Política

CARTA AO PARTIDO OBRERO E A ESQUERDA SOCIALISTA

Avancemos em direção a um partido unificado da esquerda, da classe trabalhadora e socialista

Carta da Direção Nacional do PTS para as direções do PO e da Esquerda Socialista; às organizações que reivindicam os trabalhadores e a esquerda socialista; aos lutadores da classe trabalhadora, do movimento estudantil e do movimento de mulheres; para avançar em debates e ações comuns em direção a um partido unificado.

segunda-feira 15 de outubro| Edição do dia

Avancemos nos debates e ações comuns para um partido unificado da esquerda, dos trabalhadores e socialista

Às direções do PO e da Esquerda Socialista, partidos com os quais integramos a FIT (Frente de Esquerda e dos Trabalhadores);

Às organizações que reivindicam da esquerda dos trabalhadores e a socialista;

Para os lutadores da classe trabalhadora, do movimento estudantil e do movimento de mulheres:

No ato que fizemos a partir do PTS no último dia 6 de outubro nos Argentinos Juniors, Nicolás Del Caño tornou pública nossa proposta de abrir a discussão para avançar na construção de um grande partido unificado de esquerda, das trabalhadoras e dos trabalhadores e socialista. Esta proposta baseia-se, em primeiro lugar, numa situação política que se torna mais convulsiva tanto a nível internacional como nacional. No dia seguinte de nosso ato, Jair Bolsonaro obteve 46% dos votos no primeiro turno das eleições presidenciais no Brasil, mostrando o progresso alcançado pela extrema direita no principal país sul-americano. Bolsonaro, que já anunciou um gabinete lotado de banqueiros, latifundiários e ex-generais em caso de vitória, prepara um verdadeiro plano de guerra contra os trabalhadores e todos os oprimidos, considerando fortalecer os laços do Brasil com o imperialismo yankee comandado hoje por Donald Trump . Seu triunfo significará um salto no golpe institucional que destituiu Dilma Rousseff. Será um governo com laços diretos com as forças armadas e de segurança, que terão em sua base um movimento com características fascistas que representa o perigo de ataques às organizações populares e de trabalhadores e às liberdades democráticas. Buscará impor profundas derrotas à classe trabalhadora e ao povo, como a privatização da Petrobras e a venda de petróleo a preços de barganha, e uma série de reformas reacionárias, embora agora as esconda para fazer demagogia antes da votação. Bolsonaro representa um salto perigoso, mesmo para os governos de direita atuais, como Macri ou Piñera, no Chile.

O avanço de Bolsonaro foi desenvolvido a partir do caminho aberto não apenas pela operação reacionária judicial-política-midiática conhecida como Lava Jato, que impulsionou o golpe institucional e a prisão e proscrição de Lula, mas também um produto da política implementada pelo PT. Depois de governar por anos com os capitalistas, assimilando seus métodos de corrupção e se vangloriando de garantir-lhes ganhos inacreditáveis, quis mostrar que ainda poderia servi-los, começando o segundo mandato de Dilma com a aplicação de ajustes contra os trabalhadores, e com isso acabou desmoralizando sua própria base social, abrindo caminho para o golpe que colocou Temer no governo para avançar mais rapidamente com os ataques.

Sua estratégia puramente eleitoral, de contenção da luta de classes, canalizar o descontentamento para o terreno dos votos, acabou sendo incapaz de oferecer qualquer resistência séria ao golpe institucional. Uma vez na oposição, sua política de responder ao ódio destilado pela operação judicial Lava Jato e pela corporação de mídia Globo com ilusões no judiciário e nas eleições acabou sendo completamente impotente para impedir o avanço da extrema direita. Dada a excepcionalidade das eleições brutalmente manipuladas, que favorecem o avanço do autoritarismo herdado da ditadura, que quer impor uma mudança reacionária do regime, acompanhamos o ódio e a vontade de lutar contra o Bolsonaro, com o objetivo de favorecer a tarefa central de todos os trabalhadores e jovens politicamente conscientes, que é ajudar a conduzir esse ódio ao único terreno em que podemos ter sucesso: a luta de classes para enfrentar o golpismo, todos os ataques reacionários e para que sejam os capitalistas que paguem pela crise.

Temos que enfrentar o Bolsonaro e o projeto que ele representa, não apenas no Brasil, mas também na Argentina. Todas as forças dos trabalhadores e da esquerda socialista têm a responsabilidade de nos colocar na primeira fila nesse combate. A real possibilidade de que um ex-militar fascista chegue à presidência do Brasil faz com que seja mais urgente a necessidade de dar passos em direção à unificação daqueles que se reivindicam da esquerda trabalhadora e socialista, já que as variantes de centro-esquerda demonstram sua impotência ao se adaptarem à mecanismos de regimes degradados. Eles são um beco sem saída para os trabalhadores e os pobres.

Em nosso país, um novo saque histórico contra o povo trabalhador está em pleno desenvolvimento. Macri e o FMI estão mergulhando o país em uma recessão brutal. A inflação liquefaz os salários, as taxas aumentam, crescem o desemprego e a pobreza, atacam a educação, a saúde, a aposentadoria. Tudo com o objetivo de liberar dólares para pagar a dívida pública fraudulenta, ilegítima e ilegal, enquanto com a desvalorização eles geram lucros extraordinários para os especuladores que saqueiam o país, para os latifundiários que envenenam nossas terras, para os exportadores e para todos que têm seus milhões de dólares em paraísos fiscais, como é o caso da maioria dos membros desse governo de empresários e administradores milionários.

Com o orçamento de 2019, eles pretendem aprofundar o ajuste sob o slogan "déficit zero", no estilo de Rúa e Cavallo, para esconder que o déficit global será histórico, em torno de 8% do PIB, mas estará destinado ao pagamento da dívida aos especuladores.

Mas, como temos denunciado desde a Frente de Esquerda, o governo de Macri não poderia levar adiante este saque sozinho, conta para isso com a cumplicidade dos governadores que aplicam os ajustes em suas províncias, de Urtubey em Salta a Alicia Kirchner em Santa Cruz, do PJ que lhe votou mais de 100 leis, e da burocracia sindical em todas as suas alas que vem protagonizando uma trégua escandalosa que combina com as greves dominicais impedindo que qualquer plano de luta séria e isolando os trabalhadores que saem para lutar. A liderança oficial da CGT, cada vez mais enfraquecida como expressa a ruptura do "triunvirato", faz um culto de obsequiosidade ao governo, enquanto a nova Frente Sindical de Moyano e companhia marcham para Luján para se colocarem sob a batina do papa. Com a mesma impotência que vem mostrando o PT no Brasil, os Kirchneristas falam contra o Macri na televisão, enquanto nos sindicatos entregam os direitos dos trabalhadores como nos telefonistas, garantem a paz social ao governo como no Metrô, ou traem a enorme luta da universidade por migalhas com milhares de professores e alunos mobilizados.

A partir do Peronismo, em suas diferentes alas, incluindo o Kirchnerismo, eles dizem que devemos esperar pelas eleições de 2019. Isto implica que nós deixemos passar o saque, e é a melhor ajuda que Macri pode receber para fazer seu plano acontecer. Mas a luta é agora. São eles ou nós. Fomos roubados na ditadura sob o terror genocida, depois em 1989-91 com hiperinflação e, em 2001-2002, com milhões na pobreza, a mega-desvalorização dos salários e o roubo de milhares de pequenos poupadores. No entanto, não estamos condenados a seguir o mesmo caminho, temos a força para enfrentá-los e derrotá-los. Todos concordamos que devemos impor à burocracia sindical um real plano de luta que comece com uma greve de mobilização ao lidar com o orçamento da miséria do FMI. Nós temos que derrotar o plano de Macri, o FMI e os governadores com uma verdadeira greve geral com milhões nas ruas.

Novas Forças

Um segundo aspecto no qual nossa proposta se baseia é a existência de novos setores que, como parte da resistência ao saque em andamento, estão lutando e fazendo sua experiência com o papel desempenhado pelo kirchnerismo.

É um fato que as forças para derrotar saques vêm de baixo. A enorme maré verde que inundou as ruas pelo direito ao aborto legal, seguro e gratuito que teve que enfrentar a igreja e um regime de partidos patronais e clericais. O movimento estudantil que atravessou todo o país e pôs em pé como ator no cenário nacional. Os trabalhadores que enfrentam o ajuste, como os do Estaleiro Rio Santiago, do Hospital Posadas, da Usina Hidrelétrica de Neuquén, os mineiros de Río Turbio, Télam, entre muitos outros.

Na luta pelo direito ao aborto, vimos como Cristina Kirchner chamou a "não se irritar com a Igreja", quando foi essa instituição reacionária que desempenhou um papel fundamental em tornar a votação negativa no Senado. Algo que não surpreende, considerando que CFK negou este direito durante seus anos de governo, bem como não tomou quaisquer medidas para a separação entre Igreja e Estado. Por sua vez estudantes e professores universitários sofreram a traição das direções peronistas e kirchneristas da FEDUN e da Conadu durante o conflito universitário, assinando um baixo reajuste docente enquanto o conflito estava em pleno ascenso e em desenvolvimento crescente da intervenção do movimento estudantil em todo o país. E, mais de conjunto, o bloco dos sindicatos alinhados com o kirchnerismo somente se disfarçava para ir orar a Luján… Em cada fato se vê o nefasto da estratégia de esperar por 2019, de um kirchnerismo que, diante da crise, não propõe nenhuma maneira de superar a dependência e o atraso, e que, quando estavam no governo, foram pagadores sérios da dívida e mantiveram a estrangeirização da economia, os serviços públicos nas mãos das privatizadas e a terra nas mãos dos produtores de soja.

Nossos pontos de apoio

Em terceiro lugar, a proposta que fazemos não surge do nada. Fizemos declarações deste tipo em ocasiões anteriores e temos como base a existência desde 2011 da Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, com seus programas e declarações programáticas.

A FIT desde a sua constituição tem desempenhado um papel altamente progressista. Apesar de nossas diferenças, junto com os camaradas do Partido dos Trabalhadores e da Esquerda Socialista, temos levantado uma alternativa de independência de classe, lutando contra todas as variantes patronais, baseada em um programa que culmina na luta por um governo dos trabalhadores de ruptura com o capitalismo, que é a única solução de fundo que pode terminar com o atraso e a decadência nacional.

Enquanto alguns setores da esquerda foram integrados ao Kirchnerismo e outros fizeram parte de variantes de centro-esquerda como a de Pino Solanas ou, na época, a de Luis Juez, a FIT fez o seu caminho enfrentando a partir de um programa anti-imperialista, anticapitalista e socialista a todos as variantes do sistema. Quando no mundo se puseram como moda partidos neo-reformistas como o Syriza na Grécia (que acabou aplicando o ajuste da troika contra seu próprio povo) ou Podemos na Espanha, que apenas pretendiam administrar o capitalismo, nossa coalizão política rejeitou essas falsas alternativas. Assim, fomos conseguindo um apoio crescente entre os trabalhadores, o movimento de mulheres e a juventude.

É por isso que a nossa proposta não é um partido comum de "reformadores e revolucionários" ou de "anticapitalistas" em geral, mas sim daqueles que compartilham a estratégia de construir um partido revolucionário da classe trabalhadora.

Por que, após sete anos de existência do FIT, não considerarmos uma unidade em escala maior, algo que excitaria milhares e milhares de companheiros e companheiras?

É uma necessidade objetiva quando os de cima declararam guerra contra nós e o avanço de Bolsonaro no Brasil é um duro aviso aos trabalhadores e ao povo argentino sobre as saídas às quais as classes dominantes apostam para impor seus planos. Temos que nos preparar para um cenário de maior luta de classes, em nível local e regional.

Precisamos somar dezenas de milhares à construção consciente da ferramenta política que nos permita vencer, um grande partido da esquerda classista. Porque não basta lutar e mobilizar para as reivindicações, seja dos trabalhadores, dos estudantes ou do movimento de mulheres. Devemos colocar a força militante para recuperar os sindicatos e derrotar em todas as nossas organizações a burocracia que é hostil à auto-organização, para implantar nas ruas a força de milhões e acabar com este sistema de exploração e opressão.

Por isso nossa convocatória para tomar esta tarefa em suas mãos, juntamente com a sua subida aos camaradas do PO e da IS com os quais integramos a FIT e a outras forças de esquerda que se reivindicam trabalhadoras e socialistas, é também aos milhares e milhares de trabalhadores e trabalhadoras que enfrentam os ajustes seriamente; às centenas de milhares que vêm apoiando a Frente de Esquerda; para os setores da esquerda do movimento de mulheres e jovens.

Porque acreditamos que é imperativo que tomemos medidas comuns para a construção de um grande partido de trabalhadores e trabalhadoras, anticapitalista e socialista, que esteja na vanguarda da luta contra os saques e que tenha como objetivo a conquista de um governo dos trabalhadores que acabe com a dominação imperialista e a exploração capitalista. Um partido internacionalista que luta consequentemente contra a interferência do imperialismo e, junto com nossos irmãos brasileiros, lute para derrotar os golpistas e a direita de Bolsonaro com os métodos da luta de classes e uma política independente do PT e assim evitar uma nova onda reacionário em nosso continente, e pela unidade socialista da América Latina.

É claro que há pontos em que nem todos pensamos da mesma forma e que muitas vezes entre as diferentes forças de esquerda temos diferentes práticas políticas e táticas. Faz parte do que temos que discutir. Mas por que não podemos discutir as diferenças existentes (nos marcos delimitados por um programa baseado na FIT, que todos defendemos) em uma organização comum, junto com milhares de novas companheiras e novos companheiros que se incorporem entusiasmados à militância pela perspectiva de um partido unificado dos trabalhadores e da esquerda socialista?

Começamos com importantes acordos expressos nos programas da FIT (veja aqui e aqui), bem como suas declarações que foram atualizadas (ver, por exemplo, aqui). Esses textos são uma base muito importante para a formação do programa claramente antiimperialista, anticapitalista e socialista que o partido que queremos construir deve ter. Nesse sentido, contribuiremos para a discussão do Programa de Projeto que preparamos na conferência de atualização do programa PTS que realizamos em meados deste ano.

Queremos um partido que rejeite acordos oportunistas com a centro-esquerda que quer manter esse sistema. Que conquiste força própria, verdadeira militância, no movimento operário e estudantil, e não pretenda substituí-lo por meio de acordos oportunistas com setores burocráticos. Um partido onde podemos discutir franca e fraternalmente nossas diferenças e alcançar uma disciplina comum em ação para acertar com um único punho na luta de classes.

Sabemos que não o conseguiremos de um dia para o outro, mas quanto mais formos os que nos propomos a levar adiante esta luta, mais próximos estaremos de estabelecer este partido unificado de esquerda e de trabalhadores, nas fábricas, nos estabelecimentos, nos bairros, colégios e faculdades para evitar que a luta de milhões acabe em uma nova frustração. Hoje mais do que nunca, precisamos de um partido que tenha força, com a estratégia e o programa para vencer.

Se concordarmos nesta perspectiva, não será muito difícil concordar com as medidas a serem tomadas para começar a materializá-la.

Como primeiros passos, quanto as forças que compõem a FIT (que, naturalmente, são as primeiras organizações às quais dirigimos este chamado), tivemos acordo na Mesa Redonda Nacional quanto a um plano de ação comum frente à crise, com agitação política, atos e mesas redondas em todo o país. Este plano deve começar impulsionando uma ação conjunta em 24 de outubro, com uma convocação da FIT promovendo uma greve ativa e uma mobilização massiva em rechaço ao Orçamento de 2019. Por sua vez, concordamos em preparar uma declaração com uma posição independente sobre o processo eleitoral brasileiro e uma mobilização internacionalista comum em direção à Embaixada do Brasil para o sábado, 20 de outubro (coincidindo com a mobilização #EleNao convocada no Brasil), onde faremos um ato.

Neste marco, queremos avançar na troca de ideias sobre a proposta que estamos expressando nesta carta, para a qual designamos Christian Castillo como coordenador por parte do PTS para todas as discussões que ocorrem.

Direcção Nacional do Partido Socialista dos Trabalhadores (PTS), na Frente de Esquerda e dos Trabalhadores (FIT)




Tópicos relacionados

PTS   /    Argentina   /    Bolsonaro   /    Mauricio Macri   /    Fundo Monetário Internacional - FMI   /    PTS na FIT   /    Política

Comentários

Comentar