Internacional

PAQUISTÃO

Atentado perto de um colégio eleitoral no Paquistão deixa mais de 20 mortos

Nesta quarta-feira, 25, aconteceu o primeiro ataque nesse dia de eleições no Paquistão, deixando pelo menos 31 mortos e 20 feridos.

quarta-feira 25 de julho| Edição do dia

Nesta quarta-feira, 25, aconteceu o primeiro ataque nesse dia de eleições no Paquistão, deixando pelo menos 31 mortos e 20 feridos. O atentado aconteceu perto de um colégio eleitoral na cidade de Quetta enquanto uma caminhonete da polícia passava.

Um porta-voz da polícia de Quetta, Muhammed Ramzan, afirmou que um homem bomba detonou explosivos enquanto a caminhonete passava e que dentre os mortos há eleitores e possivelmente três policiais. No Paquistão estão sendo realizadas as eleições gerais repleta de dúvidas sobre sua legitimidade, devido a acusações de interferência do exército e da volta de grandes atentados.

Os candidatos favoritos, segundo as pesquisas até o momento, são Shahbaz Sharif, líder da Liga Muçulmana do Paquistão (LMP-N), e o ex-jogador de críquete Imran Khan, do Pakistan Tehreek-e-Insaf (PTI), que condenaram o atentado. O terceiro melhor cotado nas pesquisas é Bilawal Bhutto, à frente do Partido Popular do Paquistão (PPP) e filho da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, e pode exercer um papel decisivo para formar um governo de coalizão.

Desde que o país foi fundado, em 1947, ele foi governado por ditaduras militares em metade dos seus 71 anos. As eleições gerais que vão ocorrer será a segunda na história do país na qual um governo completa um mandato. Desde o início da manhã, 105 mil paquistaneses estão indo depositar seus votos em 85 mil colégios eleitorais que estão habilitados. Grupos de direitos humanos, meios de comunicações e partidos políticos, no entanto, fizeram acusações de manipulação por parte dos “poderes estabelecidos”, ou seja, por parte dos militares.

Além disso, os partidos estão fazendo diversas denúncias entre si e das eleições. A ONG Comissão de Direitos Humanos do Paquistão (HRCP) apoiou a denúncia de dois partidos e questionou a legitimidade da eleição “mais suja” que já houve no país. A HRCP também questionou a liberdade de expressão durante o processo, especialmente com a imprensa. A emissora de televisão “GEO” ficou fora do ar por um mês sem nenhuma explicação, e o jornal “Dawn”, que publicou uma entrevista com Sharif em maio, está tendo problemas com a distribuição desde então.

O exército afirma que não está interferindo em nada e que sua única função é "garantir a segurança da votação". Em meio a isso, os atentados que pareciam ter diminuído nos últimos anos se fazem presentes, como aconteceu no dia 13 de abril em um comício na região de Matsung, deixando 149 pessoas mortas.




Tópicos relacionados

atentado   /    Oriente Médio   /    Internacional

Comentários

Comentar