Internacional

Ativistas se mobilizam nas redes sociais para expor a cara de neonazistas e racistas

Ativistas se mobilizam nas redes sociais para identificar os neonazistas e expor as identidades dos supremacistas brancos identificados como participantes da marcha em Charlottesville, que detonou a maior onda de violência racial no governo Donald Trump. A ideia dos usuários é tirar do anonimato os intolerantes que marcharam levantando bandeiras de ódio a negros, LGBTs e imigrantes neste fim de semana na Virgínia.

segunda-feira 14 de agosto| Edição do dia

Um perfil no Twitter, nomeado de "Yes, You’re Racist" (Sim, Você é Racista), atua nas redes desde 2012 denunciando mensagens de intolerância — desta vez, mirou nos defensores da extrema-direita que tentavam esconder suas posições extremistas em meio à multidão.

Um dos homens que carregava uma tocha na manifestação, Cole White, perdeu seu emprego em um restaurante depois de ser flagrado e exposto nas redes sociais. Após internautas colocarem a foto dele e o identificarem no perfil do Twitter, o estabelecimento foi obrigado a pendurar uma placa à porta de entrada declarando condenar as visões supremacistas e nojentas do ex-funcionário.

Peter Cvjetanovic foi outro participante da marcha identificado pela rede social. Estudante universitário, ele afirma que viajou a Charlottesville para "transmitir a mensagem de que a cultura europeia tem o direito de existir, como qualquer outra" e que não esperava que sua foto fosse compartilhada nas redes sociais. "Entendo que a foto tenha uma conotação muito negativa", mostrando o quão covardes são os adeptos dessa ideologia, que sequer têm coragem de assumir até o final suas posições repugnantes e criminosas.

Em sua própria conta no Twitter, criada neste final de semana, Cvjetanovic se identifica como "nacionalista branco" e afirma estar disposto a limpar o seu nome. Para isso, precisaria parar de defender as posições xenófobas, racistas, lgbtfóbicas e supremacistas defendidas na marcha integrada por ele próprio.

Em uma das fotos que circula pelas redes sociais, Cvjetanovic aparece ao lado do senador republicano Dean Heller. Em sua conta no Twitter, Heller não quis relacionar sua imagem a posições chamadas de repugnantes até por Trump, então, disse não conhecer o jovem e condenou o "racismo, ódio e violência".

"Se você reconhece algum desses nazistas marchando em Charlottesville, me mande os perfis e os nomes e vamos fazê-los ficarem famosos", anunciou o perfil, que passou a compartilhar contribuições de outros usuários e destacar nomes e Facebook dos homens fotografados na marcha.

Conheça a página: https://twitter.com/yesyoureracist




Tópicos relacionados

Xenofobia   /    Donald Trump   /    Racismo EUA   /    Internacional

Comentários

Comentar