Gênero e sexualidade

COTAS TRANS NA UFABC

CONSUNI cede aos conselheiros contrários e adia votação sobre cotas trans para dia 23 de Outubro

Nesta terça-feira (02), após 2 anos de debates e mobilizações sobre as Cotas Trans na UFABC, dezenas de estudantes acompanhados de travestis, mulheres e homens trans e pessoas não binárias ocuparam o Conselho Universitário (Consuni) aguardando sua votação. Após manobra de conselheiros contrários, foi adiada a votação para a próxima reunião do CONSUNI.

Virgínia Guitzel

ABC Paulista | @virginiaguitzel

quarta-feira 3 de outubro| Edição do dia

Na própria terça-feira, quando ocorreria a votação das cotas trans no Conselho Universitário da UFABC pela pressão do Coletivo Prisma LGBT - Dandara dos Santos e ativistas LGBT, foi enviado aos conselheiros uma posição contrária a aprovação assinada pelo professor Yossi Zana, membro do Centro de Matemática, Computação e Cognição (CMCC) e orientador no programa de pós graduação em Neurociência e Cognição.

O texto pedia dados que comprovassem a vunerabilidade da população trans brasileira, as universidades que já aprovaram medidas similares e também questionando as maneiras de realizar combate as possíveis fraudes. Toda argumentação acadêmica para disseminar dúvidas e confusões a respeito de uma reivindicação dos estudantes e da comunidade transgênero.

A reunião que teve início às 14 horas no campus de Santo André, só iniciou o debate sobre este tema após as 16, sendo aguardada por dezenas de alunos que aguardavam ansiosamente sentados no chão da sala dos conselheiros. A relatoria foi realizado pelo Professor Acácio Sidinei Almeida Santos e pela ativista, publicitária e hoje membro da secretaria de mulheres de São Paulo, Neon Cunha.

Os conselheiros favoráveis a aprovação das cotas cederam suas intervenções as pessoas trans que estavam presentes e relataram suas vidas, trouxeram dados, pesquisas e críticas ao Estado Brasileiro e as universidades pela perpetuação de nossa condição de marginalidade e exclusão social.

Veja a Live completa aqui:

Mesmo com tantos dados apresentados e as falas de pessoas trans sobre a dramática situação que é viver no país internacionalmente reconhecido como o país do travesticidio e transfeminicidio, os conselheiros contrários como Cedric Rocha Leão e Yossi Zana e outros defenderam que não se debateu "profundamente" os temas. Ainda que pela pressão exercida pelos estudantes e pela comunidade LGBT, não puderam se contrapor abertamente.

Após horas de discussão, travada por diversas questões de ordem exigidas pelo professor Yossi Zana que buscava de toda forma contrapor a este direito, Isis Mustafá representante dos estudantes no Conselho Universitário pediu para que se votasse se está pauta iria para a ordem do dia, para ser votada e encaminhada. A Reitoria buscou conciliar os interesses dos conselheiros que se colocavam contra a aprovação e o anseio dos estudantes e da comunidade LGBT, propôs a votação ser que na próxima reunião está pauta seja obrigatoriamente votada, para que haja uma resolução sobre este tema. A votação foi de ampla maioria pela posição política de compromisso em encontrar uma resolução para esta proposta, contra um único voto de abstenção do professor Yossi Zana.

Após a reunião, travestis, mulheres e homens trans e pessoas não-binárias deram seu recado sobre a reunião e fizeram um grande chamado a toda comunidade trans e LGB para se incorporarem a esta luta no próximo dia 23 de Outubro as 13:30!




Tópicos relacionados

Gênero e sexualidade   /    Juventude

Comentários

Comentar