Política

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Bancos, que lucraram R$90bi em 2018, negociam reforma da previdência para ter "alivio" nos impostos

Banqueiros, que juntos lucraram R$90 bilhões em plena crise, buscam estabelecer diálogo com relator da reforma da previdência prestes à sua apresentação ao congresso, em busca de "alívio" diante da possibilidade de aumento de impostos.

terça-feira 25 de junho| Edição do dia

Enquanto os parlamentares buscam se unificar em torno de uma reforma da previdência capaz de despejar nas costas dos trabalhadores a crise capitalista, interlocutores de banqueiros e empresas do ramo buscam estabelecer seus canais de negociata.

No texto do relator da reforma, Samuel Moreira (PSB), está previsto um aumento de 15% para 20% no tributo federal de Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). É contra essa medida, que o lobby do mercado financeiro busca intervir. A contraproposta dos bancos é de que a taxa caia 0,5 ponto percentual por ano - até retornar aos 15% após dez anos.

Enquanto para os trabalhadores a retórica é de que é necessário fazer "sacrifícios", buscando a implementação da reforma mais severa possível, sem nenhum tipo de plano de alívio, para o mercado possível abre-se todo o tipo de concessão.

Mesmo em meio à crise, os banqueiros são o setor que mais lucram e que querem fazer sangrar ainda mais o trabalhador para aumentar seus lucros: juntos, os bancos lucraram mais de R$ 90 bilhões em 2018, segundo Banco Central, mesmo com queda da taxa mínima de juros.

Ainda assim, tanto por parte do próprio parlamentar que será relator da previdência, quanto por parte dos economistas-burgueses, afirma-se que a reforma da previdência não será o suficiente para os capitalistas: economista-chefe do Itaú Unibanco apontou há cerca de um mês que apenas a reforma da Previdência não será suficiente para recuperar a economia brasileira em contínua recessão, ao contrário do que aponta o governo, sendo necessária a aprovação de uma série de outras medidas e ataques neoliberais para atingir o reequilíbrio fiscal, como a revisão das regras de reajuste do salário mínimo e maior controle dos gastos com o funcionalismo público.

Enquanto os bancos lucram mais do que nunca, como o Itaú que sozinho lucrou quase ⅓ da quantia total, foram R$ 25,7 bilhões somente em 2018, o maior lucro da história dos bancos do país, continuam recebendo o pagamento da dívida pública, negociada com um grupo restrito de banqueiros que impõe juros ao seu bel prazer. A dívida pública que rouba trilhões todos os anos do orçamento público é um montante muito maior do que economistas burgueses, parlamentares e patrões afirmam que será poupado com a reforma da previdência. Esta dívida é na realidade um mecanismo de roubo das riquezas e recursos nacionais, escoando bilhões e bilhões de reais para o imperialismo, enquanto atacam a classe trabalhadora e a juventude com ajustes e reformas para aprofundar ainda mais os níveis de miséria e de exploração.

Ainda em meio aos escândalos dos vazamentos das mensagem de Moro e da Lava Jato, mergulhado em contradições, o governo Bolsonaro, ao lado do Congresso e do STF, permanecem mirando para um horizonte comum: a aprovação da reforma da previdência. Enquanto isso, as burocracias sindicais seguem negociando os direitos dos trabalhadores em nome da manutenção de seus interesses, como o imposto sindical, e continuam freando a força dos trabalhadores que, apesar disso, mostrou sua disposição no dia 14J. Enquanto negociam por uma “reforma desidratada” com Rodrigo Maia, as reformas neoliberais para empurrar a crise para as costas dos trabalhadores e da juventude seguem.

Cortes na saúde e na educação, precarização das condições de trabalho, com a reforma trabalhista aprovada em 2017, PEC do teto de gastos para sucatear os serviços público e a reforma da previdência são um conjunto de ataques neoliberais para fazer com que os bancos continuam lucrando bilhões e tenham garantido o pagamento da dívida pública. Não podemos separar os ataques políticos e econômicos, ou permitir que negociem nossos direitos: é preciso unificar trabalhadores e juventude, para colocar a força que já se mostrou nos dias 15M, 30M e 14J nas ruas, lutando por uma programa operário capaz de responder à crise capitalista que está colocada, atacando o lucro dos capitalistas, dizendo não à reforma da previdência e não ao pagamento da dívida pública.




Tópicos relacionados

Bancos   /    Reforma da Previdência   /    Política

Comentários

Comentar