Internacional

LEVANTES NO NORTE DA ÁFRICA

Argélia e Sudão: a geopolítica das revoltas

A consigna "abaixo de todo o regime" sangra os ouvidos da casta política, militar e empresarial, não só da Argélia e do Sudão, mas de todo o Magrebe. Quais são os pontos de contato de ambos os processos em relação às suas estruturas político-econômicas e sociais?

quinta-feira 2 de maio| Edição do dia

As manifestações na Argélia e no Sudão abalaram os governos de Abdelaziz Boutleflika e Brigadeiro Omar Al Bashir, respectivamente, até derrubá-los. Na Argélia, ao grito de "Yarnahaw ga" ("que todos se vão") e no Sudão ao de Thawra ("revolução"), milhares de mulheres, jovens, estudantes, profissionais e trabalhadores inundaram as ruas com cartazes e canções contra a opressão, o aumento do preço de alimentos alimentos, mais direitos, mas o central é o ódio do regime. A consigna "abaixo de todo o regime" sangra os ouvidos da casta política, militar e empresarial, não só da Argélia e do Sudão, mas de todo o Magreb e dos países do outro lado do Mediterrâneo. Veremos alguns pontos de contato de ambos os processos em relação às suas estruturas político-econômicas e sociais.

Raízes ditatoriais

Podemos dizer que a natureza dos processos que vivem Argélia e Sudão contém várias semelhanças produto de sua história, sistema político e do desenvolvimento econômico, bem como a maioria dos países do Magrebe e África subsaariana que mantêm essa semelhança. Deste ponto de vista, muitos analistas os comparam com a Primavera Árabe de 2011.

Após a Segunda Guerra Mundial, os processos de descolonização ocorreram na África. Durante os anos 50, estes processos se desenvolveram de forma desigual, mas com um alto nível de violência. No caso da Argélia, conquistou sua independência através da guerra travada pela Frente de Libertação Nacional (FLN) contra o domínio francês, que durou de 1954 a 1962, deixando um saldo de cerca de um milhão de mortos. A partir daí, a FLN gozou de grande prestígio entre a população, desempenhando um papel fundamental para a política nacional até os dias de hoje.

A Primavera Argelina de 1988 contra o sistema de partido único forçou a FLN a fazer uma "abertura democrática", após uma ofensiva com 600 mortos, mas o sucesso eleitoral do partido islâmico Frente Islâmica de Salvação levou a uma guerra civil entre 1991 e 2002, deixando cerca de 200.000 mortos. Em 1999, antes do final da guerra, Abdelaziz Bouteflika tornou-se presidente com um projeto de maior abertura econômica e para acabar com o conflito, na época um homem forte do círculo de poder fechado.

O poder na Argélia estava apoiado em três pilares fundamentais: o Estado-Maior do Exército do Povo Nacional, os serviços de segurança militar (SM) e a presidência, juntamente com seus assessores econômicos, os chamados "decisores". Bouteflika tentou mediar entre estas camarilhas para concentrar o poder em sua própria figura e estabelecer uma aliança inquebrável com o general Ahmed Gaid Salah em 2001. Um dos marcos que testaram esta aliança foi a ocupação da planta de gás "In Amenas" em 2013, onde ele aproveitou a oportunidade para expurgar as figuras centrais que estavam acusando a liderança da gigante do petróleo estadual Sonatrach, amigos da presidência, de corrupção.

O caso do Sudão é diferente. A independência não foi o produto da "vontade" dos sudaneses, mas negociada com o Egito e a Inglaterra. Esse acordo abre uma caixa de Pandora fazendo estourar uma guerra civil longa de dois períodos (1955- 1972 e 1983-2005), entre o norte muçulmano contra os cristãos e animistas no sul, cujas raízes podem ser encontradas na segregação política britânica. Esquematicamente, a região norte foi industrializada e modernizada pela Inglaterra, enquanto o sul "esquecido" não viu a sensação de fazer parte do mesmo território aumentando suas aspirações de secessão. Naqueles anos, ocorreu um verdadeiro jogo de tronos com golpes de Estado contra múltiplos dirigentes em 1955, 1964, 1969, 1983 e 1989; o último foi durante a Segunda Guerra Civil, que colocou Omar al Bashir no comando, ocupando a cadeira por 30 anos.

Estrutura econômica

A base econômica de ambos os países é a alta dependência de hidrocarbonetos, mineração, e agricultura, em menor grau. Condenando as pessoas a viver da redistribuição de divisas que deixam essas matérias-primas, amarrados aos ventos da economia mundial, adiando qualquer projeto de diversificação econômica.

Para a Argélia, de petróleo e gás são os pilares da economia desde a independência em 1962, especialmente depois de sua nacionalização em 1971. Esta se torna um membro da OPEP desde 1969, alcançando a posição de nono maior exportador de gás do mundo. Os hidrocarbonetos constituem cerca de 30% do PIB da Argélia, 95% de exportação e 60% das receitas orçamentais. Também passou a se tornar o terceiro maior fornecedor de gás para a Europa (16% das importações), com a procura de novos fornecedores para reduzir a dependência do gás russo. A Argélia estabeleceu-se como um parceiro estratégico para a energia da União Europeia, resultando em uma economia rentista em que mais de metade das suas exportações são hidrocarbonetos, a maioria das quais são destinadas a França, a sua antiga potência colonial.

O Sudão também dependente dos combustíveis fósseis para valores semelhantes, embora tenha outros problemas internos, étnicos e religiosos por causa da independência do Sudão do Sul em 2011, onde a maioria dos campos de petróleo e gás, enquanto que no Região norte são as refinarias, infra-estrutura e portos para comercializá-lo. A centralização da economia aqui é muito mais profundo pelas contradições internas sudanesas estrangulando a população deixando 20 milhões na pobreza total.

Essa fraqueza da estrutura socioeconômica de ambos os países é a base das atuais mobilizações. Se destaca a interdependência com a Europa e as contradições que o sistema capitalista tem para sustentar o atual nível de consumo de energia sem causar agitação social e disputas geopolíticas motivados pelo acesso aos recursos na periferia.

O papel na geopolítica regional

Os processos da Argélia e do Sudão podem ter menos impacto econômico para a Europa do que as revoltas no Egito e na Tunísia em 2011, mas um grande impacto geopolítico. Por um lado, por um possível "efeito contágio" em escala regional, motivado por um jovem que não viveu na primavera de 2011, mas está atento ao que está acontecendo nesses países. Mesmo na França, 20% da população (em sua maioria jovens) vem de migração a partir do Magrebe, recebendo na melhor das hipóteses um trabalho precário, de modo que para Macron, pode se tornar um problema combinado com o movimento dos Coletes Amarelos.

Por outro lado, países como Arábia Saudita, Turquia e Egito temem que uma abertura democrática nesses dois países possa ter um impacto que determine mudanças na geopolítica e problemas para seus próprios regimes. No caso da Arábia Saudita, que tem acordos significativos com o Sudão sobre a guerra no Iêmen, e um forte confronto com Qatar e Turquia sobre a política da Irmandade Muçulmana, que foi capaz de obter uma enorme influência política e ideológica no Oriente Médio e Norte da África. Também pode acelerar um processo de desestabilização no Chifre da África, onde há enormes investimentos chineses e egípcios em infra-estrutura, onde a Etiópia e a Eritreia são mantidas em um equilíbrio banhado em pólvora. Devemos também ter em mente que este país funciona como um tampão para a imigração para a Europa e abriga várias bases militares imperialistas, por isso, dadas as brutais contradições internas, as potências manifestaram-se a favor de uma saída acordada para evitar um cenário semelhante ao da Líbia.

A Argélia tem menos laços geopolíticos que outros países da região, mas como dissemos seu papel é fundamental para garantir "segurança energética" Europeia, e reduzir a sua dependência da Rússia a esse respeito, bem como se a situação adquire características de guerra civil pode abrir uma profunda crise em relação ao fluxo migratório, com consequências potencialmente imprevisíveis em um cenário europeu marcado por um boom de políticas nacionalistas e xenofobia.

Juventude em movimento

Os rostos das manifestações são principalmente mulheres, jovens estudantes ou trabalhadores profissionais. A juventude na África, entre 15 e 24 anos, é a maior parcela da população, a maioria sem trabalho. Na Argélia, os jovens inundam as ruas com o desemprego, até o momento não participavam da política. A queda dos preços do petróleo e os planos de ajustes impostos pelas instituições financeiras internacionais levou a cortes nos subsídios aos alimentos, combustível e eletricidade que elevaram o custo de vida para a região mais pobre do mundo e especialmente afetam a juventude.

Tanto a Argélia e Sudão as principais engrenagens do movimento de massas e auto-organização política contra essas políticas são as mulheres, que conquistaram legitimidade sem precedentes, ocupando principais lugares de liderança. As imagens icônicas de ambos os países mostraram jovens mulheres que dançam e recitam poesia, convidando os manifestantes a se unirem contra o regime. A estudante de arquitetura sudanesa Alaa Salah, apelidada de "rainha núbia", é um símbolo das manifestações. Por outro lado, não vemos um movimento operário organizado que hegemonize o processo porque os sindicatos são tradicionalmente controlados ou foram diretamente dissolvidos pelos partidos que lideraram os processos de independência.

O exército tentou centralizar a transição para salvar o regime dos dois países. Este sábado chegaram a um acordo, em princípio, no Sudão, conforme anunciado em Forças Liberdade e Mudança, grupo de oposição, após a primeira reunião de uma comissão mista instituída última quarta-feira entre a oposição e o Conselho Militar Transicional no poder. A discussão que ficou pendente é a porcentagem de civis e participação militar. Resta ver se as tentativas de desviar o processo de mobilização serão ouvidas, pois por enquanto os protestos continuam.

Na Argélia, na sequência da renúncia de Bouteflika, assume seu ex-braço direito, o general Gaid Salah de 79 anos, que começou o expurgo de homens de negócios e serviços de inteligência que tiveram um relacionamento amigável com o "presidente de papelão" e até mesmo com Macron. No entanto, os protestos também dão as costas a esse chefe militar por fazer parte do círculo parasitário. Neste sábado, o secretário-geral da Presidência, Heba el Okbi, foi demitido, o último dos cargos políticos considerados próximos a Bouteflika. Mas essas mudanças cosméticas mostram as enormes dificuldades do regime em apresentar uma alternativa política às massas.

À conquista da classe trabalhadora

Aqueles que lideram a luta não confiam que a mudança de regime virá do exército, nem de saídas quentes, guerras civis sectárias ou homens fortes como Al Sisi no Egito. Esta semana, na Argélia, um comitê criado no calor do protesto convocou paralisações alternadas entre professores, médicos, ferrovias e petroleiros de Sonatrach, o que poderia ser uma experiência importante se aprofundado, apesar do fato de que o principal central sindical ele se recusa a convocar uma greve geral e faz parte da transição junto com a oposição liberal.

A intervenção independente dos trabalhadores que movimentam o petróleo, os portos e os setores-chave da economia aprofundaria as atuais rebeliões, abrindo a possibilidade do surgimento de uma alternativa com um programa que resgataria milhões de misérias catastróficas.




Tópicos relacionados

Argélia   /    Internacional

Comentários

Comentar