Internacional

Bolívia: Forças Armadas buscam impunidade para os massacres de Sacaba e Senkata

Após a prisão domiciliar do comandante Alfredo Cuéllar, por sua responsabilidade no massacre de Huayllani em Sacaba, Cochabamba, durante o golpe de Estado, soldados ativos e passivos buscam a impunidade. É necessário promover a mobilização para julgamento e punição dos responsáveis, políticos e materiais, por violações de direitos humanos e crimes contra a humanidade.

quarta-feira 2 de dezembro de 2020| Edição do dia

Na semana passada, no marco das investigações que vêm se desenvolvendo pelo Ministério Público sobre os massacres perpetrados pelas Forças Armadas durante o golpe de novembro do ano passado, Alfredo Cuéllar, comandante departamental do Comando de Operações Estratégicas (CEO) em Cochabamba, teve que depor.

Após o depoimento de Cuéllar, na terça-feira, 24 de novembro, o Ministério Público expediu ordem de prisão e ele foi acusado pelo crime de homicídio durante o massacre de Huayllani (Sacaba) em Cochabamba em 15 de novembro de 2019, onde foram registrados mais de 10 pessoas assassinadas. O Ministério Público argumentou que o mandado de prisão se deveu à possibilidade de “risco de obstrução e fuga”.

Recordemos que a apreensão de Cuéllar ocorreu no dia seguinte à chegada do Grupo Interdisciplinar de Peritos Independentes (GIEIn na sigla em espanhol) convocado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) para investigar as "violações de direitos humanos ocorridas entre 1 de setembro a 31 de dezembro de 2019 ”.

Cuéllar ficou detido por menos de 48 horas nas dependências da Força Especial de Combate ao Crime (FELCC) em Sacaba. De terça-feira, 24 a quinta-feira, dia 26 de novembro, quando um juiz ordenou que fosse outorgada prisão domiciliar, sem direito ao trabalho e com escolta policial (arraigo). Para se beneficiar dessa medida, Cuéllar teve que pagar uma fiança de aproximadamente 36.000 dólares.

Militares "perplexos". Exigem que se aplique "justiça militar"

Diante dessa situação, o Alto Comando Militar se manifestou em conferência de imprensa. Por meio de seu novo comandante, Jaime Alberto Zabala, declararam que o ocorrido é "desconcertante" e que as Forças Armadas "não agem arbitrariamente, mas realizam ações de comando ordenadas pelo Capitão-General das Forças Armadas, cargo que é exercido pelo Presidente ou presidenta do Estado ”. Da mesma forma, Zabala em sua defesa afirmou que “Quando os conflitos são iminentes, invocamos a Deus e chamamos o soldado; quando o conflito acontece, esquecemos de Deus e julgamos o soldado ”.

A perplexidade e descontentamento com a prisão de Cuéllar, expressa no comunicado do Alto Comando Militar, mostra seu rechaço ao fato de que “quem obedece as ordens” esteja sendo julgado e não “quem as dá”, ou seja, os responsáveis. políticos.

Alfredo Cuéllar é o primeiro militar investigado e com processo aberto pelos massacres de novembro do ano passado. Nesse marco, o que pedem os militares é que se aplique a "justiça militar". Ou seja, que sejam julgados na justiça militar e não na justiça ordinária. Com isso, o que buscam é garantir a impunidade dos assassinatos nos massacres.

A prisão de Cuéllar também motivou o repúdio e a mobilização de integrantes das Forças Armadas de serviço passivo (da reserva) que rechaçou a detenção e descreveu a medida como "perseguição penal".

Assim, os militares da reserva e os militares aposentados realizaram marchas nas cidades de La Paz, Cochabamba e Santa Cruz com slogans nos quais indicavam que “as Forças Armadas apenas cumprem ordens superiores” e denunciando que sofrem “assédio e perseguição ”.

Em declarações recolhidas pela imprensa, o representante dos militares da reserva e integrante do setor passivo em Santa Cruz, Jorge Santiesteban, remarcou o “enérgico repúdio à arbitrariedade do Ministério Público que prendeu um general”. Também denunciou que há perseguição penal: “(...) Repudiamos categoricamente a perseguição criminal exercida pelo Ministério Público contra os militares da ativa com o objetivo de desmoralizar, humilhá-los e alterar a liderança do comando militar”.

A defesa de Cuéllar alega que este comandante apenas fez trabalhos de coordenação administrativa e que não participou nas operações militares, pelo que considera que a acusação é "pouco objetiva".

Forças Armadas: um ator político com cada vez mais autonomia

Como viemos demonstrando desde estas páginas, após o golpe de Estado abriu-se um novo ciclo político no qual a direita golpista mantém um importante espaço parlamentar e onde as Forças Armadas se constituem em um ator político com uma maior autonomia relativa. Isso é evidenciado pelas citadas mobilizações do setor passivo e pelas declarações do novo Alto Comando Militar.

Assim, o Governo de Luis Arce tenta navegar por correntes de água que expressam profundas contradições. Por um lado, uma direita que lançou uma forte campanha para garantir a impunidade para todo o bloco golpista e, por outro lado, um movimento de massas que exige justiça pelos seus mortos, torturados e detidos durante o golpe, e que deu a Arce um importante apoio eleitoral nas eleições passadas.

Essas contradições se manifestaram por meio de confrontos na audiência do Comandante Alfredo Cuéllar, onde grupos de direita gritavam "inocente!" e provocavam os familiares e vítimas de Huayllani (Sacaba) presentes na audiência para exigir justiça.

O governo boliviano tenta resolver essa encruzilhada buscando um pacto social com base em promessas de concessões políticas e econômicas às instituições armadas. Isso foi visto recentemente, quando o novo ministro do governo, Eduardo del Castillo, destacou que é necessário aumentar a receita e a arrecadação da Polícia para que esta instituição se beneficie de uma aposentadoria de 100%.

Privilégio de que hoje só gozam as Forças Armadas. Por outro lado, vemos a busca desse pacto social por parte do MAS ao limitar a ação da justiça a alguns casos individuais, evitando comprometer as dezenas ou centenas de responsáveis, políticos e materiais, de todas as violações dos direitos humanos e crimes contra a humanidade. Mas além disso, não esqueçamos os discursos de nomeação dos novos comandos militares e policiais, do Presidente Arce, assim como as declarações do Ministro de Governo, que destacou que a institucionalidade dos aparatos repressivos do Estado será respeitada, pedindo que o “povo deve reconciliar-se ”com essas instituições armadas.

Um gesto de respeito a esta instituição foi manifestado a pedido de alguns dirigentes e deputados do MAS que solicitaram às Forças Armadas o restabelecimento do lema da "pátria ou morte". Lema que foi eliminado pelo Governo de facto de Jeanine Áñez. No entanto, este pedido foi rejeitado pela instituição por se tratar de um lema "importado". Lembremos que Evo Morales, durante seus 14 anos de governo, estabeleceu esse lema na tentativa de embelezar essas instituições repressivas, confundindo o movimento de massas no momento em que haviam que enfrentar o golpe. A verdade é que para além do lema, o que ficou evidente é que essas instituições repressivas, por mais mudanças de forma ou medidas cosméticas que sejam tomadas, não modificam sua natureza, que é estar a serviço das classes dominantes e proteger seus interesses.

Desde a LOR-CI (Liga Obrera Revolucionaria, organização irmã do MRT no país), organização que promove o Esquerda Diário na Bolívia, chamam a estar alerta às tentativas de deixar impune aos civis e militares responsáveis ​​pelo golpe e pela violação massiva dos direitos humanos , promovendo junto aos sindicatos e organizações sociais, indígenas, camponesas e comunitárias, a organização permanente pela justiça e indenização às vítimas.

Também repudiam a pressão que essas instituições armadas e toda a oposição de direita estão exercendo, já que constitui uma ameaça latente contra as trabalhadoras, trabalhadores e o povo. Esta situação é agravada pela política de conciliação e negociação sistemática do MAS, que com os seus dois terços no Parlamento legalizou o golpe e hoje, que detém maioria parlamentar, tem vindo a abrir caminho para o pacto social à custa de direitos e interesses dos setores que resistiram ao golpe e dos trabalhadores que continuam arcando com os custos da pandemia.

Nesta linha, rechaçam as declarações do Ministro de Governo de que pretendem aumentar os recursos da Polícia para que se aposentem com 100%, enquanto fazem ajustes à saúde e educação e enquanto os trabalhadores são condenados à uma aposentadoria de fome. Consideramos que devemos começar a discutir no seio das organizações sindicais, associações de bairro, comunidade, organizações estudantis, a necessidade da dissolução da Polícia e sua substituição pelos trabalhadores e o povo organizado, como aconteceu no município de Achacachi que entre o ano 2000 e em 2006 expulsou a polícia da cidade e que só pôde voltar graças aos “bons ofícios” de Evo Morales no início de seu primeiro mandato. A queima da wiphala e o papel da polícia em seus ataques racistas às mulheres de pollera evidenciam a necessidade de sua dissolução.

Por outro lado, nas Forças Armadas, em cuja base se encontram milhares de filhos de camponeses e trabalhadores da cidade que atuam no serviço militar, para acabar com os abusos cometidos pela casta de oficiais e alto comando do Exército, e para evitar que os soldados sejam usados ​​para reprimir suas famílias, suas mães e pais, um primeiro passo é exigir plenos direitos de organização sindical e política para as tropas.

Por tudo isto, e no marco de uma profunda crise econômica em curso, se faz também urgente a redução drástica do orçamento destinado aos aparatos repressivos, para colocar todos estes recursos a serviço da saúde, da educação e para garantir o direito ao trabalho das grandes maiorias.




Tópicos relacionados

Movimento Ao Socialismo (MAS) - Bolívia   /    Massacre de Senkata   /    Luis Arce Catacora   /    Golpe de Estado Bolívia   /    impunidade   /    Forças Armadas   /    Internacional

Comentários

Comentar