Educação

Ataques aos professores Rede Privada - SP

A atual convenção coletiva para professores da educação Básica na rede particular, teve seu prazo encerrado no dia 28 de fevereiro, e corre grandes riscos diante da pauta patronal que o SIEEESP quer implementar a partir do final de Março.

segunda-feira 12 de março| Edição do dia

Os grandes ataques a classe trabalhadora seguem a todo curso, os professores da rede pública enfrentam um grande desmonte por parte do atual governador Alckmin, que demitiu milhares de docentes, e fechou 1500 salas de aula no estado, e ainda segue sem pagar os direitos dos professores que foram demitidos no final do ano passado.

Na rede privada, o SIEEESP fez uma proposta descabida aos sindicatos e aos profissionais que atuam nas escolas particulares, sua pauta tem como plano de fundo a reforma trabalhista que foi aprovada ano passado, e sugere para 2018 as seguintes mudanças:
Banco de horas e Compensação de Feriados; Parcelamento das férias; Retirada da garantia semestral; Diminuição do Recesso em 20 dias; PLR; Retirada do Pedido de Demissão no final do Ano Letivo; Retirada de Janelas; Retirar Acordo Coletivo; Retirada de Adicional para atividades em outros municípios; Retirada da complementação de Benefício Previdenciário; Indenização para professores com mais de 50 anos; Multa por Homologação; Jornada do Professor mensalista; Duração da Hora aula e Irredutibilidade salarial, ou seja a patronal que aplicar todos os acordos firmados na reforma trabalhista aos professores das redes particulares.

Os trabalhadores conseguiram a garantia da convenção coletiva até o final do mês de Março, mas o sindicato patronal desta vez não está a fim de negociações e não compareceu a última assembleia para discutir a pauta.

Não podemos aceitar que a patronal decida o que será dos professores e auxiliares que atuam na rede privada, por esse motivo, precisamos desde já que os sindicatos organizem uma só luta com toda categoria, apoiando as greves da rede municipal de SP, denunciando os absurdos do governo de Alckmin na educação, e mobilizando toda a classe para que esses grandes ataques sejam barrados.




Tópicos relacionados

Reforma Trabalhista   /    Educação

Comentários

Comentar