Sociedade

PELO FIM DA POLÍCIA

Associação de Policiais nojenta faz café da manhã apoiando PM que agrediu estudante no 28A

Mesmo depois de ter sido afastado do policiamento ostensivo por deixar um estudante da Universidade Federal de Goiás hospitalizado, o policial militar Augusto Sampaio de Oliveira recebeu um café da manhã em apoio ao seu feito da Associação dos Oficiais da Polícia e do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás, na manhã desta quinta (4).

Cássia Silva

estudante de Ciências Sociais na Unicamp e militante da Faísca

sexta-feira 5 de maio| Edição do dia

FOTO: Folha de São Paulo

Durante um confronto nas manifestações do dia 28 de Abril de Greve Geral no país, o estudante Mateus Ferreira da Silva levou um golpe de cassetete tão forte que quebrou no seu rosto por parte de um capitão da PM e foi internado com traumatismo craniano no Hospital de Urgências de Goiânia.

O presidente da Associação, tenente-coronel Alessandri da Rocha Almeida, diz que o café da manhã foi organizado porque “o capitão Sampaio está sendo execrado pela imprensa, entidades de direitos humanos, nas redes sociais, sem que as pessoas saibam a realidade sobre o que aconteceu”, como pode ser visto em matéria da Folha de São Paulo. Além disso, ainda tem a pachorra de afirmar que o policial estava cumprindo sua função.

Como já escancarado aqui, quem possui a ficha suja por crimes por agressão é o capitão de polícia, passando ileso por 4 acusações. E mesmo ainda depois do absurdo de ter aplicado o uso extremo da força sob o estudante, que estava lutando pelos seus direitos em composição à Greve Geral do 28A, recebe um café da manhã em apoio por ter estourado o rosto de um lutador.

Isso só confirma o que defendemos contra a polícia e sua truculência, seja nos morros das favelas, seja no cotidiano da juventude estudante e trabalhadora precarizada, mas também contra a forte repressão aos atos de insatisfação em relação à conjuntura política que nos encontramos atualmente, de Reforma do Ensino Médio, Trabalhista e Previdenciária, além do PL da Terceirização.

Não é uma surpresa, mas, sim, asquerosa, a imposição à juventude e à classe trabalhadora da precarização da vida com os ataques de Temer, assim como temos que enfrentar a polícia no cotidiano e nas manifestações e ainda engolir associação de polícia reiterando a agressão que deixou um estudante em caso grave no Hospital de Goiás. Não podemos aceitar que, nem a polícia de Perillo (governador e comandante máximo da PM de Goiás do PSDB), nem qualquer polícia ameace nossas vidas.

Assim como devemos nos organizar em comitês de base e preparar uma Greve Geral mais massiva até derrubar as reformas de Temer, devemos também lutar pelo fim da polícia, que feriu gravemente Mateus, que prendeu Rafael Braga duas vezes, assassina e injusta, e que não tem vergonha de seu caráter repressor.




Tópicos relacionados

#28A   /    PM   /    Repressão   /    Sociedade

Comentários

Comentar