Internacional

Crise Política no Peru

Assume o novo gabinete de ajustes no Peru

Profissionais que fizeram parte de governos anteriores se destacam no novo Conselho de Ministros do governo peruano, o que sugere que as medidas de ajuste contra os trabalhadores vão continuar.

quinta-feira 19 de novembro| Edição do dia

Em meio à crise política, econômica e social no Peru, o novo Conselho de Ministros será presidido pela advogada constitucional Violeta Bermúdez. Lembremos que ela fez parte do governo de Alejandro Toledo como Vice-Ministra da Mulher em 2002 e como Chefe do Gabinete de Assessoria da Presidência do Conselho de Ministros em 2003.

Uma importante pasta ministerial é a da Economia, que será dirigida por Waldo Mendoza Bellido, que no governo de Toledo foi Vice-Ministro da Fazenda (2005-2006) e Diretor de Assuntos Econômicos e Sociais (2002-2005). Mendoza é um reconhecido defensor das ideias neoliberais e da atual Constituição de 1993, sobre este assunto, há algum tempo disse: “há problemas muito mais importantes do que perder tempo mudando algo que funciona muito bem e que contribuiu decisivamente para o crescimento econômico do país, como é o capítulo econômico da Constituição de 1993”. Com Waldo Mendoza neste Ministério, os grandes empresários passam a ter um bispo que zela pelo bem-estar de seus negócios.

Pilar Mazzetti está no Ministério da Saúde. Mazzetti já era Ministro de Martin Vizcarra neste mesmo Ministério durante a pandemia e a crise de saúde causada pela propagação do COVID-19. A sua gestão foi marcada por vários questionamentos por parte dos trabalhadores deste setor, que foram severamente atingidos pela falta de materiais básicos de proteção e para o combate ao vírus, infraestrutura e precariedade laboral, que custaram muitas infecções e mortes por COVID-19 entre os profissionais de saúde. Além disso, a atual Ministra da Saúde foi também Ministra dos governos de Alejandro Toledo e do segundo governo de Alan Garcia, de cujos cargos ela saiu por questões relacionadas à má gestão econômica.

No Ministério da Educação foi nomeado o psicólogo social e doutor em educação Ricardo Cuenca Pareja, que é o principal pesquisador do Instituto de Estudos do Peru (IEP), que nos últimos anos tem contribuído com profissionais de diferentes ramos para os governos da época que dirigiram o estado capitalista. O IEP se caracteriza por abrigar um grupo de intelectuais que buscam dar ao capitalismo e ao neoliberalismo uma face social ou humana. Nesse entendimento, Cuenca Pareja é um dos defensores da atual Lei Universitária e da Superintendência Nacional de Ensino Superior Universitário (SUNEDU), portanto, os proprietários dos grandes consórcios de ensino superior universitário terão nele um aliado estratégico.

Silvia Loli Espinoza foi indicada para o Ministério da Mulher e Populações Vulneráveis, que, durante o governo de Ollanta Humala, atuou como diretora geral da área contra a violência de gênero e sua gestão não ajudou muito a superar a violência sofrida pelas mulheres a cada dia, por isso, aumentavam os números de maus-tratos e feminicídios.

A seguir reproduzimos a lista completa dos novos ministros do primeiro gabinete de Francisco Sagasti:

Premier: Violeta Bermúdez
Ministério da Economia: Waldo Mendoza Bellido
Ministério da Saúde: Pilar Mazzetti Soler
Ministério da Educação: Ricardo Cuenca Pareja
Ministério das Relações Exteriores: Esther Astete Rodríguez
Ministério da Defesa: Nuria Esparch Fernández
Ministério da Moradia, Construção e Saneamento: Solangel Fernández Huanqui
Ministério do Desenvolvimento e Inclusão Social: Silvana Vargas Winstanley
Ministério da Cultura: Alejandro Neyra Sánchez
Ministério do Meio Ambiente: Gabriel Quijandría Acosta
Ministério da Mulher e Populações Vulneráveis: Silvia Loli Espinoza
Ministério de Transportes e Comunicações: Eduardo González Chávez
Ministério do Comércio Exterior e do Turismo: Claudia Cornejo Mohme
Ministério da Produção: José Luis Chicoma Lúcar
Ministério do Trabalho e Promoção do Emprego: Javier Palacios Gallegos
Ministério da Agricultura e Irrigação: Federico Tenorio Calderón
Ministério da Justiça: Eduardo Vega Luna
Ministério do Interior: Ismael Rubén Vargas Céspedes

Leia também: Francisco Sagasti não nos representa. Por uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana!




Tópicos relacionados

Crise política no Peru   /    Francisco Sagasti   /    Internacional

Comentários

Comentar