Mundo Operário

TELEMARKETING

Call Center de Porto Alegre volta à "normalidade" ao custo da vida dos trabalhadores

Primeiro dia depois do absurdo pronunciamento de Bolsonaro, a empresa Zanc, terceirizada de cobrança do Itaú, praticamente volta a normalidade. A ação deixa os trabalhadores expostos a contaminação, tudo para manter os lucros dos capitalistas.

quarta-feira 25 de março| Edição do dia

Na manhã seguinte de Bolsonaro dizer que COVID é "resfriadinho", morre a primeira pessoa em Porto Alegre. Nesta mesma manhã, a empresa Zanc do ramo de Call Center, seguiu a linha da insanidade e volta praticamente a normalidade.

Anteriormente, mudaram as escalas de trabalho, reduzindo de 6h20min para 4hs, o que diminuiu a aglomeração. Distância de uma p.a. entre cada trabalhador. Dispensaram os considerados grupos de risco. Segunda mudança, alternar os dias trabalhados, sem trabalhar aos sábados, 30 minutos de diferença entre os turnos.

Agora, elevam a escala para 5 horas e trabalho em todos os dias. Isso significa que a distância entre cada trabalhador não será mais possível, o que para a chefia é possível, seguem tão lunáticos quanto seu líder insano na presidência. Aumento da aglomeração na entrada e saída, nos intervalos, banheiros. Ao mesmo tempo, indicam a liberação do grupo de risco até dia 30, podendo estes voltarem a dita "normalidade".

A maior parte deste empresa é da parte de cobrança de cartões do Itaú. Este mesmo banco que deve bilhões para a previdência, que comemorou recorde de lucros enquanto milhões penavam no desemprego, quer seguir cobrando suas dívidas durante esta crise. O custo de seguir com a cobrança é a vida de milhares de trabalhadores.

Não temos como saber quem está contaminado ou não, pois os testes no estado são feitos apenas em casos de UTI. Estando um trabalhador contaminado, a chance de todos se contaminarem é muito grande.

O lucro das grandes empresas é o que mais importa para Bolsonaro. Os capitalistas que o apoiam comemoram e lançam seus trabalhadores para a morte. Nossa vida vale muito mais do que os lucros do Itaú ou qualquer outra empresa.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Governo Bolsonaro   /    precarização   /    Jair Bolsonaro   /    Terceirização   /    Mundo Operário

Comentários

Comentar