×

Primeiro triunfo | Chega à Convenção Constitucional do Chile a iniciativa popular pela liberdade dos presos da rebelião

Esta quinta-feira a Comissão de Justiça da Convenção Constitucional que está em sessão no Chile, aprovou em geral, por 9 votos contra 8, a Iniciativa Popular para a Liberdade dos presos políticos da rebelião. A norma proposta aguarda votação na mesma Comissão, para depois ir definitivamente para ser discutida no Plenário da Convenção.

sexta-feira 18 de março | Edição do dia

Após o meio-dia desta quinta-feira, a Comissão de Sistema de Justiça, Órgãos Autônomos de Controle e Reforma Constitucional, ou mais conhecida como Comissão de Justiça, aprovou em geral a Iniciativa Popular da Norma para a Liberdade dos Presos Políticos da rebelião por 9 votos contra 8.

Esta Iniciativa Popular, que conseguiu reunir 17.000 assinaturas em menos de duas semanas para poder se apresentar na Convenção, superou o primeiro obstáculo. Agora espera-se uma nova votação na Comissão, a votação em específica dos seus artigos, e depois irá para o plenário da Convenção Constitucional, onde já não rege a maioria simples, mas o quórum de 2/3, conforme estabelecido no " Acordo para a Paz" em 15 de novembro de 2019.

Lembremos que durante a rebelião popular de 2019 todo o leque de forças políticas que vão desde a direita tradicional, passando pela antiga Concertación até a Frente Ampla, do atual presidente Gabriel Boric, assinaram um "Acordo pela Paz" que permitiu blindar o presidente Piñera para que não caísse como resultado da mobilização popular, comprometendo-se em troca a convocar uma Assembleia Constituinte onde o direito garantia um sistema de votação de 2/3 para aprovar os diferentes artigos. Isso significa que apenas 1/3 (30%) dos constituintes têm poder de veto sobre o que será votado para a nova Constituição. Entre eles está esta iniciativa pela liberdade dos presos políticos, bem como as recentes regulamentações sobre o direito ao aborto ou educação sexual integral, que poderiam ser eliminadas da Carta Magna por uma minoria da convenção.

A votação na comissão

A votação de ontem, quinta-feira, teve que ser feita duas vezes, pois a primeira resultou em empate de 8 contra 8, e depois em uma segunda votação o convencional dos Povos Indígenas Luis Jiménez (que não votou na primeira votação) derrubou a balança para aprovação geral da norma. Os 8 votos contra a Iniciativa Popular não vieram apenas de partidos de direita, eles também foram acompanhados pelos representantes do Partido Socialista e da Frente Ampla [formação à qual o presidente Boric pertence] na Comissão. No caso do primeiro, pelos convencionais Andrés Cruz e Tomás Laibe, e do lado da Frente Ampla, o advogado e comunicador Daniel Stingo e Christian Viera (que, depois de eleitos pela Democracia Cristã, passaram a integrar a Frente Ampla na Convenção). Esta Iniciativa Popular foi apresentada pelo advogado Daniel Vargas, do Partido Revolucionário dos Trabalhadores (PTR), organização irmão do MRT no Chile, juntamente com dezenas de organizações, familiares de presos políticos e suas assembleias, e dezenas deles se reuniram em frente à Convenção nesta quinta-feira para aguardar sua aprovação na comissão.

A iniciativa baseia-se fundamentalmente no projeto de Lei do Indulto (antes de ser modificado no Senado) e propõe "anistia para todos aqueles que, como autores, cúmplices ou cúmplices, em qualquer uma das fases de desenvolvimento do crime, tenham incorrido ou sejam acusados ​​de atos criminosos ou que tenham as características de um ato criminoso constituído pelas figuras descritas.”

Esta Iniciativa Popular também trata das lógicas consequências trabalhistas na vida dos presos políticos, destacando que as resoluções judiciais e atos administrativos geraram: "demissões, sanções, limitações ou suspensões dos direitos dos trabalhadores ou sindicais, decorrentes dos factos previstos nos artigos 1.º, 2.º e 3.º, quer por ter participado em greve ou em qualquer movimento de protesto ou reivindicação de direitos regidos pela legislação em vigor.”

Diante desse cenário, o próprio Daniel Vargas, que apresentou na Comissão ontem, quinta-feira, afirmou: “A discussão desta Iniciativa nos parece de primordial importância. Principalmente agora que a retirada dos processos pelo governo não vai libertar os presos políticos e a Lei do Perdão (agora anistia) dorme no Senado. Esta é uma forma concreta de alcançar a liberdade e o nosso apelo aos constituintes é que aprovem a Iniciativa. Temos uma dívida com os presos políticos”.

Por fim, acrescentou que “Este primeiro passo foi conquistado pela mobilização de familiares, organizações e pessoas que lutaram pela liberdade. O chamado agora é redobrar os esforços, continuar o caminho da luta, exigir que a Convenção aprove a liberdade”.




Comentários

Deixar Comentário


Destacados del día

Últimas noticias