Juventude

UNICAMP

Centros Acadêmicos da Unicamp chamam twitaço hoje às 12 horas com a #SaudeDaUnicampEmLuta

Hoje, ao meio dia, centros acadêmicos da Unicamp convocam um twitaço #SaúdeUnicampemLuta reivindicando ato que ocorreu hoje entre os trabalhadores do HC da Unicamp, no qual exigiram por melhores condições de trabalho, mais testes, EPIs e contratações urgentes de mais profissionais.

terça-feira 23 de junho| Edição do dia

O Brasil é hoje o epicentro da pandemia de novo coronavírus (COVID-19). Com o governo de Bolsonaro, atingimos a marca do país em que mais morreram profissionais da saúde, o Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), identificou 157 mortes pela Covid-19 de profissionais de enfermagem (enfermeiros, técnicos e auxiliares), um número que supera inclusive os números dos EUA, ou Reino Unido, países que também registraram milhares de mortos pela doença.

Devido ao negacionismo da extrema-direita, e o total descaso de Bolsonaro, ainda há uma falta gigantesca de testes, sem nenhum horizonte de um plano para realizar testagem em massa na população e, segundo pesquisadores que são referências, o Brasil caminha no escuro, com uma testagem que é 20 vezes inferior ao ideal necessário para haver controle científico da pandemia. Sendo assim não é possível ter um número preciso de mortos e infectados, podendo hoje os números reais terem passado de longe os números oficiais.

Em meio às mais de 50 mil mortes e mais de 1 milhão de infectados, o governo de São Paulo de João Dória (PSDB) e o próprio prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), estão voltados a instalar projetos de reabertura do comércio, responsáveis sobretudo pelos últimos dias registrarem acelerado aumento no número de pessoas que contraíram o vírus e que vieram a óbito, tanto na capital quanto no próprio sistema de saúde de Campinas.

Exigimos junto do profissionais da saúde: Mais testes, EPIs, contratações, leitos de UTI, melhores condições de trabalho, já!

Nesse cenário é essencial o apoio dos estudantes aos trabalhadores. A mesma reitoria que precariza a saúde do Hospital também aplica o EAD de forma autoritária deixando os estudantes reféns de suas decisões sem poder expressar suas opiniões enquanto Knobel legaliza um projeto de ensino precário que abre espaço para os monopólios privados.

Por isso, centros acadêmicos da Unicamp como o das Ciências Humanas (CACH), da Pedagogia (CAP), da Licenciatura Integrada (CALI) e outros divulgaram uma nota em apoio à ação e estão chamando um twitaço hoje ao meio dia com a #SaudeUnicampemLuta. Apoie essa luta você também!




Tópicos relacionados

trabalhadores da saúde   /    Trabalhadores   /    Unicamp   /    Universidade   /    Juventude

Comentários

Comentar