Gênero e sexualidade

Machismo

Assim como Moranguinho, ex de Naldo também sofria agressões

Branka Silva, ex-esposa do cantor Naldo Benny, em entrevista à apresentadora Luciana Gimenez do programa SUPERPOP da RedeTV, afirmou que, assim como Ellen Cardoso – conhecida como “Moranguinho”, - também sofreu agressões enquanto casada com o funkeiro.

quarta-feira 13 de dezembro de 2017| Edição do dia

Branka, que foi casada com o cantor durante 15 anos, contou que as agressões ocorriam quando Naldo sentia ciúmes e ocorreram inclusive na frente do filho, Pablo Jorge. "É como eu te falei, é uma coisa que cresce, aprisiona", respondeu Branka, antes de dizer que o filho deles, hoje adolescente, presenciou algumas agressões. "Você acaba fazendo tudo o que ele quer (...) Só o fato de ele não agredir estava bom pra mim.", apontou a ex-esposa do cantor.

"Quando o Pablo fez 5 anos de idade, eu fui estudar", disse ela, contando que os amigos na escola se afastavam dela quando Naldo chegava para buscá-la. "Ele é doente e torna quem está com ele doente. E você fica com medo, você não quer apanhar. Porque não é normal uma pessoa apanhar, perdoar e amanhã estar com ele. A pessoa que sofre esses abusos também é doente porque ela está presa dentro desse mundo. Eu acredito que ela (Moranguinho) estava pensando na filha, na família", destacou.

A ex-mulher de Naldo foi chamada ao programa cerca de uma semana depois de a ex-modelo Ellen Cardoso denunciar o cantor na polícia por agressão. No dia 3 de novembro, Ellen foi à Deam (Delegacia de Atendimento à mulher) prestar queixa contra ele e, na ocasião, disse também que Naldo guardava uma pistola em casa. No dia 5, a polícia prendeu o artista por posse ilegal de arma. Ele foi liberado no mesmo dia, sob fiança.

Segundo Ellen, durante uma briga, Naldo a agrediu com socos, chutes e puxões de cabelo. A ex-dançarina disse que as agressões do cantor já acontecem há sete anos, desde antes do casamento, e assim como contou Branka seriam motivadas por ciúmes.

Após a denúncia, “Moranguinho” viajou para São Paulo com a filha do casal, de 2 anos. Ela está recebendo o apoio do filho mais velho e de outros familiares e não pensa em aceitar o perdão do cantor nem muito menos reatar o casamento.

A Justiça determinou que o artista fique afastado da mulher, de seus familiares e das testemunhas do caso, numa distância mínima de 100 metros. Naldo também foi proibido de ter qualquer contato com Ellen por quaisquer meios de comunicação, inclusive pela internet.

Este é mais um caso que revela a brutalidade do machismo na sociedade, que se por um lado toma os noticiários em casos extremos, por outro lado é reafirmado e perpetuado, uma vez sirva aos intentos da classe dominante, de subjugar as mulheres mantendo-as em situação de super-exploração. Mesmo em um caso de pessoas famosas como o de Naldo, inicialmente o cantor foi preso não pela violência a Ellen, mas por porte ilegal de armas, e solto após pagar fiança. Em um contexto pós aprovação da Reforma Trabalhista, em que as mulheres trabalhadoras sofrem com elevação da exploração no trabalho, ainda lidam com todo tipo de violência machista cotidiana sem conseguir contar com respaldo da justiça. É necessário erguer uma grande luta contra a violência de gênero, e que seja também contra os grandes capitalistas que lucram com a manutenção do machismo.




Tópicos relacionados

Machismo   /    Gênero e sexualidade

Comentários

Comentar