Internacional

CORONAVÍRUS E LUTA DE CLASSES

Bolívia: manifestações por fome são reprimidas em Cochabamba

Nesta segunda-feira, a Zona Sul da cidade de Cochabamba, lugar onde se encontram os bairros mais abandonados pelos diferentes governos, viveu uma das jornadas de protesto mais longas vistas no país desde o começo da crise do Covid-19. Na noite aconteceu uma forte repressão policial e militar.

terça-feira 12 de maio| Edição do dia

A quarentena militarizada na Bolívia, somada ao abandono e improvisação do autoproclamado Governo de transição de Jeanine Áñez detonaram a mobilização dos moradores e trabalhadores de K’ara K’ara, Ushpa Ushpa, Villa Sebastián Pagador e Villa Israel, na zona sul de Cochabamba.

Cansados pela fome, a falta de água e as políticas de confinamento repressivo, os habitantes bloquearam várias ruas e a avenida Petroleira desde as primeiras horas da manhã. As manifestações continuaram até o meio-dia, quando militares e policiais interviram em vários pontos do bloqueio sem resistência dos manifestantes, despejando-os momentaneamente. Os manifestantes se reagruparam e retomaram as mesmas ruas nas horas da tarde.

Estes bairros, da Zona Sul de Cochabamba, se caracterizaram por resistir a quarentena organizando panelas comuns graças às doações de produtores camponeses e ativistas independentes. Em muitas casas não existe fornecimento de água potável e tem que comprá-las em cisternas que vendem o tonel por 7 bs (1 dólar). Ao não poder gerar receita, nestas zonas até lavar as mãos é um luxo. Os trabalhadores e população pobre esperavam o bono universal que foi adiado pela lógica governamental, assim como seguem esperando a cesta de produtos prometida pelo Governo Municipal.


Foto: Radio Kausachun Coca

Um morador das mediações do quilometro 10 da Avenida Petroleira sinalizava nas redes:

“Falando com os da OTB, dizem que ainda que no começo todos estavam relativamente bem abastecidos, com o passar das semanas foram detectando famílias sem alimento e foram ajudadas. Agora essa lista ficou imensa. Todos os dias pessoas se aproximam para pedir ajuda, a situação é insustentável. Também dizem que o governo estendeu sem mais a quarentena, até o dia 31 de maio, e não existe nenhuma medida que alivie um pouco as carências. A situação é insustentável e há muito mal estar.”


Foto: El Huayllani

Como se supõe que poderim resistir até o dia 21 de maio nestas condições?

Horas mais tarde, por volta das 18:45, os moradores e trabalhadores retomaram seus pontos de bloqueio, principalmente na Av. Petroleira. Resistiam nas suas posições quando militares e policiais se lançaram brutalmente contra eles. A imprensa local descreve um uso forte de gases lacrimogêneos e balas, desta vez os moradores responderam e enfrentaram a repressão até pelo menos as 10 da noite.

Em meio a tudo isso, um grupo parapolicial chamado Resistencia Juvenil Kochala anunciava nas redes sociais que esperava o sinal para atacar Kara Kara. Não existe uma recontagem oficial de feridos até o momento.

A partir do La Izquierda Diario Bolivia nos solidarizamos com a luta dos moradores e trabalhadores da Zona Sul de Cochabamba. Exigimos do Estado que garanta um salário de quarentena para todos os e as trabalhadores e setores populares que vivem do dia após dia para que possam ficar em casa. Também é urgente que a água seja distribuída de forma gratuito, necessitada nos bairros enquanto dure a crise.

A situação é grave. Como viemos sinalizando e exigindo, a quarentena apenas é insuficiente e insustentável. Cada dia que passa muitas famílias trabalhadores se vêem obrigadas a sair às ruas pelo desespero provocado pela fome no país. Não queremos mais suicídios por fome no país.

Áñez segue se negando a realizar testes massivos até hoje. Se isso tivesse sido implementado como temos exigido desde o começo da crise socio-sanitária a partir do La Izquierda Diario, hoje a situação de amplos setores populares não seria tão dramática. A negativa em seguir implementando-os prevê um salto na quantidade de contágios na medida em que a quarentena seja superada pela fome.

#SalariosDeCuarentenaYa #TestMasivosYa #InsumosMasivosDeBioseguridadYa #AguaParaLosBarriosPopularesYa

Originalmente Publicado no La Izquierda Diario Bolivia




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar