Política

CICLO DE DEBATES ANTICAPITALISMO E REVOLUÇÃO

Atividade anticapitalista e revolucionária na Fundação Santo André

Como parte do ciclo de debates “Anticapitalismo e Revolução”, na última sexta (04) reuniram-se dezenas de estudantes na Fundação Santo André junto a Christian Castillo, ex-deputado do PTS e da Frente de Esquerda da Argentina e Maíra Machado, candidata mais votada para vereadora da esquerda no ABC para debater a conjuntura nacional e internacional e refletir as saídas que estão colocadas para a crise capitalistas e a reorganização dos trabalhadores.

sábado 5 de novembro| Edição do dia

Maíra abriu o debate colocando que é a primeira vez em 34 anos que o PT não ganha nenhuma prefeitura no ABC, uma derrota vista em todo território nacional que marca a falência de um projeto de conciliação de classes propagado e levado a frente por esse partido. O PT que foi um bom motor para o enriquecimento de grandes capitalistas durante os anos de seu governo, ao tempo em que concedia melhoras nas condições de vida da população mais pobre durante os anos de crescimento econômico, abriu as portas para a direita que hoje governa o nosso país.

Com uma enorme adaptação aos mecanismos de corrupção próprios do gverno capitalista, o PT votou leis contra a população em nome de se manter no governo, mas frente ao avanço da crise econômica a burguesia precisava de um governo diretamente burguês e ajustador. Levou a frente o golpe institucional e tem votado uma série de medidas contra os nossos direitos e condições de vida, como a PEC 241 e a proposta de reforma trabalhista e sindical. Ao contrário do PT lutar contra o golpe, seguiu e segue se adaptando ao partido do judiciário que quer de todas as maneiras impedir que Lula seja candidato nas eleições de 2018.

Maíra colocou que existem muitos ataques, mas também resistência, como mostram as milhares de ocupações de escolas e universidades e também a expressiva votação na esquerda do Rio de Janeiro. Além disso, denunciou a burocracia sindical que segue sendo freio para o desenvolvimento das lutas dos trabalhadores contra o golpe e os ajustes, defendeu que é preciso superar essas direções e construir uma alternativa anticapitalista e socialista que se expressou com força em Santo André com a expressiva votação em sua candidatura, que teve 1496 votos e a colocou em 41º lugar entre 522 candidatos a vereador.

Christian Castillo, mostrou que a crise capitalista se desenvolve fortemente em todos os países, mas que chegou atrasada na América Latina que teve um ciclo de crescimento enquanto nos países centrais o desemprego batia recordes desde 2008 com a queda do Lehman Brothers. Christian expressou que hoje a Europa conta com centenas de campos de concentração para refugiados e imigrantes e que a crise na Grécia é tão brutal que em menos de 10 anos reduziu a expectativa de vida de 72 para 62 anos.

Além disso, Christian mostrou que frente a crise muitas alternativa neo reformistas se constituíram, como o Podemos na Espanha e o Syriza na Grécia, mas que as alternativas que buscam uma saída dentro dos marcos do capitalismo tem mostrado sua falência estratégica e sua utopia ao defender e propagandear que reformas podem ser feitas sem alterar a ordem, buscando acordos e saídas de conciliação. Ficou claro que as saídas reformistas são utópicas e que se trata hoje de buscar uma saída de fundo e revolucionária para a crise e os ataques aos trabalhadores mundialmente.

O ex-deputado da FIT, disse que o PT foi um reformismo sem reforma e que das mesma forma que em outros lugares do mundo sua estratégia está derrotada e a necessidade hoje é construir uma força militante que possa fazer como o PTS e a Frente de Esquerda fizeram na Argentina sendo um fator que tem peso na realidade, organizando cortes de rua contra as demissões e lutando para desmascarar o parlamento burguês, como aconteceu nessa última semana em que os deputados da esquerda conseguiram barrar o aumento dos salários dos políticos da Argentina.

Tanto Christian, quanto Maíra apresentaram o Esquerda Diário como uma importante ferramenta de luta e resgate da discussão leninista de um jornal como organizador coletivo. Christian colocou que o Esquerda Diário na Argentina está batendo 2 milhões de acessos e que é lido até mesmo por toda a direita do país que busca essa mídia independente como fonte de informações. Contou que o Kirshnerismo já chegou até mesmo a causar o Esquerda Diário como jornalismo de guerra contra sua política defendida por diversos meios de comunicação da burguesia. Maíra fez um chamado a todos que estavam presentes para serem colaboradores do Esquerda Diário que no Brasil já bate os 700 mil acessos mensais.

O professor Rago que ajudou a organizar a atividade fez uma fala final agradecendo a presença e dizendo que são grandes exemplos do PTS na Argentina e também a expressiva votação do MRT no ABC.




Comentários

Comentar