Economia

CONFERÊNCIA DE IMPRENSA

Argentina: Seis chaves do ajuste anunciado por Macri e Dujovne

Antes da crise, o governo reportou um corte acentuado nos gastos e a aplicação de um imposto morno aos exportadores que foram beneficiados pela mega desvalorização. Os principais pontos do anúncio.

sábado 8 de setembro| Edição do dia

A crise avançou e, antes de viajar para negociar o acordo com o FMI, o governo anunciou um corte acentuado nos gastos e a aplicação de um pequeno imposto aos exportadores que foram beneficiados pela mega desvalorização.

Aqui estão os principais pontos das medidas:

- Redução de ministérios de 22 para 11: carteiras foram fundidas e foram para as secretarias. O gabinete era composto por: Marcos Peña (Chefe do Estado-Maior), Rogelio Frigerio (Interior), Nicolás Dujovne (Economia), Dante Sica (Produção), Guillermo Dietrich (Transporte), Patricia Bullrich (Segurança), Germán Garavano (Justiça) Jorge Faurie (Chancelaria), Oscar Aguad (Defesa), Carolina Stanley (Desenvolvimento Social) e Alejandro Finocchiaro (Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia).

Nesta reestruturação pode aumentar as demissões de trabalhadores do Estado, como aconteceu na semana passada na Agroindústria, que demitiu mais de 500 trabalhadores.

-  Déficit zero: a meta do vermelho fiscal é cortada, prevista até agora em 1,3% do Produto Interno Bruto (PIB) para 0% para 2019. E em 2020, Dujovne disse que alcançaria um superávit de 1% sobre o PIB , com uma "economia" de US $ 5.000 milhões. Apenas o déficit fiscal primário (antes do pagamento dos juros da dívida) diminui, o que inclui cortes nas obras públicas e despesas com salários e despesas operacionais (mais demissões de funcionários públicos).

Não há déficit zero para especuladores. O mesmo documento divulgado pelo Tesouro reconhece que em 2019 os juros da dívida serão de 3,3% do PIB. Com a desvalorização, o peso da dívida cresce no final deste ano podendo ser superior a 70% do PIB.

- Recortes: redução das despesas de capital (obras públicas) em 0,7% do PIB, uma "economia" real de 50%. O freio na construção é uma medida que retardará ainda mais a economia.

Redução de subsídios, uma queda de 0,5% do produto devido à transferência de gastos para as províncias, que serão responsáveis pela tarifa social e bônus.

Redução de 0,2% do PIB em salários e despesas operacionais pagas pelo Estado. Essa porcentagem resulta do corte de 20% em bens e serviços. Isso afetará os salários dos funcionários públicos, mais erosão do poder de compra e novas demissões.

- Despesa social: o governo anunciou que haverá novos itens para atender os gastos sociais. É o reconhecimento oficial de que a crise terá sérias consequências para os setores de baixa renda. A pobreza aumentará novamente.

- Retenções na exportação: um imposto de US $ 4 por dólar será aplicado para exportações primárias e US $ 3 por dólar para o restante das exportações. Será reduzido para 18% na alíquota de feijão, farinhas e óleo de soja. O governo estima que essa medida irá levantar US $ 280 bilhões em 2019. Esta medida é um imposto ligeiro para os exportadores que ganharam com a mega desvalorização. Como alertou o especialista Daniel Schteingart com este esquema, se a taxa de câmbio aumentar, as retenções se liquefazem, "encorajando os geradores de dólares a pressionar para desvalorizar". Por exemplo, com um dólar a US $ 40, os produtores de soja "desistem" de 4% do que ganharam desde dezembro de 2017 devido à desvalorização. Se o dólar vai para US $ 45 "rendimento" 2%.

- Contribuições do empregador: adiar por um ano o aumento do mínimo não tributável das contribuições previdenciárias esperadas para o ano de 2019. Segundo o Governo, isso implicará uma cobrança adicional em 2019 por US $ 40.000 milhões.

O aumento do mínimo não tributável foi incluído na reforma tributária pró-negócios e representou uma perda de recursos entre US $ 100.000 milhões e US $ 140.000 milhões para o Tesouro em 2022 (nos valores de hoje). Essa medida beneficiou as grandes empresas de serviços, como supermercados (Carrefour, Coto), fast foods (Mc Donalds, Burguer King, etc.) e bancos privados, com reduções de contribuições que chegam a 70% nesses casos. Agora com a crise, só é adiada por um ano.

O pacote de medidas atinge os trabalhadores. Esta crise tem exportadores vencedores claros, bancos, grandes empresas e especuladores que continuarão a pagar dólar por dólar por dívida.

Pode lhe interessar: Megadevaluación: as penalidades são de nós, os ganhos são estrangeiros




Tópicos relacionados

Crise capitalista   /    Argentina   /    Mauricio Macri   /    Crise mundial   /    Economia

Comentários

Comentar