Internacional

ARGÉLIA

Argelinos saíram às ruas na trigésima sexta-feira de protestos contra o regime

A mobilização que derrubou a ditadura de Bouteflika chegou nesta sexta-feira a 30 semanas e continua a exigir a queda de todo o antigo regime.

segunda-feira 16 de setembro| Edição do dia

O movimento de oposição popular argelino, Hirak, alcançou a trigésima sexta-feira consecutiva de mobilização com um novo apelo massivo pela queda do regime militar liderado pelo general Ahmed Gaid Salah.

Como todas as semanas desde 22 de fevereiro, dezenas de milhares de argelinos, principalmente famílias, invadiram o centro de Argel e outras cidades do país gritando "queremos um estado civil e não militar".

Como nas últimas semanas, milhares de policiais vigiaram a marcha com o objetivo de intimidar os manifestantes. No entanto, e apesar da repressão desencadeada em ocasiões anteriores, eles não podiam impedir que milhares de argelinos saíssem às ruas.

Como outras grandes cidades do país, como Mostaganem ou Oran, os manifestantes manifestaram sua oposição à proposta do chefe do exército e novo homem forte do país, que pediu na semana passada à alta instância eleitoral para se reunir antes do dia 15 de Setembro para convocar eleições presidenciais antes do final do ano.

A resposta dos manifestantes é clara como suas consignas: "Não às eleições enquanto os mafiosos permanecerem no poder".

"Nos opomos à realização de eleições enquanto essa gangue ainda está no poder", gritaram os manifestantes em referência ao governo de transição formado após a renúncia forçada em abril ao presidente Abdelaziz Boutefliak e cujo o líder é seu ex-ministro do Interior, Noureddin Bedaui.

A Argélia é palco de manifestações populares em massa toda sexta e terça-feira desde 22 de fevereiro. Um grupo de jovens desafiava as forças de segurança e saía às ruas para se opor a tentativa de reeleição em quinto mandato do odiado Bouteflika.

O presidente de 81 anos renunciou ao cargo no início de abril, forçado por protestos e pressão do próprio Gaïd Salah, e foi substituído pelo presidente do Senado, Abdelkader Bensalah, que assumiu a liderança do Estado com o compromisso de convocar para realizar eleições presidenciais dentro de 90 dias.

Bensalah, que assim como Gaïd Salah chegou à sua posição de presidente do Senado no início da segunda legislatura de Bouteflika (2004-2009), no entanto, extendeu o mandato e permanece à frente da chefatura do Estado, apesar de as dúvidas legais que isso levanta.

Salah esperava que as mobilizações acabassem após vários meses de protesto e depois de terem mostrado uma diminuição significativa de manifestantes durante as férias de verão. No entanto, juntamente com o retorno às aulas, as marchas dos jovens que serviram de mecanismo para fortalecer as mobilizações toda sexta-feira foram reativadas.

O grito de "derrubar todo o velho regime" continua a roncar nas ruas da Argélia, e os jovens são um dos principais motores de uma desconfiança saudável em qualquer instância do diálogo nacional, como a que estava sendo feita pela maioria dos partidos e as principais figuras da oposição. A crise desta saída eleitoral proposta por Salah mostra a fraqueza em que se encontra o exemplo do diálogo.




Tópicos relacionados

Argélia   /    Internacional

Comentários

Comentar