Educação

EDUCAÇÃO USP

Carta Programa da chapa Uma Flor Rasgou a Rua - CAPPF 2018

Divulgamos aqui a carta programa da chapa Uma flor rasgou a rua para o Centro Acadêmico da Faculdade de Educação da USP (CAPPF) em 2018

domingo 26 de novembro| Edição do dia

Nossa chapa é composta por militantes da Faísca, do Grupo de Mulheres Pão e Rosas e do Quilombo Vermelho e estudantes independentes da Pedagogia e de cursos de Licenciatura da USP. Fazem parte desta chapa diretores das gestões de 2016 e 2017 do CAPPF.

Depois de cumprir com a tarefa de fazer o CAPPF voltar a existir em 2016, neste ano a gestão A Plenos Pulmões seguiu fortalecendo a entidade que representa os estudantes da Pedagogia e das licenciaturas, e os resultados disso se expressaram na mobilização. A FEUSP participou com uma importante delegação no ato do dia 7 de março em frente à reitoria, nas duas greves gerais e na marcha pra Brasília que ocorreram no primeiro semestre. Ao mesmo tempo, o CAPPF chamou os estudantes do curso pra organizar a tradicional Semana de Estudos Clássicos, que não aconteceria por conta da precarização do curso e a falta de professores.

Participamos da criação dos coletivos de Diversidade de Gênero e Sexualidade e de Negros da FEUSP e da retomada da Frente Feminista da faculdade, como forma de incentivar o combate às opressões.

No segundo semestre, o CAPPF se dedicou à luta contra a Reforma Curricular. Reuniões, plenárias com professores e funcionários, assembleias, passagens em sala nos 14 cursos de licenciatura do campus Butantã e na Pedagogia, e uma paralisação expressiva fizeram com que, apesar da falta de comprometimento da gestão 2017 do DCE, nós tivéssemos uma vitória parcial: na Pedagogia da USP a Reforma Curricular foi barrada! Isso se deve à mobilização dos estudantes da FEUSP, mas também a uma política decidida da gestão do centro acadêmico, que apostou na mobilização e na auto-organização dos estudantes.

Agora no final do ano, demos início à reforma do espaço estudantil, buscando deixar esse nosso espaço cada vez mais convidativo a todos os estudantes. Nossas gestões não foram perfeitas, e nem poderiam. O ano de 2017 mostrou a enorme potencialidade do movimento estudantil da FEUSP, que despontou como um dos principais setores de luta entre os estudantes da USP, e da própria entidade. Mas qualquer gestão que esteja à frente do CAPPF será insuficiente enquanto o modelo de gestão for o de gestão única. E é com essa noção que apresentamos nossas propostas para o próximo ano, com uma chapa renovada, com estudantes da Pedagogia e de cursos da licenciatura que não fizeram parte das gestões anteriores.

Sem perdão para os golpistas e os inimigos da educação!

A juventude e a classe trabalhadora estão sentindo os efeitos do golpe institucional que ocorreu em 2016. A aprovação da Reforma Trabalhista, a liminar da "cura gay", a PEC 181, censura a expressões artísticas e o fortalecimento de projetos absurdos como o Escola Sem Partido precisam ser respondidos duramente. Contra a direita golpista, reacionária e inimiga da educação, o movimento estudantil tem a tarefa de dar vazão à indignação da juventude.

Nenhum perdão aos golpistas! Os estudantes precisam se aliar à juventude que está fora das universidades públicas e aos trabalhadores para barrar todos os ataques à educação, aos direitos das mulheres, negros e LGBTs e aos direitos trabalhistas.

Desafiar a inércia cinza do ódio contra toda forma de opressão

Além dos baixos salários e péssimas condições de trabalho, temos de lidar com o discurso de ódio da bancada evangélica, MBL e afins. Querem nos impedir de discutir com nossos alunos temas como machismo, racismo e lgbtfobia. Contra o Escola Sem Partido e a reitoria elitista e opressora, queremos seguir incentivando
os coletivos de combate às opressões da FEUSP, fortalecendo nossa luta dentro e fora da USP.

Terminar de barrar a reforma curricular

A nossa vitória sobre o Conselho Estadual de Educação deve servir de incentivo aos estudantes das licenciaturas. É possível barrar a reforma em todos os cursos. Nossa primeira grande tarefa em 2018 é terminar de barrar o "Universidade Sem Partido". Para fortalecer a nossa luta, queremos criar o FÓRUM DAS LICENCIATURAS, reunindo os cursos que formam professores e realizando debates cotidianos.

Ocupa CAPPF

No final deste ano, começamos a reformar o nosso espaço estudantil, para que ele fique cada vez mais aconchegante. E para concluir a reforma com chave de ouro, é preciso ocupar o espaço. O projeto Ocupa CAPPF será uma forma de incentivar atividades artísticas, acadêmicas e políticas de toda sorte. Queremos tornar o espaço vivo, com atividades propostas pela gestão, pelos coletivos e por qualquer estudante que tenha uma boa ideia e esteja disposto a organizar uma atividade ali. E nós estaremos à disposição para ajudar em qualquer atividade que for rolar. Anota suas ideias e bora ocupar nosso espaço, deixando claro pra reitoria que os espaços estudantis vão ficar!

Fora polícia do campus!

Basta de repressão aos que lutam! A Universidade deve ser um espaço de livre pensamento, e é inaceitável que a Polícia racista e assassina siga reprimindo estudantes, trabalhadores e a juventude que quer utilizar a universidade pública. Fora Polícia do campus e das periferias.

Contra o racismo, mudar a universidade.

Depois de décadas de luta, enfim as cotas étnico-raciais foram arrancadas. Agora, devemos fortalecer a luta antirracista, exigindo a efetivação de todos os terceirizados sem a necessidade de concurso público, o fim do filtro social que é o vestibular e uma estatuinte livre, soberana e democrática que altere toda essa estrutura podre de poder da USP. por uma universidade gerida pelas três categorias, com maioria estudantil e a serviço da classe trabalhadora.

Reuniões ordinárias quinzenais e jornal do CAPPF

No próximo ano, queremos avançar na relação cotidiana da gestão do CAPPF com os estudantes. Por isso, queremos fazer reuniões ordinárias da gestão quinzenalmente para debatermos política, a situação nacional e da universidade, arte, cultura e o que mais quiserem debater. As reuniões serão abertas e de cada reunião sairá uma edição do Jornal do CAPPF. Todas e todos que quiserem participar serão mais do que convidados!

Semana de estudos africanos

No próximo ano, as cotas étnico-raciais começam a ser implementadas na USP. Mas não basta que os negros entrem na Universidade; é preciso enegrecê-la. Queremos organizar uma grande Semana de Estudos Africanos em outubro, envolvendo estudantes, professores e funcionários de dentro e fora da USP.

O HU e as creches ficam!

O Hospital Universitário está sendo desmontado. É preciso integrar a luta junto aos estudantes da Saúde em defesa do HU, importante espaço de pesquisa, extensão universitária e permanência. Seguimos, também, na luta em defesa das creches da USP. Contratação já para as creches e para o Hospital!

Permanência para toda demanda

Exigimos a abertura do livro de contas da USP para que a comunidade acadêmica decida pra onde vai o dinheiro da universidade. Basta de burocratas recebendo supersalários! Por mais verbas pra educação e que a USP garanta permanência para toda a demanda.

Congresso da FEUSP - Proporcionalidade no CAPPF

Agora é a hora de transformarmos a nossa entidade. Para que ela seja realmente democrática e possa responder às demandas do maior número possível de estudantes, tendo uma maior capacidade de mobilização, é preciso que ela tenha uma gestão proporcional, com todas as chapas que participarem dos processos eleitorais compondo a gestão proporcionalmente ao número de votos que tiverem. Assim, os estudantes poderão fazer experiência com as distintas visões que existem no movimento estudantil e terão um controle ainda maior das decisões do seu Centro Acadêmico. Para isso, vamos construir em maio o Congresso dos Estudantes da FEUSP, onde poderemos fazer esta e outras discussões acerca do estatuto da nossa entidade.

Compõem esta chapa:

PEDAGOGIA | Aline Cristina de Souza Neto - Cláudio Henrique de Oliveira - Guilherme Hurba Nunes - Lana Cocci Muffato - Luisa Sagretti de Souza - Maday Dodamin Valtejos Montado - Pillar Bellardi Costa - Sophia Calil Breymaier - Verônica Guilherme Mega - Willian Garcia Reis

LICENCIATURAS | LETRAS | Flávia Roberta Capraro de Toledo - Mariana Piteri Duarte - Bianca Coelho | HISTÓRIA | Ulysses de Oliveira Santos | EEFE | Bruna Garroux




Tópicos relacionados

FEUSP   /    CAPPF   /    Educação   /    USP   /    Juventude

Comentários

Comentar