Política

Bolsonaro diz que pandemia é "neurose", que não há como diminuir mortes e o comércio deve reabrir

Em declaração realizada ao vivo via transmissão pela rede Facebook, Bolsonaro refere-se à pandemia, a marca de 76,5 mil mortes, como neurose. O presidente afirma que “Ninguém disse que ninguém ia morrer por causa do coronavírus.”, sendo que no início da pandemia, o mesmo debochava dos impactos da doença, chamando-a de gripezinha. Agora, porém, declara que não há o que fazer quanto as milhares de mortes em todo o país.

sábado 18 de julho| Edição do dia

“Então houve uma neurose no tocante a isso daí. Ninguém disse que ninguém ia morrer por causa do coronavírus. Tanto ia como está morrendo, infelizmente. Agora alguns acham que tinha como diminuir o número de óbitos. Diminuir como?”, declara.

O mesmo ainda acusa a mídia e o antigo ministro da saúde, Luiz Henrique Mandetta, de “semear o pânico” quando se iniciou o período de quarentena no Brasil.

“Quando resolveram lá atrás partir para o achatamento da curva, vocês lembram do ministro [Luiz Henrique Mandetta], né? "Vamos achatar a curva!". Ele falava nas reuniões de ministro: "caminhões do Exército vão pegar corpos nas ruas". Semeando o pânico no Brasil. A grande mídia também dando uma força muito grande no tocante a isso”

Fazendo demagogia com o atual estado da crise sanitária e da estrutura da saúde pública no país, com hospitais colapsando ou a beira do colapso e diversos estados, profissionais da saúde precarizados sem EPI’s e morrendo no fronte do combate à doença, ainda faz declaração falsa de que estão sobrando leitos e que tudo poderia reabrir por conta disso.

“Então o objetivo era esse. Hoje nós estamos vendo que em vários Estados está sobrando leito, graças a Deus, né? Então tem que começar a abrir, poxa. Porque a crise por falta de emprego, morte, suicídio, depressão tá aí, tá chegando”

Durante a transmissão, Bolsonaro ainda fez a costumeira menção à hidroxicloroquina e ainda ao vermífugo Annita, ambos medicamentos difundidos em fake news como solução da doença e que o presidente propagandeia a despeito das recomendações das organizações médicas e dos resultados científicos (ou falta deles) acerca da eficácia e dos efeitos colaterais. Bolsonaro, um representante máximo e gerador das fake news, obscurantista anti-ciência, espalha absurdos sobre medicação e saúde, assuntos nos quais sua ignorância é completa. Ainda assim, usa de qualquer artifício para acabar com a quarentena, mesmo que os trabalhadores morram por isso.

Lembrando que Bolsonaro demonstra não estar de fato interessado com a saúde mental e nem com as mortes por suicídio devido às condições econômicas do povo, vide todas as concessões e facilitações que deu para as empresas continuarem lucrando enquanto promovem demissões em massa. Demonstra, também, quando parcela o auxílio emergencial ao povo, atrasa pagamentos e dificulta ao máximo o acesso ao dinheiro essencial para que as pessoas sobrevivam, enquanto libera incentivos bilionários aos bancos, esses que possuíram lucros recordes nos últimos anos. A questão de Bolsonaro segue sendo o lucro do empresariado, o que se evidencia até mesmo no fato de botar a vida dos trabalhadores em segundo plano para que o comércio reabra e os patrões sigam lucrando.

Respondendo a pergunta que Bolsonaro finge não saber, a fim de ceifar a vida dos trabalhadores e da população em nome do lucro dos capitalistas, a crise sanitária e as mortes diminuem com investimentos nos setores públicos estratégicos, assim como testagens em massa para o mapeamento e controle da doença. Apenas com o registro exato dos infectados é possível fazer uma quarentena eficaz e combativa frente à pandemia catastrófica por qual passamos. Que os setores da saúde pública recebam os incentivos massivos (como os bancos que não fazem nada pelo povo recebem) e consigam mais leitos, mais equipamentos, mais EPI’s e melhores condições para os profissionais, assim como mais profissionais contratados. Medidas voltadas para a vida do povo e não para matar o povo em nome do lucro dos capitalistas.




Tópicos relacionados

Crise do Coronavírus   /    Coronavírus   /    Governo Bolsonaro   /    Crise no governo   /    Política

Comentários

Comentar