Sociedade

15M

Centenas de milhares marcham em SP contra os cortes à educação do governo Bolsonaro

quarta-feira 15 de maio| Edição do dia

Centenas de milhares de estudantes, professores, secundaristas e diversas outras categorias de trabalhadores marcham em São Paulo. O ato, que se concentrou no MASP, percorre agora as ruas do centro de São Paulo, mostrando a #TsunamiDaEducação dos estudantes, professores e trabalhadores em rechaço aos ataques do governo Bolsonaro à educação.

Nós do Movimento Revolucionário de Trabalhadores, que impulsiona a Juventude Faísca e o Movimento Nossa Classe, consideramos que a batalha contra os ataques à educação é indissociável da luta contra reforma da previdência, questões ligadas diretamente frente à chantagem narrativa do governo: "os cortes na educação estão condicionados à reforma da previdência".

Segundos os organizadores, a manifestação contou com cerca de 250 mil pessoas.

Pela manhã, os trabalhadores e estudantes da USP fizeram um trancaço às portas da universidade, levantando a bandeira de uma só luta contra os cortes e a reforma da previdência

O governo quer nos fazer trabalhar até morrer, sem aposentadorias para milhões que já padecem com a nefasta reforma trabalhista. É a reforma neoliberal estratégica do governo, e precisam aprová-la a todo custo para satisfazer o capital financeiro estrangeiro. Sem atacar esse flanco do governo, é impossível defender de fato a educação pública, refém da reforma que será feita para pagar os juros e amortizações da dívida pública, e não para a educação.

Veja mais: Escondido nos EUA, Bolsonaro afirma que manifestantes são "idiotas" e "manipulados"

Assim, no curso desta batalha, podemos construir um comando nacional que reúna as universidades em luta, uma coordenação nacional com delegados eleitos pela base, que discutam e decidam cada passo do combate, que deve unir indissociavelmente a batalha contra os cortes e contra a reforma da previdência.

Esta é a melhor maneira para que o movimento avance democraticamente, e o conjunto dos estudantes possam decidir tudo, inclusive questionar alguns dos pilares do sistema educativo superior: num momento como esse, por que não exigir a estatização de todas as universidades privadas - que estão lucrando com os cortes na educação feitas por Bolsonaro e Weintraub! - e o fim do vestibular, para que todos os trabalhadores e jovens possam cursar gratuitamente o ensino superior público? Também podemos batalhar contra o pagamento da dívida pública, ilegal e fraudulenta, para cujo pagamento - de juros e amortizações - querem sacrificar nosso futuro.

Nos dias de hoje estão em jogo nosso futuro, nos estudos, no trabalho, na aposentadoria. Bolsonaro e os empresários querem trucidar nosso futuro para enriquecer os donos da dívida. Nessa batalha somos nós ou eles. Façamos que sejam eles, os capitalistas que paguem pela crise!




Tópicos relacionados

Governo Bolsonaro   /    15M 2019   /    Reforma da Previdência   /    Educação   /    Sociedade   /    Educação   /    São Paulo (capital)   /    Juventude

Comentários

Comentar