Educação

PROFESSORES RIO GRANDE DO SUL

Assembleia em Caxias do Sul aprova exigência de plano emergencial para pagamento de salários

Além de serem unânimes pela continuidade da greve, os professores do 1º Núcleo do CPERS aprovaram em assembleia nesta quinta (28) a exigência de um plano de emergência para o pagamento dos salários. A política se enfrenta diretamente com Sartori e os capitalistas, que querem fazer a classe trabalhadora pagar pela crise.

quinta-feira 28 de setembro| Edição do dia

Com cerca de 50 trabalhadores em educação reunidos em área coberta na escola Presidente Vargas, assembleia do 1° núcleo do CPERS, Caxias e região, aprovou greve por unanimidade.

Como encaminhamento para o Conselho Geral os professores aprovaram também exigir um plano de emergência para o pagamento dos servidores do estado taxando as grandes fortunas, confiscando os bens dos grandes sonegadores e suspendendo todas as isenções fiscais. Os professores e funcionários do 1° núcleo compreenderam que essa exigência se faz necessária para que o estado saia da crise fazendo os grandes empresários, banqueiros e políticos paguem pela crise que criaram.

Essa exigência, no entanto, precisa de toda a unidade dos servidores contra o pacote de privatizações. Nossa greve tem que avançar com mais peso nas ruas, pressionando as centrais a chamarem uma grande greve geral que paralise o RS demonstrando assim mais força e unidade para barrar os ataques.

Veja mais: A unidade necessária para derrotar Sartori e Marchezan

Após a assembleia os professores foram ao Hemocentro de Caxias do Sul demonstrar solidariedade e muitos doaram sangue numa campanha criada desde os professores do Cristóvão de Mendoza com o título: Sartori quer o nosso sangue, mas nós vamos doar para quem precisa!




Tópicos relacionados

Sartori   /    Porto Alegre   /    Caxias do Sul   /    Educação

Comentários

Comentar