INTERNACIONAL

As sanções contra o Irã e a política de aperto de Trump

Desde o primeiro minuto de 7 de Agosto, entrou em vigor um decreto do presidente Donald Trump restabelecendo sanções econômicas contra o Irã, que os Estados Unidos tinham suspendido durante o governo de Obama, depois de assinar o acordo nuclear multilateral entre o regime dos aiatolás no 2015 e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas (Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e China) mais a Alemanha, conhecido como P5 + 1.

Claudia Cinatti

Buenos Aires | @ClaudiaCinatti

quinta-feira 9 de agosto| Edição do dia

Sanções econômicas não configuram uma estratégia

O restabelecimento de sanções é a consequência direta da retirada dos EUA do acordo em maio do ano passado, não por violação das obrigações assumidas pelo Irã, mas porque Trump considera o acordo como prejudiciais aos interesses americanos.

O raciocínio por trás desse primeiro aperto é o conjunto subjacente da política internacional e comércio irregular da atual administração: que Obama, percebendo a crise de liderança americana, agiu sob uma lógica de "mal menor", o que debilitou a posição dos Estados Unidos frente a seus aliados, sócios e inimigos.

Como em outras áreas da política interna e externa, o establishment americano está dividido. Um setor não negligenciável de inteligência militar e o Partido Democrata se opõem à política de Trump em relação ao Irã porque acreditam que os Estados Unidos devem concentrar seus recursos militares, diplomáticos e econômicos em conter a Rússia e se preparar para um futuro conflito com a China. Seria suficiente para manter a teocracia iraniana na baía tentando influenciar o resultado da guerra civil na Síria, arquivando o máximo possível a influência do Irã.

Nesta primeira rodada de sanções, o alvo da punição são alguns setores da economia persa, como a aviação, a indústria automotiva e de autopeças, a operação em dólares, as exportações de pistache e tapetes e a compra de ouro e outros metais. Em 5 de novembro, um dia antes das eleições de meio mandato nos Estados Unidos, a administração Trump reestabelecer as sanções que apontam diretamente para o comércio exterior, particularmente ao Banco Central e ao petróleo iraniano para minimizar as exportações de petróleo e gás, que são a principal fonte de renda para a economia persa.

As sanções econômicas são usadas regularmente pelas potências imperialistas - de forma múltipla ou unilateral - como uma arma de pressão com vários graus de intensidade para disciplinar e, eventualmente, submeter regimes indisciplinados. Esse é o caso do Irã, Cuba, Coréia do Norte e até da Rússia de Putin. Ou seja, sem dúvida eles são um instrumento político, mas em si não formam uma estratégia

O que Trump espera obter deste tipo de estrangulamento parcelado do regime que hoje governa a República Islâmica do Irã?

Embora possa parecer, a resposta não é óbvia. E, no mínimo, envolve três dimensões: uma regional, que faz a política dos EUA no Oriente Médio; uma internacional, que torna o relacionamento tenso entre os Estados Unidos e a União Européia e a China (e, em menor grau, a Rússia); e uma interna, que faz eleições de meio mandato, que poderiam ser vitais para a administração

Política dos EUA no Oriente Médio: renegociar em outros termos

Vamos começar no nível regional. É evidente que o interregno no qual o acordo nuclear foi baseado foi apenas uma pausa no contexto de uma relação de assédio dos Estados Unidos contra o Irã desde a revolução de 1979. Essa pausa terminou. No entanto, as sanções não são necessariamente o prelúdio de uma ação militar punitiva contra o Irã, como esperado, por exemplo, por seu amigo, o Netanyahu de extrema-direita, embora a partir de agora não possa ser descartado completamente que a situação se agrave.

O objetivo de Trump parece ser renegociar um acordo mais difícil porque ele afirma que Obama era generoso demais e estava contente apenas com um objetivo menor que era assentar o regime teocrático na mesa de negociações. O presidente americano suspeita que, se pressionar até o ponto de asfixia, poderá extrair mais concessões de um regime sobrecarregado pela situação econômica crítica que está apresentando sua base de legitimidade e alimentando os protestos esporádicos de praticamente todos os setores sociais, que se sucedem desde dezembro passado.

É o que afirma o Secretário de Estado Mike Pompeo e o Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, os falcões anti-Irã que ocupam posições-chave no estreito círculo do poder imperialista, quando insistem em acusar o Irã de promover terrorismo internacional e desenvolver todos os tipos de "más atividades" (sic) no Líbano, na Síria e no Iêmen e, até certo ponto, no Iraque.

As exigências de Trump para que o regime iraniano não seja isolado e readmitido na "economia global" são exorbitantes para um Estado soberano. Apela não apenas para a destruição do programa nuclear, mesmo para uso civil, mas também para que ele abandone o desenvolvimento de mísseis e mude sua política externa. Em síntese, a política agressiva de Trump busca, pelo menos, liquidar as aspirações do regime teocrático de transformar o Irã em uma hegemonia regional, reforçada pela derrubada de Hussein no Iraque e pelo desenvolvimento da guerra civil na Síria. E se tudo correr bem do ponto de vista imperialista, reestabelecer o lugar do peão de Washington que tinha o Irã sob o Shah, antes da revolução de 1979, para a celebração de Israel e da Arábia Saudita.

Um desprezo à União Europeia e as consequências sobre a China e a Índia

No nível geopolítico, as sanções fazem parte da política agressiva de Trump, que busca reafirmar a primazia de Washington sobre aliados e inimigos. A retirada unilateral dos Estados Unidos do acordo nuclear com o Irã foi uma afronta à União Européia que continua apoiando o acordo. Não se trata apenas de revelar a irrelevância geopolítica do bloco europeu, mas, acima de tudo, dos negócios.
A União Europeia respondeu plenamente às sanções dos EUA com uma declaração conjunta dos 28 membros, reiterando a sua vontade de proteger os interesses das grandes empresas europeias que têm negócios com o Irã. O comércio europeu com o Irã foi de cerca de 23.000 milhões de dólares e 75% com o setor de energia. Bruxelas reativou o status de bloqueio, um regulamento que sanciona empresas que cumprem as sanções dos Estados Unidos desde 1996, quando o embargo dos EUA contra Cuba, Líbia e Irã endureceu.

Mas os funcionários da Casa Branca já descartaram essa ameaça de seus parceiros ocidentais. E, de fato, o status do bloqueio é muito difícil de aplicar, primeiro porque deve provar que a empresa está cumprindo o bloqueio de Washington; e segundo, e mais importante, porque a Comissão Europeia não tem o poder de impor sanções, o que corresponderia a cada estado membro. Por outro lado, ninguém imagina que a Comissão Européia persiga a Total, a Siemens ou a Daimler por não manter seus investimentos no Irã.

E como Trump disse, a escolha para a UE é entre o acesso ao mercado dos EUA (e ao mercado financeiro global dominado pelos Estados Unidos) ou continuar fazendo negócios com o Irã, a resposta é óbvia. Os Estados Unidos e a UE estão em um modo de colisão, como visto na turbulenta cúpula da OTAN no mês passado e na guerra comercial agora atenuada que Trump lançou.

As sanções contra Teherán afetam indiretamente a China e a Índia, ambas com relações econômicas significativas com o Irã. Para a burocracia de Pequim, este é mais um episódio que se soma à guerra comercial e às tensões militares geradas pela disputa com os Estados Unidos através de seus aliados pelo controle do Mar da China Meridional.

A Índia é um dos principais compradores de petróleo iraniano e investiu milhões no porto de Chabahar, razão pela qual a demanda americana aumentou a tensão para uma relação já tensa com o governo nacionalista de Modi. Por último, a Rússia também se pronunciou contra as sanções, embora vários analistas especulem que em Helsinque Putin concordou com Trump em empurrar as milícias iranianas a vários quilômetros de Israel para a Síria.


A política interna antes das eleições

Finalmente, a frente interna. O repúdio do acordo com o Irã - que ele chamou de "o pior acordo na história dos Estados Unidos" - foi uma das promessas cumpridas da campanha de Trump. Como a guerra comercial com a China ou a UE, e outras iniciativas, elas são reconvertidas em política interna para o consumo da base eleitoral do presidente a poucos meses das eleições de meio mandato. A situação interna é uma icógnita. Trump espera que o bom momento que a economia está passando funcionará para o seu triunfo. Ao mesmo tempo, segue avançando por um caminho paralelo Robert Mueller, o promotor especial da Russiagate, que está tentando provar a interferência da Rússia nas eleições presidenciais de 2016 e a cumplicidade do presidente e que já tem meia dúzia de arrependidos.

Não por coincidência, se compara a guerra sem quartel entre Trump e a chamada "comunidade de inteligência" (FBI, CIA) com a crise de Watergate que terminou com a presidência de Nixon. Agora resta saber não quanto tempo durará a melhoria da economia, mas se conseguirá pelo menos amortecer as divisões no aparato estatal e a polarização social e política em novembro.




Tópicos relacionados

Donald Trump   /    Irã   /    Estados Unidos

Comentários

Comentar