Internacional

ELEIÇÕES EUA

Chefe de campanha de Donald Trump renuncia

A renúncia foi anunciada nas primeiras horas desta sexta-feira. Um novo revés para a campanha de Trump que busca recuperar-se nas pesquisas.

sexta-feira 19 de agosto| Edição do dia

Paul Manafort renunciou nesta sexta à direção da campanha do candidato presidencial republicano Donald Trump, dias antes fora rebaixado como parte de uma mudança dentro da equipe eleitoral do magnata novaiorquino.

“Nesta manhã, Paul Manafort me sugeriu sua demissão, e eu aceitei”, disse Trump em um comunicado, no qual agradeceu o “grande trabalho” realizado pelo agora ex-chefe de campanha durante as primárias e a convenção republicana.

Trump reformara sua equipe de campanha na quarta-feira, com a contratação do chefe de um website conservador. As mudanças buscam retomar a imagem combativa e tenta reverter seu fraco desempenho nas últimas pesquisas frente a sua rival democrata, Hillary Clinton, para o cargo presidencial.

A renuncia ocorreu dias depois que o jornal The New York Times publicou que Manafort recebeu durante um período de seis anos quase 13 milhões de dólares procedentes de um partido pró-russo na Ucrânia.

O The New Yor Times publicou que estes pagamentos a Manafort, entre 2007 e 2012, aparecem em livros de contabilidade secretos do Partido das Regiões do ex-presidente ucraniano Víktor Yanukóvich, que estão sendo investigados pelo Departamento Anticorrupção, em Kiev.

Em um comunicado publicado no início da semana, Manafort negou as acusações, que apareceram pela primeira vez na segunda-feira no jornal The New York Times.

Manaforte uniu-se à campanha em março, três meses antes da demissão do até então responsável pela campanha, Corey Lewandowski, por suas relações “hostis” com a imprensa e o mal-estar de alguns membros do Comitê Nacional Republicano.

A renúncia aparece como um novo golpe à camapanha de Trump, que nas últimas semanas enfrentou críticas de setores do Partido Republicano e de importantes mídias como o Wall Street Journal.

Ainda que longe de novembro, a oposição republicana ficar contra seu próprio candidato beneficia Hillary Clinton. Isto se percebe nas pesquisas mais recentes, nas quais Clinton se localiza à frente da candidatura de Trump.




Tópicos relacionados

Eleições Estados Unidos   /    Internacional

Comentários

Comentar