Internacional

CORONAVÍRUS

Bélgica: trabalhadores da saúde protestam contra a primeira-ministra

Cerca de cem trabalhadores da saúde em Bruxelas formaram um corredor ao redor da comitiva oficial de veículos que transportaram a primeira-ministra belga Shopie Wilmès para imediatamente virar as costas publicamente em frente às câmeras.

segunda-feira 18 de maio| Edição do dia

Hoje, uma ação impactante de protesto na Bélgica viralizou nas redes sociais, realizada ontem pelos trabalhadores da saúde do Hospital Saint-Pierre, em Bruxelas, no momento da chegada da primeira-ministra Shopie Wilmès. O protesto repudia os cortes significativos no orçamento do setor de saúde e os baixos salários que o governo determinou para seus funcionários. Eles também denunciam que o governo insistiu em recrutar pessoal não qualificado e se recusam a contratar profissionais para apoiar a equipe de enfermagem.

Essa ação simbólica de protesto de alto impacto midiático na imprensa local e relatada por numerosos meios de comunicação internacionais parece representar as primeiras medidas que prometem continuar frente à política atual da coalizão governamental expressa nos últimos decretos aprovados pela Executivo belga, que não responde às demandas de "revalorização da profissão", além das dezenas ocorridas em todo o mundo em diferentes hospitais da Argentina, Peru, Guatemala, Estados Unidos, Estado espanhol e Reino Unido.

Como aponta a mídia "Le Soir", os profissionais de saúde consideram que estão fazendo um grande esforço e que sempre estiveram disponíveis e não receberam nenhuma resposta às suas reivindicações que já vinham fazendo há meses. Atualmente, a Bélgica, com uma população de 11 milhões de pessoas, registrou mais de 55 mil infecções por Covid -19 e mais de 9 mil mortes pela mesma causa, tornando-se um dos países com as maiores taxas de mortalidade, 57 mortes para cada 100.000 habitantes, conforme relatado pela Universidade Johns Hopkins.

A Liberal Shopie Wilmês concordou surpreendentemente com a posição em outubro passado, 6 meses atrás, quando seu antecessor, Charles Michel, foi nomeado Presidente do Conselho Europeu, e a pandemia permitiu que ele estabilizasse seu governo de coalizão. As escolas belgas reabrirão parcialmente e os mercados, museus e zoológicos também poderão operar novamente a partir de segunda-feira, disse a primeira-ministra Sophie Wilmes, para aliviar ainda mais o bloqueio de dois meses do país contra o coronavírus.




Tópicos relacionados

Coronavírus   /    Internacional

Comentários

Comentar