VIDAS NEGRAS IMPORTAM

Breonna Taylor, outro nome que acende protestos contra o racismo

Breonna Taylor foi morta em sua casa no meio de uma operação policial irregular. A impunidade dos policiais que a mataram é outra das chamas que acende protestos contra a brutalidade racista da polícia. Hoje faria 27 anos.

Celeste Murillo

Argentina | @rompe_teclas

quarta-feira 17 de junho| Edição do dia

Em 13 de março de 2020, Breonna Taylor estava dormindo quando a polícia de Louisville (Kentucky) entrou em sua casa sem aviso prévio e atirou nela na cama logo após a meia-noite. Seu namorado, Kenneth Walker, ligou para Emergências quando ouviu o som de pessoas entrando no apartamento e tentou usar sua arma para se defender (nos Estados Unidos é legal portar armas se você tiver uma licença, que Walker possuía). A justificativa para a operação foi uma investigação sobre o tráfico de drogas. Breonna era negra, o namorado também.

Nenhuma das tropas usou a câmera obrigatória que deve ser transportada em todas as operações e chegou ao local em carros civis. Mais tarde, soube-se que o suposto suspeito que procuravam estava sob custódia da mesma polícia. Também foi revelado que um dos funcionários envolvidos no assassinato de Breonna já tinha um histórico de uso excessivo da força. A polícia afirmou que bateu na porta para se anunciar e, quando não obteve resposta, entrou à força. A única presa naquela noite foi o namorado dela, acusado de tentativa de assassinato (eles mais tarde tiveram que retirar as acusações). Os policiais permanecem impunes.

Nas primeiras semanas após o assassinato de Breonna, no início da pandemia de Covid-19, o caso não teve impacto nacional. Mas a insistência da família em denunciar as ações da Polícia e os recentes protestos contra a brutalidade da polícia racista pressionaram as autoridades estaduais e o próprio FBI a iniciar uma investigação. Os policiais foram colocados em licença administrativa, mas nenhum foi julgado.

A vida de Breonna também importa

No último dia 05 ela completaria 27 anos. Trabalhava na área de saúde, técnica de emergência, trabalhava na ambulância e na atenção primária no hospital. Sua mãe diz que Breonna sonhava em trabalhar em emergências e planejara seu futuro no sistema de saúde. Ela era uma das trabalhadoras da primeira linha que está em todas as capas hoje.

Ayana Mathis, uma escritora negra, disse em sua conta no Twitter: “Receio que vamos esquecer Breonna Taylor, esses policiais não foram presos. Por favor, lembre-se de mulheres negras. Por favor, vamos continuar lutando por ela”.

O assassinato de Breonna não teve tanta repercussão quanto o de George Floyd em Minneapolis , mas com o passar das noites, seu rosto e seu nome começaram a aparecer nas mobilizações. Breonna é o lembrete da constante violência da polícia, o elo mais trágico no racismo institucional sofrido pela população negra nos Estados Unidos. Ser mulher e trabalhadora colocou Breonna, como muitos outros, nos escalões mais baixos da discriminação e violência cotidianas.

Pode lhe interessar: Trump decretou um toque de recolher em todo o país e implantará "milhares de soldados"

Na cidade onde ele morava, Louisville (Kentucky), a exigência de Justiça está presente. Como em muitos estados, o governador democrata Andy Beshear enviou a Guarda Nacional para conter os protestos, e o prefeito Greg Fischer (também democrata) apoiou a polícia quando sete pessoas foram baleadas em uma mobilização. Beshear e Fischer fazem malabarismos para combinar o discurso do partido democrata de compreender (e conter) a raiva nas ruas e a proteção das forças repressivas. Mas os fatos desmentiram os discursos na manhã de 3 de junho, quando a Guarda Nacional e a Polícia dispersaram a multidão e mataram David McAtee, um negro que tinha uma barraca de comida na cidade.

Say her name, diga o nome dela

A violência policial racista afeta predominantemente os homens, mas o racismo institucional inscrito no DNA dos Estados Unidos também afeta mulheres negras e resulta em uma multiplicação de desigualdades e estigmas contra elas.

Pode lhe interessar: mulheres negras: a outra desigualdade

A morte de Sandra Bland em 2015 foi divulgada na mídia por uma campanha de organizações feministas e da comunidade negra. Com a hashtag #SayHerName, denunciaram seu assassinato logo após ser detida e tentar resistir a um tratamento abusivo da polícia. Três dias depois, ela foi encontrada pendurada em sua cela. Seu nome se tornou um símbolo da brutalidade policial racista e do silêncio da mídia.

A ausência desses nomes na grande mídia não é consistente com sua presença nas demandas das ruas. A revista feminista Bitch explica que os nomes de mulheres negras mortas pela polícia não têm o mesmo papel na mídia porque, “o sexismo afeta todos os aspectos da vida das mulheres negras, incluindo a maneira como somos tratadas, ou não mencionado, na mídia após nossas mortes. Ainda assim, nossa experiência com as forças de segurança é muito semelhante à dos homens. ”

A única visibilidade de seus nomes e vidas vem dos protestos que continuam hoje nos Estados Unidos, apesar do toque de recolher imposto pelo presidente Trump e pelos governadores democratas e republicanos, e eles têm muitas mulheres nas mobilizações. Breonna Taylor faria aniversário no dia 05 de junho. Ativistas de todo o país estão montando uma campanha de mídia social com a hashtag #SayHerName e, em Kentucky, eles enviarão cartões de aniversário com o nome de Breonna ao procurador-geral Daniel Cameron, responsável pelo caso (que ainda não ninguém acusado).

Breonna Taylor, Charleenea Chavon Lyles, Korryn Gaines, Sandra Bland, Alexia Christian, Mya Hall, Meagan Hockaday, Janisha Fonville, Natasha McKenna, Tanisha Anderson, Aura Rosser, Sheneque Proctor, Aiyana Stanley-Jones, Darnesha Harris, Mackala Ross, Delores Epps Eleanor Bumpurs, Karen Day, Malissa Williams, Shantel Davis, Shelly Frey, Tyisha Miller, Yvette Smith e Michelle Cusseaux. Todas elas (que não são todas) são George Floyd, embora seus nomes apareçam menos nos jornais. O silenciamento e a impunidade de seus assassinatos é o último elo de uma cadeia de violência institucional que recai sobre as mulheres negras. Ignorar suas mortes é confirmação de desprezo por suas vidas.
Tradução: Thaís de Paula




Tópicos relacionados

#BlackLivesMatter   /    Racismo   /    mulheres negras   /    Racismo EUA   /    [email protected]   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar