Gênero e sexualidade

DIREITOS LGBTS

Campinas: Todos ao Ato pela anulação da Liminar da “cura LGBT”

Nessa sexta, 22, às 17h30 acontecerá em Campinas um grande ato chamado pela Faísca, Grupo de Mulheres Pão e Rosas e diversas organizações de esquerda contra a absurda Liminar da Justiça Federal que trata LGBTs como doentes. Há duas semanas da aprovação em primeira instância do Projeto Escola Sem Partido na Câmara Municipal, essa Liminar mostra mais uma vez a cara reacionária dos golpistas, que querem impedir o debate de gênero e sexualidade nas escolas, legitimar a LGBTfobia e patologizar a livre construção da identidade sexual e de gênero.

Grazieli Rodrigues

Professora da rede Estadual em Campinas

terça-feira 19 de setembro| Edição do dia

Contra a aprovação parcial da absurda Liminar que regulamenta o uso terapias para "reversão sexual", tratando a orientação sexual de pessoas LGBTs como uma patologia devemos organizar uma grande luta nacionalmente.

Não aceitaremos mais esse ataque contra direitos elementares como a livre construção da sexualidade e gênero, sobretudo num país que lidera os rankings mundiais em termos de assassinato de pessoas LGBTs. Por isso junto a diversas organizações e coletivos da esquerda da cidade estamos convocando um grande ato para essa sexta-feira, dia 22, com concentração a partir das 17h30 no Largo do Rosário, no centro da cidade.

Essa Liminar da Justiça Federal faz coro com os políticos reacionários do Congresso Nacional que querem impor sobre milhões de vidas sua ideologia e a violência. E em Campinas a Câmara Municipal oferece eco à essa ideologia opressora, quando aprova a Emenda da Opressão e o Projeto Escola Sem Partido, ambas políticas que visam criminalizar o debate de gênero e sexualidade nas escolas, o que fortalece os crimes de ódio que levam à realidades brutais como foi o assassinato da trans Geia Borghi em 2014 e o feminicídio coletivo de Isamara e suas familiares no início desse ano. O Projeto Escola Sem Partido ainda está em tramitação na Câmara e devemos, junto a luta pela revogação da Liminar contra a "Cura LGBT" exigir também sua anulação imediata. Esse novo ataque só reforma a urgência de fortalecermos também nossa campanha contra esse projeto.

A Liminar movida por um grupo de psicólogos ainda por cima da resolução 01/99 do Conselho Federal de Psicologia (CFP) e de uma definição dos anos 90 que já não considerava como patologia a homossexualidade, mas sim previa a disponibilização de todo conhecimento dos profissionais para reflexão sobre o preconceito e um movimento pelo desaparecimento de discriminações e das estigmatizações desse movimento.

Ser LGBT não é ser doente, são vidas que importam! Assim como importa o direito elementar de poderem ser quem verdadeiramente são, resistindo a toda opressão que o capitalismo reserva às minorias que não se encaixam em seus padrões e ideologias conservadoras. Essas pessoas, assim como o conjunto dos setores oprimidos, as mulheres, negros, e o conjunto dos trabalhadores, devem ser parte fundamental dessa luta pela anulação imediata dessa Liminar, assim como pela defesa da livre construção de gênero e sexualidade.

Lívia Tonelli, professora da rede estadual e militante do Grupo de Mulheres Pão e Rosas deixa seu chamado: TODOS E TODAS AO ATO!




Tópicos relacionados

Campinas   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar