CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA CEDAE

CAMPANHA: A água e a CEDAE são do povo!

Não aceitemos a chantagem de Pezão e Temer, que querem privatizar a CEDAE dizendo que é a única forma de garantir o pagamento dos salários atrasados. Até a água, ligada à saúde pública e que deveria ser garantida para todos, querem transformar em mercadoria.

sexta-feira 3 de fevereiro de 2017| Edição do dia

A primeira manifestação dos servidores contra os ataques de Pezão e Temer teve forte peso dos trabalhadores da Companhia estadual de Água e Esgotos. Trabalhadores da CEDAE vieram de todo o estado do RJ e compareceram em peso na manifestação junto aos servidores para mostrar que são contra a privatização desta empresa tão importante para a vida dos trabalhadores e do povo pobre do estado do Rio. A privatização é uma das exigências de Temer e Pezão para que o estado possa contrair novo empréstimo, e se isso ocorrer o fornecimento da água que é do povo vai encarecer para a população e decair em qualidade.

É com o espírito de luta destes trabalhadores que o Esquerda Diário chama todos a esta campanha contra a privatização da CEDAE. Cole o cartaz na capa do seu facebook, apoie os trabalhadores da CEDAE e servidores do estado, e siga a cobertura do Esquerda Diário nas redes. A água e a CEDAE são do povo! Não deixaremos privatizá-la! A privatização da Cedae será discutida no dia 07 e votada no dia 09 na ALERJ, abaixo o Esquerda Diário apresenta uma série de propostas para que não sejam os trabalhadores que paguem por uma crise criada pelos governantes:

Paguem os salários atrasados cortando lucro dos patrões e privilégios dos políticos

Somente de 2008 a 2015 foram mais de R$ 200 bilhões em isenções fiscais, e os salários atrasados são cerca de R$ 4 bilhões! É absurda a verba que vai para corrupção e para privilégios dos políticos, juízes e funcionários de alto escalão do governo. Cortando dos poderosos podemos impedir os ataques que querem passar, como o aumento da contribuição previdenciária para 22% - diminuindo o salário dos servidores –,o fechamento ou privatização da UERJ, o congelamento dos gastos em saúde e educação, entre outros.

Pela unidade de todos contra o pacote de maldades

Precisamos de uma ampla unidade de todos os trabalhadores e da juventude, dos sindicatos, entidades estudantis e parlamentares do PSOL para construir manifestações de dezenas de milhares, paralisações e cortes de rua rumo a uma greve geral. A força social que se expressou nas eleições do Rio de Janeiro buscando uma alternativa à esquerda do PT com o voto em Freixo precisa se expressar para barrar esses ataques. Com um movimento como esse, podemos colocar Pezão e Temer na parede e fazer com que sejam os capitalistas e os políticos corruptos que paguem pela crise que criaram.

A força da mobilização pode vencer Pezão e Temer

Pezão está distribuindo cargos e privilégios entre os partidos para recompor a base do governo e passar os ataques. Inclusive PT e PCdoB entraram no jogo e votaram no golpista Picciani para presidir a Assembleia Legislativa e descarregar a crise nas nossas costas. Com a força da mobilização dos trabalhadores e da juventude podemos impedir esse pacotão de maldades e colocar em xeque os governos corruptos de Pezão e do golpista Temer, que governam para os capitalistas. Os trabalhadores podem construir uma saída independente da Lava Jato – que mantém impunes as empresas corruptas e fortalece o judiciário – ou de um impeachment de Pezão que seja vota do pelos mesmos deputados que irão aprovar os ataques contra nós.

Pelo não pagamento da dívida pública!

Essa seria uma resposta profunda para os problemas que estamos sofrendo. A dívida pública consome quase metade do orçamento federal e sufoca os estados. Basta dessa bolsa-banqueiro! Assim podemos garantir dinheiro para serviços públicos de qualidade, como a água, o transporte, a educação e a saúde, batalhando pela sua gratuidade e por condições de trabalho dignas para todos os servidores.

Leia também: Trabalhadores da CEDAE se destacam em ato na Alerj contra privatização e ataques de Pezão e Temer




Tópicos relacionados

CEDAE   /    Luiz Fernando Pezão   /    Crise no Rio de Janeiro   /    Governo Temer   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar