Internacional

1° DE MAIO

Ato internacionalista: conheça aqueles que promovem a primeira linha de defesa dos trabalhadores

A pandemia mais uma vez mostrou os governos buscando salvar as empresas. Mas a classe trabalhadora não está resignada. Se organiza e mostra seu potencial de combate. No Dia Internacional dos Trabalhadores, conecte-se e conheça alguns dos que fazem essa luta.

quinta-feira 30 de abril| Edição do dia

Também vemos como os trabalhadores são a linha de frente contra o coronavírus, todos os dias arriscam suas vidas nas áreas da saúde, assim como todas e todos que precisam continuar trabalhando, mesmo sem serem de setores realmente essenciais.

Mas muitos trabalhadores não se resignam e saem para enfrentar as demissões, assim como a redução de salários e o corte das liberdades democráticas que os Estados aproveitam para seguir aprofundando. É outra linha de frente, que antecipa grandes lutas futuras.

No dia 1º de maio, conecte-se - a partir das 15:00 - e conheça alguns deles. No ato internacionalista (simultâneo), trabalhadores revolucionários como Tre Kwon, enfermeira do Hospital Mount Sinai, em Nova York - o epicentro da pandemia em Estados Unidos - que procura se organizar com seus colegas de vários hospitais, exigindo suprimentos para assim poderem cuidar da população. Tre também é editora do Left Voice.

Gäetan Grace. Ele é um delegado da CGT na indústria da aviação, que organizou com seus colegas uma greve na Airbus exigindo medidas de proteção para si e para os profissionais de saúde. Ele é membro da Revolutión Permanenete e do Novo Partido Anticapitalista da França.

Do Brasil, Marcello Pablito, trabalhador do restaurante da Universidade de São Paulo, dirigente do Movimento Revolucionário dos Trabalhadores (MRT), editor do Esquerda Diário, falará. Jovem lutador contra o racismo, um dos muitos produtos do capitalismo. É também um dos fundadores do Quilombo Vermelho.

No Chile, haverá Lester Calderón, um trabalhador de mineração. Lester é presidente da União No. 1 da fábrica de explosivos "Orica Chile" em Antofagasta e membro do Partido dos Trabalhadores Revolucionários daquele país irmão e parte do La Izquierda Diario Chile.

Do Estado espanhol, o país europeu que, juntamente com a Itália, registrou o maior número de mortes (em ambos os países foi onde a crise da saúde eclodiu pela primeira vez como resultado dos ajustes que - principalmente na última década - os governos estavam realizando), Santiago Lupe, editor responsável pelo La Izquierda Diario deste mesmo país, falará. Lá também, os trabalhadores saem para lutar e exigir medidas de proteção contra os patrões, para que não sejam eles que pagam com suas vidas o desejo de obter lucros dos capitalistas e com a falta de financiamento da saúde.

E de todos os países, milhares de pessoas conectadas, poderemos também ouvir Raúl Godoy, trabalhador da emblemática fábrica de Zanón, na província argentina de Neuquén, dirigente nacional do PTS e deputado provincial (mandato cumprido) da Frente de Unidade de Esquerda. Raúl, junto com seus colegas da fábrica, no meio dessa crise global, disponibiliza as instalações da fábrica - gerenciadas por seus trabalhadores - à comunidade. "Quando os empresários demitem, aqui está se falando sobre trabalho, sobre contenção", disse Raúl.

No dia 1º de maio, além desses, também haverão saudações do Uruguai, Venezuela, México, Costa Rica, Bolívia, Peru, Itália e Alemanha. Todos fazem parte da rede internacional La Izquierda Diario e são membros da Quarta Fração Trotskista Internacional.

Às 17:00, mantenha-se conectada e conectado ao ato da Unidade da Frente Esquerda, onde as referências dos partidos que a compõem vão falar, fechando com Nicolás del Caño.

Conecte-se, participe desses atos do Dia Internacional dos Trabalhadores.




Tópicos relacionados

1 de Maio   /    Primeiro de Maio   /    Internacional

Comentários

Comentar