Internacional

França

Barricadas, repressão e mais de 180 detenções de "coletes amarelos" em Paris

Enquanto Macron se orgulha no G20 de medidas anti-operárias realizadas na França, os Champs Elysées estão cheios de barricadas e milhares de manifestantes são ferozmente reprimidos por um dispositivo policial não visto desde maio de 68.

domingo 2 de dezembro| Edição do dia

"Coletes amarelos triunfarão"

Como já vem acontecendo há algumas semanas, os coletes amarelos saíram novamente às ruas de Paris e de muitas cidades francesas para protestar, não apenas contra o aumento dos combustíveis e a perda de poder aquisitivo, mas eles também pedem diretamente a renúncia de Emmanuel Macron, que neste momento participa do G20 em Buenos Aires. Como já é norma na França, eles foram reprimidos com gás lacrimogêneo e jatos d’água pela SRC (a polícia nacional), espancados e detidos. Há mais de 60 feridos até o momento.

Se no último sábado a polícia usou 5 mil gases e explosivos, esse primeiro de dezembro foi amplamente superado. Para ver um destacamento policial como hoje, devemos voltar às repressões do maio francês, quando trabalhadores e estudantes se organizaram juntos e lutaram contra o governo de Charles de Gaulle. Nem a luta contra a reforma trabalhista, iniciada por Hollande e imposta por Macron no ano passado, tinha tanta força policial na rua.

Os Champs Elysées e o Arco do Triunfo foram transformados num campo de batalha, uma luta contra a repressão de um Estado imperialista que defende o grande capital sem máscaras, neste caso, algumas das mais importantes companhias petrolíferas do mundo, como a francesa Total.

Apesar de ter colocado enormes restrições ao direito de protestar, com condições draconianas de acesso à Champs Elysées, identificando cada um dos que circulavam na área e revisando seus pertences, milhares de manifestantes permaneceram nas ruas, confrontando o enorme aparato repressivo.

O Parlamento, por sua vez, também cerra fileiras com o governo. A partir de 23 de outubro, o Senado aprovou em primeira leitura um projeto para restringir o direito democrático de manifestação, como ter registros sistemáticos para entrar nas colunas nas marchas, aumentar as penas para 3 anos de prisão e 45 mil euros portransportar fogos de artifício de artifício e material considerados como "possíveis armas" e criar um registro nacional de pessoas detidas em manifestações, entre outras medidas típicas de um estado de exceção.

Para o primeiro-ministro, Édouard Philippe, os coletes amarelos "questionaram os símbolos da França", como o Arco do Triunfo, onde o túmulo do soldado desconhecido (soldado morto na Primeira Guerra Mundial), onde nas paredes do maior símbolo dos Champs Elysées pode ser lido: "Os coletes amarelos triunfarão".

De acordo com fontes do Interior, no final da manhã as prisões totalizavam 122. Durante a tarde, o valor foi subindo para 140. Neste contexto de absoluta violência de Estado, o governo parece brincar quando fala em "vontade de diálogo". No entanto, esse apelo realmente expressa as enormes dificuldades que o governo Macron enfrenta contra os "gilets jaunes". Até agora não funcionou, nem medo de que quer impor a repressão brutal e a deslegitimação do movimento com a mídia subserviente ao Eliseu. Os coletes amarelos permanecem em sua luta, nas ruas, corroendo a governabilidade (a que permanece, que não é muito) de Macron.




Tópicos relacionados

coletes amarelos   /    Emmanuel Macron   /    França   /    Internacional

Comentários

Comentar