MILITARES

Bolsonaro terá governo com mais militares que governos de Médici e Geisel

O governo do reacionário Jair Bolsonaro (PSL) dará o maior espaço para militares no governo desde a redemocratização do Brasil.

segunda-feira 3 de dezembro| Edição do dia

Com enorme e absurda parcela de membros com origem nas Forças Armadas, os oficiais da reserva já ocupam 35% do primeiro escalão, até agora com 20 nomes anunciados.

Entre os ministros do governo Bolsonaro, têm carreira no exército o General Augusto Heleno (GSI), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Carlos Alberto dos Santos Cruz (Secretaria do Governo), Wagner Rosário (CGU), capitão de reserva, e Tarcísio Freitas, engenheiro na corporação por 16 anos. O representante da Marinha no governo é Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior (Minas e Energia), enquanto o tenente-coronel Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) é oriundo da Aeronáutica. Durante campanha eleitoral, Bolsonaro afirmou que metade de seus ministérios seriam ocupados por militares.

Com base em informações do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC-FGV), desde a redemocratização o governo com mais militares nos ministérios havia sido o de José Sarney, que assumiu sua gestão em 1985, com 7. Sua equipe, no entanto, era maior do que a de Bolsonaro. Em termos percentuais, a maior participação de militares havia sido com Fernando Collor, governo no qual eles assumiram um terço das pastas (4 de 12). Até mesmo Médici e Geisel tiveram quatro militares nos ministérios, o que é menos que Bolsonaro. Esse fato porque até o governo de Fernando Henrique o número de oficiais era ampliado pelo fato do Exército, Marinha e Aeronáutica serem considerados ministérios na época.

Os chefes do Estado Maior das Forças Armadas e do Gabinete Militar também eram ministros. Até o governo Sarney, o Serviço Nacional de Informações (SNI), que deu suporte à perseguição de pessoas que questionavam a ditadura militar, também tinha status de ministério. Apenas em 1999 o atual modelo institucional do governo federal foi implementado, com a criação do Ministério da Defesa (que reúne as Forças Armadas). Apenas no segundo governo de FHC que a Casa Militar foi transformada no Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência. Desde então o GSI passou a ser o único órgão de primeiro escalão ocupado por militares.

Bolsonaro é herdeiro da ditadura militar e diversas vezes já colocou a repressão, tradição dos militares, como algo prioritário. Afirmando que o problema da ditadura foi ter torturado e não matado e que quem discordar do seu governo tem dois destinos: cadeia ou aeroporto, ele deixa muito explícito que seu objetivo é passar uma série de ataques que são continuidade do golpe institucional, como a reforma da previdência, para descarregar a crise nas costas dos trabalhadores com base na força. O espaço que os militares vão ter nos ministérios de Bolsonaro, que é o maior desde os governos da ditadura, é um absurdo e vem para reprimir mais ainda os trabalhadores e o povo pobre.

Os trabalhadores precisam mostrar sua força contra todos os ataques e contra as ameaças dos militares. Para isso, é extremamente necessário que a CUT e a CTB, maiores centrais sindicais da América Latina, dirigidas pelo PT e PCdob, rompam seu imobilismo e organizem um sério plano de lutas com um programa abertamente anticapitalista. Só assim será possível uma luta para impor que sejam os capitalistas que paguem pela crise.




Tópicos relacionados

Militares na política   /    Governo Bolsonaro   /    Exército   /    Bolsonaro   /    Forças Armadas

Comentários

Comentar