Política

POLÍTICA

Bolsonaro amplia serviços essenciais para agradar capitalistas enquanto milhares morrem

terça-feira 12 de maio| Edição do dia

Bolsonaro expandiu o decreto que define diversas categorias como essenciais na pandemia, incluindo serviços como academias de esportes, salões de beleza e barbearias, incluindo também restaurantes e hotéis de estrada na lista de estabelecimentos de serviços essenciais. O decreto da essencialidade já garantiu que patronais do telemarketing e de outros setores explorassem trabalhadores sem entregar EPI’s, liberar grupos de risco ou dar licença para quem estivesse com suspeita de contágio pela covid-19.

Agora Bolsonaro sinaliza a grandes capitalistas dizendo que fará de tudo possível que estiver em suas mãos para garantir o lucro de pequenos, médios e grandes proprietários durante a pandemia. O lucro acima da vida é a palavra de ordem de Bolsonaro.

O decreto prevê ainda a regra estipulada pelo Supremo Tribunal Federal, em que este estipulou que cabe a Municípios e Estados a decisão sobre quais estabelecimentos podem abrir e quais podem fechar durante a pandemia. O STF colabora com os governadores que posam de oposicionistas a Bolsonaro mas igualmente nada fazem pela saúde dos trabalhadores, impondo as quarentenas mas apenas com medidas de repressão, sem medidas para garantir atendimento no SUS - pelo contrário, estes entraram agora no STF contra o pedido de fila única no Sistema Único de Saúde.

Bolsonaro por sua vez garante o apoio de empresários ao seu governo, na cena que incluiu até uma semi-passeata com empresários até o STF, aonde estes choraram que seus lucros advindo da exploração do trabalho alheio seriam afetados pelas medidas de quarentena.

Vale tudo pelo lucro, enquanto a taxa de mortes passa de 11 mil - segundo os números rebaixados do Ministro fantoche Teich - e o número de trabalhadores com salários reduzidos pelas MP’s do governo chegou à 7 milhões segundo os números do economista de araque e ultraliberal Paulo Guedes, Bolsonaro preocupa-se em garantir que a máquina de sugar o trabalho das massas e gerar lucro para poucos siga funcionando. Bolsonaro queima a carne do seu churrasco enquanto sua Secretaria de Comunicação lança slogans dos campos de concentração nazista para deixar bem claro aos capitalistas que estes podem contar com ele.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Governo Bolsonaro   /    Política

Comentários

Comentar