Internacional

As eleições bolivianas foram um retrocesso para Trump, Bolsonaro e Elon Musk

Há um ano, o presidente Evo Morales, da Bolívia, foi derrubado por um golpe de direita. Mas, no domingo, seu partido obteve maioria absoluta nas eleições nacionais. A ofensiva da direita na América Latina está chegando ao seu limite.

quarta-feira 21 de outubro| Edição do dia

No domingo, o Movimento pelo Socialismo (MAS), partido do ex-presidente Evo Morales, ganhou o primeiro turno das eleições presidenciais na Bolívia. Com 52,4 % ds votos, de acordo com os resultados iniciais, o candidato do MAS, Luis Arce, não terá que passar para o segundo turno. Ele derrotou facilmente o candidato moderado da direita, o ex-presidente Carlos Mesa, com 31,5%, e a direita fascista de Luis Fernando Camacho, com 14,1%.

O MAS obteve resultado melhor do que nas eleições de 20 de outubro de 2019, que marcaram o início do golpe de direita . Há um ano, 47% dos bolivianos votaram em Morales, mas os oponentes do MAS acusaram o governo de fraude. A Organização dos Estados Americanos (OEA) se referiu a uma “manipulação clara”, mas até agora, nenhuma fraude foi comprovada.

A direita boliviana começou a se mobilizar, com o apoio de Donald Trump nos Estados Unidos e Jair Bolsonaro no Brasil. Após várias semanas de tensão crescente, o exército boliviano “sugeriu” a renúncia de Morales, e ele foi forçado a fugir do país em 10 de novembro.

Em pouco tempo, os conspiradores do golpe instalaram uma política secundária direitista: Jeanine Añez, do Movimento Social Democrata, como "presidente interina". Fundamentalistas cristãos declararam que a bíblia havia voltado ao palácio presidencial em La Paz, enquanto os policiais arrancavam a wiphala, a bandeira indígena, de seus uniformes.

A resistência ao golpe surgiu em todo o país. A polícia e as forças do exército cometeram um massacre durante um bloqueio na planta de gás de Senkata, em El Alto, em 19 de novembro, matando 11. Outros 11 foram mortos em um protesto de cocaleiros em Sacaba, Cochabamba, em 15 de novembro.

Democracia ao estilo imperialista

Washington saudou o golpe como um triunfo da "democracia"; entretanto, o candidato que obteve 47% dos votos estava no exílio, enquanto um político que obtivera apenas 4% dos votos era agora o chefe do governo. Uma galeria de políticos desonestos dos EUA celebrou o golpe, incluindo Ted Cruz, Marco Rubio, John Bolton e, claro, Donald Trump .

Mas não foi apenas a direita nos Estados Unidos. Como Shawn Gude aponta em Jacobin (em inglês), as publicações liberais nos Estados Unidos também celebraram o golpe: The Atlantic se referiu a uma "vitória inspiradora do povo boliviano", enquanto o New York Times apresentou como um mal necessário. O único político importante dos EUA que tratou o golpe como tal, na verdade, foi Bernie Sanders . (Esta foi uma mudança bem-vinda em relação ao apoio de Sanders à ofensiva imperialista da administração Trump contra a Venezuela .)

Há um consenso bipartidário impressionante nos EUA sobre a América Latina: liberais e conservadores tratam o continente como seu “quintal”. Grande parte do establishment da política externa dos EUA está alinhando-se com Biden porque os democratas defendem as mesmas políticas imperialistas - mas são mais “diplomáticos” e, portanto, mais eficazes. O ridículo conselheiro de segurança nacional de Trump, John Bolton, fez um trabalho quase comicamente terrível ao tentar fomentar uma rebelião armada na Venezuela. Comparável com a equipe Obama / Clinton, que organizou com sucesso golpes contra o governo progressista em Honduras em 2009 e no Paraguai em 2012. Em certo sentido, a incompetência de Trump o torna o imperialista menos perigoso.

A base para esse consenso foi deixada clara pelo bilionário Elon Musk, que precisa de acesso às reservas de lítio da Bolívia para construir carros supostamente “verdes”. Musk tuitou: “Vamos golpear quem quisermos”. - um caso de um capitalista dizendo o que não está explícito em voz alta. “Nós”, neste caso, refere-se a ambos os partidos da classe capitalista americana.

Uma derrota para a direita

Como André Barbieri argumenta nessa nota, os resultados das eleições representam um “fracasso humilhante” não apenas para a direita na Bolívia, mas para as forças de direita em toda a região. Jair Bolsonaro e o alto escalão militar brasileiro fizeram o possível para instalar um governo fundamentalista cristão, racista e pró-imperialista no país vizinho.

As coisas também estão ruins para a direita na Colômbia, onde o governo de Ivan Duque foi confrontado por gigantescos protestos de jovens contra a violência policial . E o dia da votação na Bolívia, 18 de outubro, marcou o aniversário de um ano das revoltas contra o governo do bilionário Sebastián Piñera no Chile, com os manifestantes voltando em massa às ruas . Tudo isso, combinado com as perspectivas sombrias de Donald Trump nas eleições de 3 de novembro, sinaliza os limites da ofensiva da direita na região.

Mas o que se pode esperar de uma nova administração de Arce e do MAS? Morales chegou ao poder em 2006 como o primeiro presidente indígena da Bolívia. Sua eleição foi um resultado tardio das mobilizações revolucionárias contra as privatizações no início dos anos 2000. As políticas neoliberais empobreceram as massas (principalmente indígenas) da Bolívia a serviço de uma elite (principalmente branca). O governo de Morales conseguiu reduzir significativamente a pobreza no país andino, já que o boom das commodities encheu os cofres do estado. Como todos os governos “Pink Tide” na América Latina, o MAS foi capaz de dar aos pobres sem prejudicar os lucros dos capitalistas.

O MAS, junto com todos os “antineoliberais” da região, manteve em grande parte o mesmo modelo de acumulação capitalista de seus precursores neoliberais. A ênfase na exploração dos recursos naturais (em um contexto de altos preços das matérias-primas) e programas de assistência social para os pobres criaram o que alguns estudiosos chamam de “estado compensatório”. O impacto negativo da exploração dos recursos naturais, especialmente pelo capital estrangeiro, foi compensado com transferências de renda para os pobres. Isso gerou alguns conflitos com populações indígenas, como as que habitam a região de TIPNIS, cujas terras estavam ameaçadas de serem destruídas para o agronegócio.

Ao mesmo tempo, o MAS conseguiu cooptar organizações de massa de trabalhadores e camponeses. Os sindicatos bolivianos da COB (Central Obrera Boliviana), que foram incomparavelmente militantes ao longo do século XX, foram finalmente colocados sob o controle do Estado. O MAS ajudou a criar uma burocracia sindical corrupta que agiu como uma força policial contra o movimento dos trabalhadores, ao mesmo tempo que restringia os sindicatos independentes.

Diante de um golpe, Morales manteve sua política de conter os protestos e encaminhá-los por vias eleitorais. O MAS foi o responsável por desmobilizar a resistência ao golpe em pontos-chave, como quando o bloqueio da usina de gás de Senkata ameaçou o funcionamento do sistema energético em grande parte do país. Antes das eleições, os dirigentes do MAS pediram a seus apoiadores que respeitem os resultados, sejam eles quais forem. O fato de o MAS ter conquistado uma vitória tão grande não se deve à sua política pacifista de negociar com a direita, mas apesar dela.

O novo governo

Agora, Luis Arce chegará ao poder sem grandes superávits na exportação de matérias-primas, que Morales utilizou para apoiar seu governo durante 14 anos. Ao contrário, Arce enfrentará uma crise social, econômica e de saúde sem precedentes. No próximo ano, o PIB da Bolívia deverá contrair 11%. As massas operárias e camponesas, que conseguiram repelir as forças do golpe, agora esperam muito do que entendem como “seu” governo.

Os fascistas de Santa Cruz nos arredores de Camacho vão permanecer no mesmo lugar. A polícia, que aproveitou a primeira chance para queimar o Wiphala e assassinar os chamados “índios”, também segue ali. O exército que deu o golpe continua no poder. Acima de tudo, o imperialismo dos EUA mantém suas inúmeras alavancas de poder para dominar a América Latina, incluindo bases militares, corporações multinacionais e o FMI.

Durante 14 anos, o governo do MAS negociou com a direita, nunca agindo contra os interesses das corporações imperialistas e dos grandes latifundiários que constituem a base social da direita. As forças golpistas sofreram um sério retrocesso por enquanto - mas elas se reagruparão para atacar novamente assim que tiverem uma chance. A única maneira de eliminar essa possibilidade é expropriar os capitalistas bolivianos e internacionais que precisam manter as massas da Bolívia subjugadas. Só assim é possível romper com o legado do colonialismo na Bolívia.

Álvaro García Linera, ex-guerrilheiro e vice-presidente de Morales, referiu-se ao programa do governo como de “capitalismo andino”. No entanto, a experiência tem mostrado que este programa deixa um aparelho de estado profundamente repressivo, racista e pró-imperialista no lugar. Somente um programa de revolução socialista, começando na Bolívia, mas se espalhando por todo o continente, pode colocar as imensas riquezas da Bolívia a serviço dos trabalhadores do país.

É por isso que os trotskistas na Bolívia, incluindo a Liga Revolucionária dos Trabalhadores - Quarta Internacional (LOR-CI), nunca apoiaram politicamente o MAS. Eles lutaram contra o golpe e em defesa dos direitos democráticos básicos, mas ao mesmo tempo trabalharam para construir um partido independente da classe trabalhadora que luta pelo socialismo. Essa é nossa tarefa também nos Estados Unidos.

Texto publicado originalmente no Left Voice, que é parte da rede internacional do Esquerda Diário nos Estados Unidos.




Tópicos relacionados

Elon Musk   /    Luis Arce Catacora   /    Eleições 2020 Bolívia   /    Evo Morales   /    Jair Bolsonaro   /    Donald Trump   /    América Latina   /    Internacional

Comentários

Comentar