Mundo Operário

CONTRA A PRECARIZAÇÃO

Call Center: é hora de lutar

Existe um "grito na garganta" de milhares pessoas que trabalham como operadoras de telemarketing, ou de Call Center, pelo país. Por isso nós do Esquerda Diário, trabalhadores e jovens de várias cidades do Brasil, queremos através deste site conscientizar e organizar para lutarmos juntos contra a precarização do trabalho, sem termos que ficar esperando da justiça, das empresas ou dos governos (que estão juntos com os empresários). Começamos e vamos seguir até o fim nas denúncias contra as empresas de Call Center, os abusos e a exploração.

terça-feira 16 de agosto| Edição do dia

"Bom dia, li e reli a postagem referente ao call Center ALMAVIVA de Belo Horizonte. E as coisas referentes a mesma empresa aqui em Aracaju-SE estão nas mesmas, se não piores". "Trabalho em um call center, também da AlmaViva do Brasil em Maceió - Al, e vi a reportagem: AlmaViva fazem trabalhadores trabalharem um tempo a mais de graça, e tudo o que foi relatado também acontece aqui". "Assédio moral, todos sofremos, desde a senhora da limpeza ao porteiro".

Essas são apenas algumas frases presentes nas mais de quatorze denúncias enviadas ao Esquerda Diário, vindas de pelo menos 5 capitais diferentes do país em apenas uma semana (uma média de duas por dia), sobre a violenta rotina de trabalho nos Call Centers Brasil afora. Um verdadeiro fenômeno que mostra que existe um "grito na garganta" de milhares pessoas que trabalham como operadoras de telemarketing, ou de Call Center, pelo país. Pessoas que até então trabalham falando o dia todo, mas não podem usar suas vozes para falarem sobre suas próprias necessidades humanas e sociais. Por isso nós do Esquerda Diário, trabalhadores e jovens de várias cidades do Brasil, queremos através deste site unir, conscientizar e organizar para lutarmos contra a precarização do trabalho e a exploração, sem termos que ficar esperando da justiça, das empresas ou dos governos que não fazem nada e estão juntos com os empresários. Começamos e vamos seguir até o fim nas denúncias contra as empresas de Call Center, os abusos e a exploração.

O que dizem as denúncias?

Para começar a nos unir primeiro temos que ver quais são os problemas que são de todos nós.

As denúncias deixam claro que estas empresas agem desta forma porque assim alguns empresários e políticos amigos dos empresários ganham mais dinheiro se nós trabalharmos sendo tratados como escravos modernos, como se fossemos apenas "números" (coisa que eles adoram falar). A começar pelo salário, além de trabalharmos de graça muitas vezes, das quatorze matérias, pelo menos sete falavam que a empresa dá um jeito de tirar do nosso salário, que já é miserável. Obrigando as pessoas a fazerem mais tempo de trabalho que 6h20 sem receber por isso, como na primeira matéria publicada. Não pagando as horas extras e dobras (que por si só já são ilegais). Elevando os descontos do convênio médico. Implementando banco de horas. Nosso salário normalmente é de um salário mínimo, que já não dá nem para sobreviver direito, mas desde o ano passado para cá com todas estas medidas acima estamos perdendo ainda mais do salário, na prática o salário está diminuindo com os descontos da empresa e isso é roubo e exploração das empresas contra a gente. Queremos salário melhor, um salário igual ao das pessoas que trabalham para as empresas que prestamos serviços como terceirizados no mínimo, e um salário digno para viver!

Quando estamos no ambiente da empresa as denúncias mostraram que temos uma vida sofrível. Cinco minutos para ir ao banheiro durante um dia de intenso esforço da voz e mental, cinco minutos é desumano! As empresas gostam de dizer que os trabalhadores são apenas números. Fazem isso para desvalorizar a gente, para terem argumentos dizendo que não precisamos ir ao banheiro, ter descanso ou que não podemos reivindicar nossos direitos. Mas na realidade não somos números, porque se não fossem as pessoas operadoras nenhuma máquina funcionaria, as máquinas são números, processam milhões números, mas não funcionam sozinhas. Apenas com o trabalho nosso é que elas podem funcionar, e nós somos humanos e não máquinas. E não vamos mais aceitar sermos desvalorizados e tratados como se fossemos números!

E quando a gente começa a questionar eles usam das mentiras e do assédio moral para tentar nos calar. Gerentes, gestores e supervisores ficam jogando as equipes umas contra as outras, falando que os problemas são os operadores. Fazem joguinhos para favorecer a supervisão e a chefia em geral. Ameaçam de demissão por justa causa mesmo quando não há o menor motivo para isso. Fazem isso principalmente com as mães e pessoas que mais precisam. Algumas outras pessoas eles tentam comprar com pequenas coisas, como fingirem que não viram os atrasos de pausa, mas a pessoa precisa fazer tudo que eles mandarem, e não ganham nada a mais no salário por isso. Eles ficam fazendo isso para seguir aquela velha ideia: "dividir para dominar". Temos que nos unir e não aceitar assédio moral, mentira ou joguinhos que envolvam nossos direitos e condições de trabalho, o problema são as empresas e não nós, pois apesar de todo o sofrimento estamos trabalhando e fazendo tudo funcionar direito. Basta de mentiras da empresa!

Além disso, se a gente começa a se organizar e fazer alguma coisa contra isso, somos perseguidos e punidos dentro das empresas. As empresas te obrigam a assinar termos declarando que não vai usar as redes sociais e a internet para denunciar a empresa. Todas as denúncias estão sendo anônimas e isso não é por acaso, é porque não existe democracia quando você trabalha e a empresa te explora, se você falar alguma coisa contra é perseguido, advertido, suspenso e tem o salário descontado e ameaçado de ganhar uma justa causa. Nem opinião você pode ter.Basta de perseguições e de amedrontar as pessoas que trabalham!

Juntos somos mais fortes

Muita gente talvez ainda não tenha nem percebido. Mas, quando vários trabalhadores enviam estas denúncias acima, podemos começar a unir os trabalhadores do Call Center de vários lugares do Brasil para fazer uma luta forte. Porque para lutarmos juntos o primeiro passo que temos que ter é unir nossas reivindicações. Assim, lendo todas as denúncias e tentando tirar conclusões delas podemos unir operadoras e operadores de Call Center que antes viam os problemas e achavam que estavam sozinhos em sua PA, mas que depois das denúncias podem começar a perceber que nossos problemas são ao mesmo tempo os problemas de milhares de trabalhadores do Call Center em todo o país. E entender isso é condição para lutarmos juntos e não sozinhos.

Além disso, podemos entender também que alguns outros problemas também são iguais em toda a parte: por exemplo, quando esperamos a justiça e os governos resolverem não adianta... sempre que alguém vai no Ministério do Trabalho, eles falam, falam, falam... e nada. Ou seja, dá para ver a importância das denúncias também porque vendo as denúncias de vários lugares podemos perceber que "o buraco é mais embaixo", que não são casos isolados, e sim que existe todo um sistema que faz as coisas serem iguais em toda a parte. E a justiça e os governos são parte deste sistema. Tanto é que esse tipo de problema acontece há um bom tempo, começando lá no governo do Fernando Henrique (PSDB) e passando pelos governos do PT sem mudar nada, foi só piorando. Agora, o país passou por um golpe institucional que fez um impeachment e colocou Michel Temer (do PMDB) no governo e isso é para eles poderem fazer as coisas piorarem ainda mais rapidamente, regulamentando a terceirização, retirando férias, décimo terceiro, aumentando a carga horária, e muitas outras coisas que nós já estamos sentindo na pele.

E aproveitamos para dizer que o nome desse sistema é muito conhecido. Capitalismo: que usa nossa miséria para enriquecer alguns poucos empresários que só pensam em capital, em lucro. E nesse sistema, com certeza os empresários do Call Center tem muitos amigos na justiça e nos governos, que também ganham dinheiro com nossa miséria. Nesse sistema tudo que não seja o lucro não importa para eles, mesmo que seja nossa juventude, nossa vida e de nossos amigos e familiares.

Agora que podemos ver que existem muitas pessoas que querem fazer algo contra essa vida de miséria, só falta a gente entender bem contra o que lutamos e nos organizarmos bem para que ninguém se prejudique lutando sozinho. E por isso queremos chamar a todas as pessoas que trabalham em Call Center continuarem e aumentarmos a colaboração com o Esquerda Diário. Porque o site mostra que é um instrumento para unir nossas lutas, e um instrumento revolucionário para através da união e da consciência de que todos os que mais trabalhamos somos os que mais sofremos, lutar contra o capitalismo. Este sistema não merece que continuemos aceitando essa vida que querem dar para a gente. Em pouquíssimo tempo conseguimos fazer dezenas de milhares de pessoas que nem sabiam que existíamos conhecerem o dia-a-dia de semi-escravidão que vivemos no trabalho. Está na hora de começarmos uma campanha nacional contra os abusos na AlmaViva do Brasil, dizer bem alto, NÓS NÃO SOMOS NÚMEROS! E podemos, se estivermos bem organizados, fazer muito mais que isso, podemos parar os Call Centers de todo país e dizer um basta definitivo a esta situação indigna de vida.




Tópicos relacionados

Call Center   /    Telemarketing   /    Belo Horizonte   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar