Política

CANDIDATURAS ANTICAPITALISTAS

Chamado aos professores: seja uma voz anticapitalista nessas eleições manipuladas

As escolas públicas em nosso país estão literalmente caindo aos pedaços. Além de questões estruturais como a situação dos prédios, a falta de materiais básicos, de giz e, em algumas escolas, de papel higiênico e até mesmo de água, também é de calamidade a situação dos professores.

Maíra Machado

Professora da rede estadual em Santo André e militante do MRT

quinta-feira 23 de agosto| Edição do dia

Os salários dos professores de São Paulo são uma vergonha. Não existe aumento salarial há mais de 20 anos, e o reajuste de 10% comemorado pelo professorado paulista foi indeferido pelo Supremo Tribunal Federal. Os professores fazem parte da categoria que mais adoece em nosso país. Isso faz com que os alunos tenham anos letivos sem disciplinas básicas.

No início deste ano, milhares de professores foram demitidos em São Paulo, já que os contratos de professores precarizados não foram renovados e novos contratos não foram abertos. Essa situação se repete desde 2014, e todo início de ano é marcado por demissões e salas de aula fechadas. Trata-se de um projeto firme do governo do Estado de São Paulo, que tinha Alckmin à frente e agora conta com Márcio França para implementar o ensino a distância, privatização e o “Sistema S” da Reforma do Ensino Médio.

Não bastasse a situação enfrentada cotidianamente, o desemprego só aumenta e afeta a vida de nossos alunos, já que muitos têm que parar de estudar para fazer um bico e ajudar nas contas de casa. Os jovens param de estudar, ainda mais porque não contam com ensino noturno, milhares de salas de aula foram fechadas e aqueles que precisam de ensino para jovens e adultos, já que não puderam estudar quando ainda eram adolescentes, também encontram as portas das escolas fechadas e sem vagas para oferecer.

Os políticos da ordem, que em nosso país estão no poder pela via do golpe institucional, querem avançar ainda mais nos ataques à educação e sonham com a implementação da Reforma do Ensino Médio. A dita reforma acabará com disciplinas fundamentais para a formação da juventude. Querem implementar o ensino médio semipresencial, demitindo ainda mais professores e desviando as verbas da educação para o pagamento da fraudulenta dívida pública.

Agora, nesse cenário eleitoral em que vivemos, fica ainda mais claro que esses mesmos políticos golpistas, junto com o judiciário composto por juízes que ganham R$ 100.000 por mês e nunca foram eleitos por ninguém, querem impedir que a população tenha o direito de decidir em quem votar. Mantém a prisão arbitrária de Lula, que está em primeiro lugar nas pesquisas para ter a garantia de escolher a dedo o candidato que seguirá impondo ataques duros à maioria da população.

Os juízes que ganham esses salários de riqueza, tão contrastante com os salários mínimos em nosso país, nunca foram eleitos por ninguém. Por isso defendemos que tenha eleição direta para juízes e que todos os corruptos sejam julgados por júri popular. A população tem que ter o direito de ter acesso a todas as informações dos inquéritos de corrupção. Além disso, todos os juízes e políticos devem ganhar o mesmo salário que uma professora.

Não votamos no PT e sabemos que foi esse partido que abriu as portas para o golpe institucional, implementando uma série de ataques, porém lutaremos até o fim para que a população tenha garantido esse direito democrático de decidir em quem quer votar.

É preciso combater a continuidade do golpe em nosso país, pois o futuro que a burguesia, apoiada pelo judiciário, reserva à maioria da população é de desemprego e miséria. Para a educação, os ataques serão imensos e podemos ver isso nos debates eleitorais. A maioria dos candidatos à presidência defende abertamente a privatização da escola pública e engana a população dizendo que gerarão empregos, mas, na verdade, querem ir até o fim com a Reforma Trabalhista, para garantir que sejam empregos precários, mal remunerados e com um grande número de desempregados, base para chantagear os trabalhadores a se submeterem a qualquer condição de trabalho.

A constituição brasileira, que foi feita no final da ditadura e foi tutelada pelos militares, tem sido alterada de acordo com os interesses dos grandes capitalistas, que contam com a ajuda dessa casta de políticos corruptos e dos juízes. Por isso defendemos uma Assembleia Constituinte imposta pela mobilização dos trabalhadores, para que sejamos nós os que possam definir os rumos do país, revogando a Reforma Trabalhista, a PEC do teto de gastos, que congelou as verbas para a educação por 20 anos e todos os ataques contra a maioria da população.

A força dos professores na greve dos municipais de São Paulo, que derrotou Dória e a recente mobilização em todo o país contra a BNCC e a Reforma do Ensino Médio, pode ser um grande motor para impedir o avanço do judiciário e do golpismo no Brasil, impedindo a imposição da Reforma da Previdência.

Por todas essas questões, precisamos debater uma candidatura que leve à frente esse programa e se proponha a organizar a luta dos professores. No próximo dia 25, às 17hs, no Tênis Clube em Santo André apresentaremos nossas ideias, com o lançamento das candidaturas da professora Maíra Machado e de Diana Assunção, por filiação democrática no PSOL. Seja você também uma voz anticapitalista nessas eleições manipuladas.




Tópicos relacionados

Eleições 2018   /    Candidatos MRT   /    Professores   /    Política

Comentários

Comentar