Juventude

CONTRA BOLSONARO E A EXTREMA-DIREITA

Chapa Marielle, Presente! da FAPSS forma comitê para derrotar Bolsonaro, golpismo e reformas

Na última terça-feira dia 16, o Centro Acadêmico de Serviço Social Palmares - Gestão Marielle Presente! e o movimento estudantil da Faculdade Paulista de Serviço Social - FAPSS de São Caetano do Sul, se reuniram para debater como se aliar a classe trabalhadora para combater as propostas do candidato à presidência Jair Bolsonaro, os golpistas e a revogação das reformas.

quinta-feira 18 de outubro| Edição do dia

Na última terça-feira dia 16, o Centro Acadêmico de Serviço Social Palmares - Gestão Marielle Presente! e o movimento estudantil da Faculdade Paulista de Serviço Social - FAPSS de São Caetano do Sul, se reuniram para debater como se aliar a classe trabalhadora para combater as propostas do candidato à presidência Jair Bolsonaro, os golpistas e a revogação das reformas.

Bolsonaro está disposto, junto com a extrema direita, aprofundar os ataques já colocados por Michel Temer à classe trabalhadora e implementar um governo autoritário, atacando nossos de direitos e aumentando a exploração.

Os alunos debateram a importância de se aliar a única classe capaz de, pelos seus métodos de luta, fazer valer sua força e potência nas ruas. No primeiro turno houve uma expressão muito forte no voto das mulheres trabalhadoras que ganham até dois salários mínimos, que segundo pesquisa do Datafolha foram elas que impediram que Bolsonaro ganhasse no primeiro turno. Isso demonstra que as mulheres pelas suas condições de vida, sabem que no chão da fábrica, nos setores de trabalho precários, nos locais de estudos e principalmente na FAPSS, onde 90% dos estudantes são mulheres, não podemos apoiar um candidato que é contra as mulheres, os negros e os LGBT´s.

A discussão foi aberta trazendo a necessidade do movimento estudantil se organizar de maneira independente do PT, buscando combater o projeto defendido por Bolsonaro, onde nesse momento um candidato a presidente tem apoio dos setores mais conservadores e retrógrados da sociedade como por exemplo a Ku Klux Klan, é uma necessidade vital a organização do movimento estudantil junto à classe trabalhadora.

A Aliança do movimento estudantil com a classe operária, pode se transformar numa força imparável

Tiramos nessa reunião a importância de estarmos panfletando um material que expresse o programa de ataques contra tudo o que Bolsonaro defende: machismo, racismo, LGBTfobia, retirada de todos os direitos da classe trabalhadora, autoritarismo, militarismo e um projeto privatista muito nocivo. E assim ampliar o diálogo com cada pessoa, que dentro dessas eleições manipuladas pela Lava Jato e o judiciário que retiraram o direito do povo decidir em quem votar ao prender Lula de maneira arbitrária e vetar sua candidatura, que só com uma organização pelo conjunto do movimento operário, movimento estudantil e com os setores oprimidos iremos derrubar a candidatura de Bolsonaro fazendo com que os capitalistas paguem pela crise.

Os estudantes podem construir uma força imparável aliada à classe operária sem ilusões no PT, sabendo que não é nas urnas que a gente vai resolver a situação do país, mas fazendo valer nossa força nas ruas, nas fábricas e nas universidades. Com a construção desse comitê queremos chamar as universidades da região como FAMA, USCS, Fundação Santo André, Federal do ABC, trabalhadores das fábricas do entorno que estejam dispostos a juntos construir uma força capaz de derrotar Bolsonaro, as reformas e a extrema direita.




Tópicos relacionados

Comitês contra Bolsonaro   /    FAPSS-SCS   /    Extrema-direita   /    Bolsonaro   /    Juventude

Comentários

Comentar