Política

CAIXA 2 DE BOLSONARO

Bolsonaro assume fraude de empresas: "Eu sei que fere a legislação"

Em entrevista Bolsonaro assume saber que é ilegal os R$12 milhões recebidos de um vasto grupo de empresários para impulsionar sua campanha através do WhatsApp. A máscara de "honesto" e "anti-sistema" caindo cada dia mais: uma campanha pautada em fake news e um plano de governo anti-trabalhador, quer quer arrancar todos os direitos trabalhista para que paguemos pela crise.

quinta-feira 18 de outubro| Edição do dia

Estourou hoje (18) o escândalo de fraude na campanha de Bolsonaro: um vasto grupo de empresários de diversos ramos teriam injetado R$12 milhões comprando "pacotes de disparo em massa de mensagens" via Whatsapp fazendo propaganda contra o PT e pró-Bolsonaro.

Em entrevista ao Antagonista, Bolsonaro afirmou: “Eu não tenho controle se tem empresário simpático a mim fazendo isso. Eu sei que fere a legislação. Mas eu não tenho controle, não tenho como saber e tomar providência. Pode ser gente até ligada à esquerda que diz que está comigo para tentar complicar a minha vida me denunciando por abuso de poder econômico.”

Já virou praxe de Bolsonaro se eximir da responsabilidade de seus discípulos, apoiadores e eleitores. Assim como agora ele tenta se esquivar da responsabilidade do caixa 2, utilizou-se do mesmo discurso sobre a responsabilidade sobre as dezenas de ataques promovidos por seus eleitores.

Não é uma grande novidade que a campanha de Bolsonaro, que se recusa terminantemente a ir em debates televisionados, é feita pela divulgação das chamadas "fake news" via Whatsapp.

A prática de financiamento da campanha não só é ilegal por ter sido omitida da declaração do TSE, como é uma prática por si só ilegal o uso de dados para finalidade eleitoral como foi feito. Esta Justiça até agora veio dando inúmeras mostras de que escolheu o lado dos capitalistas e seus ataques, ao prender arbitrariamente Lula, retirar mais o direito ao voto de mais de 3 milhões de pessoas, vazar delação para influenciar a favor de Bolsonaro o primeiro turno e uma longa lista de manobras autoritárias.

A estratégia eleitoral e judicialista do PT veio se mostrando completamente impotente para enfrentar os elementos mais reacionários que já se expressou de autoritarismo do judiciário, os ataques por parte dos setores bolsonaristas e toda a direitização que representa a candidatura de Bolsonaro.

Bolsonaro já se mostrou alinhado aos patrões mil e uma vezes. Em discurso para os patrões na Conferencia das Indústria este ano, Bolsonaro já teria dito que os verdadeiros "patrões do Brasil" são os empresários, e que nesse sentido, faria um governo que colocasse isso em primeiro lugar.

Seu programa de governo também deixa isso claro, com as medidas ultra neoliberais tomadas com seu guru da economia, Paulo Guedes, levantando como carro-chefe da campanha privatizações, extinção de estatais que não fossem compradas pelos capitalistas e ataques aos direitos trabalhistas como a implementação da Reforma da Previdência e o fim do 13º salário, se ajoelhando diante da patronal nacional e estrangeira.

Tetando se lançar como "outsider", político honesto e "anti-sistema", Bolsonaro deixa cada dia mais evidente que não é nada disso que propaga ser. Na realidade, é nada mais que o filho indesejado da Lava-Jato, que atuou em nome de manipular as eleições para favorecer o candidato que mais agradasse a burguesia. O judiciário golpista se utilizou de mil e uma manipulações, manipulando as eleições como por exemplo a prisão arbitrária de Lula, que impediu o povo de escolher em quem votar, além do sequestro concreto de mais de 3 milhões de votos justificados na implementação da "biometria".

Agora, esse mesmo judiciário que é um pilar do golpismo, inerte no período eleitoral sem realizar um mínimo movimento contra a enxurrada de fake news como haviam se comprometido, se completam com a conivência golpista ao financiamento privado de campanha, vedado até mesmo pela legislação burguesa.

Um candidato que está imerso nesse sistema, com alianças sujas de toda forma com os patrões, preparado para aplicar um programa de anti-trabalhador, de profundos ataques às mulheres, negros e LGBTs.

Nós, do Esquerda Diário e do MRT estaremos ao lado de todos aqueles que têm ódio profundo e rechaçam Bolsonaro e todo seu programa ultra-neoliberal, machista, racista e LGBTfóbico. Acompanhando este sentimento, declaramos voto crítico em Fernando Haddad, mas clarificando que não temos nenhum acordo com a estratégia eleitoreira que é absolutamente impotente pra frear a extrema direita e a política de conciliação de classes levada pelo PT por 13 anos de governo.

É necessário trazermos a luta contra Bolsonaro, o golpismo e as reformas para o campo onde ela verdadeiramente possa ter êxito: para a luta de classes. Por isso, defendemos a construção de comitês de luta nos locais de trabalho e estudo, impondo que os capitalistas paguem pela crise.




Tópicos relacionados

Comitês contra Bolsonaro   /    Caixa 2   /    Eleições 2018   /    Bolsonaro   /    Política

Comentários

Comentar