Boneco inflado no DF retrata a realidade, Bolsonaro tem as mãos sujas de sangue

Em Brasília, o boneco de Bolsonaro com as mãos sujas de sangue e o bolso cheio de dinheiro, foi inflado em protesto contra o presidente e seus defensores. No dia internacional da enfermagem, vários atos ocorrem pelos país, remarcando a luta por melhor condições de trabalho para seguirem na linha de frente no combate à pandemia.

terça-feira 12 de maio| Edição do dia

"Os que lavam as mãos, o fazem numa bacia de sangue"
A frase de Bertold Bretch, estampada na faixa, parece mais atual do que nunca. Enquanto as mortes causadas pelo coronavírus no Brasil disparam, Bolsonaro e seus apoiadores raivosos, seguem atacando os trabalhadores.

O ódio expressado por este boneco é extremamente justificável. Fizemos uma lista com alguns dos principais absurdos cometidos por Bolsonaro e seus apoiadores. Veja:

09/03 - Desde o inicio, Bolsonaro diminui o tamanho do impacto da pandemia. "No meu entender, está superdimensionado, o poder destruidor desse vírus". 25 casos, 0 mortes.

01/04 - Pela data, pode parecer mentira, mas foi o que ele falou. "Tá com medinho de pegar o vírus? Tá de brincadeira". 7.910 casos, 299 mortes.

19/04- Em Porto Alegre, 5 pessoas saindo do ato pacificamente e sem falar nada, quando de repente um homem alto sai do meio do ato e covardemente chuta um homem pelas costas e depois dá um soco na cara de uma jovem mulher. As agressões continuam mesmo com as pessoas saindo de perto do ato, explicitando a covardia e violência dos manifestantes pró-golpe.

28/04 - Quando questionado sobre o Brasil ter passado o número de morto da China. "E daí? Eu lamento. Quer que eu faça o que? Eu sou Messias, mas não faço milagre". 71.886 casos, 5.017 mortos

08/05 - No dia em que registraram 751 mortes, ironiza ao confirmar churrasco. "Tem 1.300 convidados, mas quem tiver amanhã aqui, se tiver mil, a gente bota para dentro. Vai dar mais ou menos 3 mil pessoas no churrasco". 145.328 casos, 9.897 casos.

09/05 - Em plena luz do dia, um acampamento fascista com o aval de Bolsonaro e a salvaguarda dos militares foi montado em Brasília, próximo ao Supremo Tribunal Federal.

Por um lado, Bolsonaro, faz de tudo para salvar o lucro dos empresários. Além disso, aciona os grupos fascistas que o apoiam para sua defesa. Os governadores, prefeitos, judiciário, globo e militares, não podem dar uma resposta a altura do problema, pois também estão ao lado do lucro.

Somente os trabalhadores podem dar uma saída para a crise, pois estão pagando pela crise com suas vidas. No Brasil já morrem mais profissionais da saúde do que Itália e Espanha juntas. Os atos ocorridos no país hoje mostram o caminho, como o ocorrido hoje no HU da USP. É pela mobilização que podemos garantir EPIs e testes para todos, reconverter as indústrias necessárias, contratar todos os enfermeiros desempregados com o fim da lei de teto de gastos e do pagamento da dívida pública.




Comentários

Comentar