintoma de que a situação no Chile, quatro meses após o início da rebelião, e apesar da tentativa de desviar as mobilizações da chamada cozinha parlamentar, está longe de voltar à normalidade. Enquanto a imagem de Piñera ainda está em baixa, restam apenas ameaças de uma maior repressão para enfrentar o cenário que promete seguir sendo convulsivo.

Isso é mostrado pelo cronograma de ações que já estão planejadas para março. Marchas por água, moradia, greve geral feminista, são alguns dos marcos do esperado mês que agitará o país novamente e exigirá a renúncia de Piñera.
Essa jornada começa pela "super segunda-feira", que convoca uma caravana de ciclistas e motoristas contra Piñera, e espera-se que milhares estejam nas ruas para que as demandas do povo sejam ouvidas.

Nas datas das manifestações de março, que ocupam quase todos os dias do mês, há interpelação com a ministra do Meio Ambiente Isabel Pla, mochilaços estudantis, marcha para não mais Sename, greve geral feminista, mobilização pelo povo mapuche, marcha pela água, pelo direito à moradia e às sextas-feiras, data mantida desde a explosão social de 18 de outubro.

Cronograma:

  • Segunda-feira 2: Super segunda - Caravana vs. Piñera (carros e motos)
  • Terça-feira 3: Interpelação da Ministra Pla
  • Quarta-feira 4: Mochilaço estudantil
  • Quinta-feira 5. Mochilaço estudantil
  • Sexta-feira 6: Super sexta-feira - Marcha não mais SENAME e Grande Mobilização na Praça Dignidad e em outros territórios
  • Domingo 8: Dia Internacional das Mulheres
  • Segunda-feira 9: Super segunda-feira - Greve Geral Feminista
  • Quarta-feira 11: Protesto Nacional 2 anos do Regime de Piñera
  • Sexta-feira 13: Super sexta - Grande mobilização na Praça Dignidad e em outros territórios
  • Domingo 15: Marcha Medio Ambiente
  • Segunda 16: Super segunda - Grande mobilização na Praça Dignidad e nos territórios
  • Quarta-feira 18: Comemoração dos 5 meses da Rebelião
  • Sexta-feira 20: Mobilização Nacional pelo Povo Mapuche
  • Domingo 22: Marcha Nacional pela Recuperação de Água e dos Territórios
  • Segunda-feira 23: Super segunda - Grande mobilização na Praça Dignidad e nos territórios
  • Quarta-feira 25: março pelo direito à moradia e à cidade
  • Sexta-feira 28: Super sexta - Grande mobilização na Praça Dignidad e nos territórios
  • Domingo 29: Comemoração do Dia do Jovem Lutador
  • Terça-feira 31: Mobilização NO + AFP

Descontentamento com Piñera, confiança nas mobilizações

Na manhã desta segunda-feira, eram conhecidos os dados da pesquisa semanal da Praça Pública da CADEM, que refletiam as altas expectativas da população em relação a março e abril, bem como o descontentamento geral em relação ao governo, tanto a Piñera quanto a seus ministros.

Ambos, Piñera e ministros, recebem 81% de desaprovação, de acordo com essa pesquisa que é reconhecida como a mais próxima da presidência. Mas enquanto Piñera alcançaria 12% de aprovação, seus ministros alcançam 14%.

Expectativas

Alguns dados interessantes da pesquisa, feitos com os dados da semana anterior a esta segunda-feira, são as expectativas da população em relação a março e abril.
Quando perguntados sobre a probabilidade de retorno de mobilizações massivas, 92% responde que têm essa expectativa. Dessas pessoas, 66% concordam com as mobilizações e 31% discordam.

Quanto à percepção da situação e suas causas, 71% a definem como "expressão de um descontentamento social generalizado", em comparação com 21%, que a define como "um problema de ordem pública e grupos violentos organizados”, que segue a linha que o governo procurou impulsionar, para deslegitimar as demandas das ruas.

Confira aqui a jornada de mobilização desta "super segunda", 02/03

"AGORA | Evasão maciça no metrô Pudahuel A luta por essa vida digna continua! #SuperSegunda # RenúnciaPiñera"

"[AÇÃO RELÂMPAGO MONUMETNAL! - super segunda feminista]
Hoje acordamos muito cedo porque não podíamos permitir um novo ano sem feminismo e luta! Nesta super segunda-feira, fomos às ruas para intervir em monumentos e praças, #SuperSegundaFeminista #SuperSegunda"

"Forte repressão no Liceo La Chimba em Antofagasta durante as primeiras horas da manhã."

"(#SupersEGUNDA): Manifestação feminista na Astação Plaza Puente Alto: Exigem justiça para Katherine Fernández Quintero, vítima de feminicídio."

"No momento fora da estação Cerrillos #SuperSegundaSemMedo #SuperSegunda pessoas manifestando-se pacificamente"

"Ja começou a #SuperSegunda bem cedo aqui no @metrodesantiago estação Vicente Valdes ...."

Também na noite deste domingo, 1º de março, milhares saíram às ruas exigindo a renúncia do presidente.

Durante a tarde deste domingo, milhares de ciclistas concentraram-se na Praça da Dignidad. De noite, quando Sebastian Piñera apareceu em uma entrevista no programa do Estado Nacional, milhares de manifestantes tomaram as ruas das comunas de Santiago e das cidades de Antofagasta e Concepción exigindo sua renúncia.

San Miguel

Metro Rodrigo de Araya

Maipu

Antofagasta

Concepción




Tópicos relacionados

Retorno da luta de classes   /    Chile   /    Internacional

Comentários

Comentar