Política

BRUNO COVAS

Bruno Covas tenta se desvencilhar de Bolsonaro no Twitter e recebe #tbt de internautas

Em resposta ao youtuber Felipe Neto, que usou a ligação de Bruno Covas ao presidente Jair Bolsonaro para justificar seu apoio a Guilherme Boulos, o prefeito de São Paulo disse "não votei em Bolsonaro".

quarta-feira 18 de novembro| Edição do dia

Em resposta ao youtuber Felipe Neto no Twitter, o prefeito e candidato à reeleição na cidade de São Paulo, Bruno Covas, disse: "Não votei em Bolsonaro. Convido você a conhecer meu programa de governo para ver nossas propostas que priorizam o combate às desigualdades, o respeito à diversidade e a defesa dos direitos humanos".

Veja também: Bolsonarista Russomanno se alia a Covas no 2° turno em São Paulo

Imediatamente, Covas recebeu inúmeras respostas lembrando e comprovando sua ligação com Bolsonaro e o bolsonarismo, haja vista estar no cargo de prefeito graças à chapa para as eleições de 2016 que carregou o bordão de "BolsoDoria". Vale lembrar que até o mote da defesa da “lei e da ordem”, marcado recentemente por ser usado indiscriminadamente por Donald Trump, Covas evocou em seu discurso de encerramento de campanha para dialogar com o eleitorado mais reacionário de São Paulo. Veja alguns twites:

Pode te interessar:

Covas privatiza e ataca direitos sociais, atingindo negros e mais pobres, diz Letícia Parks

Covas é a cara da direita que governa contra as mulheres trabalhadoras, diz Diana Assunção

Covas e Doria tentaram se colocar como oposição ao governo Bolsonaro durante a pandemia, mas sabemos que isso é uma falácia pois ambos também negligenciaram e rifaram as vidas dos trabalhadores e do povo pobre, permitindo demissões e sem oferecer testes massivos para a população. Covas é parte do conjunto do regime golpista que está unificado para atacar a classe trabalhadora e descarregar a crise nas nossas costas.

Para golpear Covas e os golpistas onde realmente lhes dói, seria necessário que fossem apresentados programas que atacassem os enormes lucros da minoria composta por grandes grupos empresariais que enriquecem às custas da exploração da grande maioria da população. Uma campanha assim serviria para impulsionar a mobilização dos trabalhadores, das mulheres, negras e negros, LGBTs e da juventude, única forma de impor essas medidas, e também de realmente derrotar Covas, Doria, a extrema direita e os golpistas.

Veja mais: O bonapartismo institucional e o Centrão foram os vencedores das eleições municipais




Tópicos relacionados

Eleições 2020   /    Bruno Covas   /    Guilherme Boulos   /    Jair Bolsonaro   /    João Doria   /    São Paulo (capital)   /    Política

Comentários

Comentar