Política

BOLSONARO

Bolsonaro usa assessor para justificar porque gastos parlamentares não batem

Na publicação original sobre seus gastos da cota parlamentar faltavam R$ 770 mil no valor total. A falsa moral defendida pelo deputado ainda foi mal explicada por seu assessor, dizendo ter sido um mero erro de cálculo.

quarta-feira 10 de janeiro| Edição do dia

O Deputado Jair Bolsonaro, conhecido por suas declarações racistas, machistas, lgbtfóbicas e outras ainda piores, anunciou nesta terça (9) em seu facebook, que teria economizado R$ 1,2 milhão do dinheiro público. Quantia considerada de sua cota parlamentar nos últimos oito anos.

Dos R$ 3 milhões que teria acesso, Bolsonaro teria usado R$ 1,7 milhões nesses oito anos. Colocando isso como um ponto positivo e "ético" de sua carreira parlamentar, como se R$ 1,7 milhões fosse pouco, considerando o que ganha um trabalhador médio hoje no Brasil.

Entretanto, basta acessar os dados oficiais divulgados pela Câmara para ver que Bolsonaro gastou R$ 2.495.056,70. Ou seja, R$ 770 mil a mais do que anunciou em sua página, deixando de fora 44,6% do que realmente gastou.

A denúncia feita em matéria do O Globo que também mostra que existe uma diferença do valor da cota a qual o deputado tem direito anualmente. Existem uma série de acrescimos de acordo com a função exercida pelo deputado, como líder de partido ou bloco parlamentar. De acordo com este cálculo a quantia não gasta poderia chega a R$ 483 mil.

O assessor do deputado ao ser questionado disse ter errado e que foi um equívoco. Disse que "foi responsabilidade minha. Quando fiz o levantamento, eu incluí as despesas entre 1 de janeiro até dezembro, por isso as despesas entre 2 e 31 de janeiro ficaram de fora. Já corrigimos a informação. Pelo desculpas pelo equívoco e pela desinformação gerada."

O fato é que este "equívoco", mesmo que corrigido depois, gerou 40 mil compartilhamentos e mais de 75 mil curtidas na sua página do Facebook. Enquanto a postagem dos valores corrigidos teve 19 mil reações e apenas 4 mil compartilhamentos. Ou seja, o papel que cumpriu essa inverdade fez circular a imagem de um Bolsonaro que não é o real para milhares de pessoas.




Tópicos relacionados

Bolsonaro   /    Corrupção   /    Política

Comentários

Comentar