Economia

REFORMA ADMINISTRATIVA

Bolsonaro quer passar a boiada em cima das empresas públicas

Nova proposta de Reforma Administrativa do governo inclui rifar todos os bens públicos ao capital privado sem nem fingir justificativa. Mais um claro ataque aos trabalhadores e ao país.

quinta-feira 3 de setembro| Edição do dia

Como adiantamos nesta matéria, Bolsonaro e Guedes desarquivaram proposta de reforma que tem claro intuito em atacar o funcionalismo público, acabando com a estabilidade. Juízes e Políticos, por exemplo, estariam de fora desta reforma, o que demonstra claramente que eles querem manter seus privilégios enquanto atacam setores mais frágeis do funcionalismo.

Dentro da proposta geral há outro ataque igualmente absurdo: o de dar o poder ao Presidente de rifar por si só as empresas públicas, de forma irrestrita, ao bel do prazer do governo. Isso mostra que há pressa do governo em acelerar os ataques aproveitando momento de pandemia para passar a boiada, como discursou o medonho ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Como se daria esta venda?

Se o governo alegar que não há justificativa para o funcionamento da empresa pública ele poderia simplesmente num “ato executivo” decretar a sua venda. Empresas que interessem ao capital monopolista internacional podem ser vendidas se assim desejar o governo do momento. Um exemplo disto é o caso da Embraer, onde uma das maiores empresas do mundo no segmento de produção de aeronaves é assediada a anos por monopólios internacionais e se tenta de tudo para vendê-la.

Um absurdo descarado!
Neste artigo colocamos outros pontos e atualizações do dia sobre a reforma administrativa, confira.




Tópicos relacionados

Reforma Administrativa   /    Paulo Guedes   /    Servidores Públicos   /    Jair Bolsonaro   /    Privatização   /    Economia   /    Política

Comentários

Comentar