Educação

CRISE NA EDUCAÇÃO

Ato de professores na frente da SEEDUC em repúdio à repressão policial a estudantes

quarta-feira 25 de maio de 2016| Edição do dia

Os profissionais da educação da rede estadual de ensino decidiram na manhã desta terça-feira por unanimidade manter a greve da categoria, que completa hoje 85 dias. No período da tarde, os professores e dezenas de estudantes das escolas ocupadas fizeram uma manifestação com maiS de 2000 pessoas, saindo da Avenida Presidente Vargas até a Secretaria estadual de Educação, no Santo Cristo.

Os profissionais da educação votaram realizar um ato em frente a SEEDUC para denunciar e repudiar as ações truculentas da brutal repressão da tropa de choque a mando de Wagner Victer e o governador Dorneles, desocupou a SEEDUC na madrugada da última sexta ferindo professores e estudantes, levando alguns ao desmaio com gás de pimenta.

No local os manifestantes pintaram as paredes da SEEDUC com tinta vermelha em repúdio à ação do choque na violenta repressão. A polícia militar reprimiu dispersando os manifestantes com spray de pimenta. O ato também queimou centenas de provas do SAERJ. Uma das pautas da greve e das ocupações é o fim do SAERJ exame meritocrático de avaliação do rendimento das escolas que se impõe acima das condições materiais de cada escola, mascarando os dados da educação.

A greve já é uma das mais longas, passando dos 90 dias, e históricas da categoria, marcada por mais de 70 ocupações que resistem as duras investidas do movimento desocupa incentivado pelas direções, metropolitanas e pelo SEEDUC.

Das pautas da greve e das ocupações, vários pontos como reajuste, reposição e calendário permanecem sem garantias de efetivação. A agenda de negociações SEPE/governo esta parada, e das ocupações se fragmentou junto com o comando, o que levou a fortalecimento dos ataques do governo pelo desocupa ou pela PM. A possibilidade do forçar o governo a acatar nossas reivindicações é intensificando e organizando o movimento de hoje (24/05), junto a outros como a UERJ, unificando a luta.





Tópicos relacionados

Educação   /    Rio de Janeiro

Comentários

Comentar