CAROLINA CACAU COMENTA SOBRE BRETAS

Cheio de privilégios, Bretas foge do twitter envergonhado

O juiz abandonou o twitter depois de tanta vergonha alheia. Esses juízes, super-ricos e super-privilegiados não merecem nem uma migalha de nossa confiança. Eles servem aos poderosos e aos corruptos.

Carolina Cacau

Foi candidata a vereadora do MRT em 2016, é estudante da UERJ e professora da rede estadual.

quinta-feira 1º de fevereiro| Edição do dia

Imagem: Reddit

A Folha divulgou, em recente pesquisa, que 72% dos juízes que pedem auxilio moradia nas altas cúpulas do judiciário já tem apartamento próprio. Cheios de privilégios, esses juízes, que recebem a gorda quantia de R$32.075 por mês e não foram eleitos por ninguém - estão lá por indicações na maioria dos casos - e ainda recebem R$4.378 para morar em mansões luxuosas.

O juiz da Lava-Jato, Marcelo Bretas, é um caso emblemático. Ele entrou na justiça para receber não só um auxílio, mas dois, (sua esposa também é juíza) e ainda fez questão de afirmar irritado em seu twitter que estava atrás de seus direitos. Para esse juiz, ter direitos é acumular super-privilégios (duplos).

O juiz contraria a decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) que proíbe o acumulo do benefício para casais que moram juntos. Seu apartamento próprio no Flamengo, zona sul do Rio, com vista para o Pão de Açucar, já saiu até em revista de arquitetura e design. O juiz, envergonhado, abandonou o twitter depois de tanta vergonha-alheia:

Esses são os juízes que dizem que vão combater a corrupção. A consequência de seus atos, na verdade, é só substituir uma corrupção por outra, agora privatista e imperialista, e descarregar ataques nas costas dos trabalhadores, nos impondo ataques maiores do que o PT conseguia fazer.

Para de fato haver justiça precisamos lutar para que os juris populares decidam, e que sejam eleitos, revogáveis e ganhem como uma professora. Chega de privilégios para essa casta parasita, que de nada tem haver conosco, trabalhadores.




Tópicos relacionados

"Partido Judiciário"   /    Poder Judiciário

Comentários

Comentar